Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Procrastinar Também é Viver

Blogue sobre trivialidades, actualidades e outras nulidades.

Procrastinar Também é Viver

Blogue sobre trivialidades, actualidades e outras nulidades.

"Noites em São Carlos" - o artigo que escrevi

Como já vos tinha contado anteriormente, escrevi um artigo sobre a exposição "Noites em São Carlos" para a Fórum Estudante. Portanto, agora que já foi publicada na Internet, deixo-vos na sua companhia... aqui. Espero que tenham mesmo oportunidade de visitá-la. Eu, pelo menos, rendi-me. Não é uma daquelas visitas guiadas super enfadonhas, pelo que de certeza que vão gostar, talvez adorar.


Já agora, o que acham do artigo? Deixem-me sugestões!

os rapazes amorosos

“A pior coisa que as mulheres podem dizer de um homem não é que ele é um cabrão, um egoísta, um mulherengo, nem sequer um paneleiro. A pior coisa que as mulheres podem dizer de um homem é que ele é "amoroso". […] Se uma mulher disser que um homem é um mulherengo, isso quer dizer que tem vontade de o comer, mas também receio. […] Quando uma mulher diz que um homem é paneleiro, ela diz isso com alguma pena mas sem qualquer raiva, pois para ela já não conta como hipótese de cama. Agora, mau mesmo é ser "amoroso". Ser "amoroso" é pior do que ser paneleiro, porque o paneleiro não é sequer considerado, e o "amoroso" é considerado por uns minutos e depois é desconsiderado, pois não tem qualquer ponta por onde se lhe pegue, a não ser a amizade, que neste caso se limita a uma espécie de prémio de consolação.”


Domingos Amaral, “Os homens amorosos” (crónica)


 


   Não sei se as palavras de Domingos Amaral correspondem totalmente à verdade quanto à depreciação dos homens amorosos pelas mulheres, mas, do ponto de vista de uma adolescente, um rapaz/homem amoroso é bastante desejável. Encontrar um rapaz amoroso pode não ser tarefa difícil, ao passo que encontrar um rapaz genuinamente amoroso já é um pouco menos usual.


   Os rapazes que têm essa faceta de “fofinhos”, a quem apetece dar abraços a toda a hora, são relíquias por que qualquer miúda mataria para ter. Está bem, matar talvez não, mas lá que faria trinta por uma linha, é o mais certo. Para quê tentar ter alguma coisa com a criatura mais atlética, mais vistosa, mais sensacional entre o sexo feminino se, no final de contas, ainda nos acaba por sair um parvalhão de primeira, arrogante, egocêntrico, egoísta e, provavelmente, sem sentido de humor?


   Os rapazes que merecem ter o título de amorosos tanto podem ser tímidos como incrivelmente extrovertidos, podem ser populares ou nem por isso. Contudo, se alguma vez lhes chamarem “amorosos”, levem-no como um elogio, daqueles enormes, um num milhão. Não me refiro àqueles casos que ouvem um “oooohn, és tão amoroso!” para, logo a seguir, sentirem as bochechas serem apertadas como se fazem aos bebés. Não, senhor. Refiro-me estritamente aos “oooohn, és tão amoroso!” que significam “és do mais incrível possível e fazes-me sentir a miúda mais adorada de todo o sempre”. Ser-se amoroso é bom, se é que ainda não entenderam.


   Pode-se ser amoroso por inúmeras razões: por se ter um ar indubitavelmente vulnerável num aspecto quase imperceptível, não revelado directamente, aquele factor que faz as raparigas derreterem-se por dentro; por se ter um ar estranhamente inocente, mesmo que, lá no fundo, sejam grandes pervertidos (não exageremos, mas certas raparigas derretem-se com este tipo de “amorosos”); por se ser atencioso e/ou generoso (quando aliadas estas duas características, o resultado é fantabulástico); por se ser romântico. O rapaz que conseguir reunir em si todos os pontos enumerados neste parágrafo deverá, suponho eu, ser de pegar e não largar.


   Portanto, mesmo que, quando cresçamos, deixemos de gostar dos “amorosos”, preferindo antes os “cabrões”, ainda poderemos guardar as recordações de quando, numa certa altura da nossa juventude, estávamos noutra onda. Eu, pelo que me toca, espero continuar a gostar dos “amorosos”, quer tenha vinte ou trinta e cinco anos. E vocês, rapazes amorosos, aproveitem enquanto o podem ser legitimamente. Porém, que ninguém se esqueça: o poder dos cavalheiros nunca deixará de ser o poder dos cavalheiros, novos, velhos ou menos velhos!

"Noites em São Carlos"





Hoje à tarde, fui visitar a exposição "Noites em São Carlos", no Teatro Nacional São Carlos, e não posso deixar de recomendá-la, quer estejam interessados pela área ou não. É simplesmente magnífica...! Até escrevi um pequeno artigo "mais-ou-menos-jornalístico" para a Fórum Estudante! (Se o publicarem, colocá-lo-ei à vossa disposição aqui no blogue.)


Gostei imenso, como já terão reparado. Se estão interessados, só estará disponível até dia 4. Apressem-se!

Pág. 1/8