Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Procrastinar Também é Viver

Blogue sobre trivialidades, actualidades e outras nulidades.

Procrastinar Também é Viver

Blogue sobre trivialidades, actualidades e outras nulidades.

"We used to be friends"


Esta publicação é, featuring The Dandy Warhols, sobre e para (principalmente "para") os amigos que eu tive e que já não tenho. A determinada altura, foram realmente meus amigos (penso eu, do pico da minha ingenuidade), mais ou menos superficialmente, mas as circunstâncias guiaram-nos até às actuais, em que se dispensam lamechices e outros aditivos ou conservantes, tal como na comida. Acabou, acabou. 'Bora recorrer ao sarcasmo para enfrentar o assunto.
A música acima colocada - estrategicamente - faz-me lembrar bastante deles. Ou de vocês, caso vos sirva o boné. Algures no tempo, já fomos muito compinchas e uns para os outros, não foi? É que eu já nem certezas tenho - corrijam-me se estiver enganada. Éramos amiguinhos, confidenciávamos até a cor das nossas cuecas e partilhávamos experiências muito mais profundas do que simples fodas (sim, eu escrevi fodas, mas só para parecer sofisticada; pai, eu estou inocente!). O que nos unia era absolutamente inquebrável, pelo menos, até ao dia em que... 
De vez em quando, penso nesses amigos - vocês, ou tu, se calhar - e lembro-me imediatamente do refrão "a long time ago, we used to be friends but I haven't thought of you lately at all". Até o cantarolo. Está presente um certo tom de ironia que me satisfaz o ego. Eh pá, ainda existe quem escreva cenas destas e as inclua numa música que, por acaso, fazia parte do genérico da Veronica Mars. Trivialidades. Se atentarmos no resto da letra, é mais do mesmo. Fofo!
Deixo-vos, deste modo, a sós com os TDW, dedicando-vos esta sua adorável musiquinha, sem mais assunto. Foi só porque "a long time ago we used to be friends but I haven't thought of you lately at all". E hoje pensei.

Quando a rotina é interrompida (à parte os motivos)

É estranho não ter ido às aulas ontem nem hoje. É estranho acordar num quarto que não é o meu, numa casa que não é aquela em que vivo, noutro ponto do país, a quatrocentos quilómetros da rotina e das pessoas que a fazem. Nem bom, nem mau: estranho. Esquisito. Não estar na escola; ter um cão convencido de que é uma criança humana, mais pequeno do que um recém-nascido, a saltitar-me em cima da cama; não estar perto do meu namorado para o abraçar como se o quisesse desfazer em pedacinhos e rir-me com o que faz e diz; não estar com os meus colegas na parvolhice, empregando expressões inglesas a cada três portuguesas; não ensaiar com a banda; não comer o meu Nestum de bolacha maria ao pequeno-almoço; não estar preocupada com as horas num dia de semana de Janeiro.

Na casa da minha prima

Internet sem fios.
Televisões em todos os quartos (até no de arrumações).
Muitas bolachas e outras gulodices no armário da cozinha. Pão fatiado sem côdea também.
Uma das duas "alas" do apartamento só para mim.
Parte "controladora" da família alojada no outro lado da rua, na casa da minha tia.
Estores que bloqueiam completamente a luz e fazem parecer sempre noite, tal como eu gosto.

(Só derradeiras tentações para quem precisa realmente de estudar, como podem verificar.)

E depois existem ambientadores programados para borrifar de dez em dez minutos que me assustam de morte durante a noite, quando vou à casa-de-banho.
E, ainda para melhorar, também me apercebi de que os vizinhos do lado acordam antes das nove e têm um bebé chorão que penso que cá não estava em Julho, pela altura da minha última visita.

Pronto, está bem, eu vou pôr o estudo em dia. Ou ler. Ou escrever no blogue, acompanhada de um pacote de Chipmix acabado de resgatar lá do armário. Vocês entendem-me...

The Perks of Being a Wallflower: oficialmente rendida



Ultimamente, tenho tentado diversificar as minhas preferências (em especial, no que toca a literatura), incluindo o tipo de filmes que vejo. É que, sem diversidade, sem alterar a rotina, uma pessoa acaba, eventualmente, por ficar desinspirada. Até resisti bastante tempo até ver The Perks of Being a Wallflower... Já tinha lido tanta opinião sobre o filme/livro, que pensei que seria mais do mesmo, mais um exemplo claro da cultura de massas.
Então, ontem, rendi-me. Encontrei o filme na Internet e... toca a vê-lo, ainda ligeiramente céptica. Surpresa das surpresas: era tudo menos um resultado da generalizada mentalidade pop. Apesar de protagonizado por actores conhecidos do grande público, realizado e escrito, romance de base e argumento, pela mesma pessoa (Stephen Chbosky), o enredo era, no mínimo, curioso; achei a banda sonora brilhante e o pacote no geral pareceu-me bestial. Não tenho visto muitos filmes de qualidade superior recentemente, é certo, mas este foi, sem qualquer dúvida, o melhor que vi desde há algum tempo para cá. Inspirador. Comovente, sem ser demasiado foleiro. Nem muito nem pouco previsível. E mais não revelo!
São capazes de gostar deste hino à diferença e ao crescimento. Aconselho-vos a darem-lhe uma oportunidade, tal como eu fiz. (Por exemplo... agora. Ou, em todo o caso, quando tiverem disponibilidade para o verem de uma ponta à outra, sem interrupções. Não se vão arrepender.)

Ehn... it's alright


Kika, 15 anos, do Porto. Estão a fazer um grande alarido por ter sido descoberta pelo mesmo produtor da Lady GaGa e da Jennifer Lopez, mas, se querem saber (não querem?, ok), não vejo/ouço que seja alguma coisa de outro mundo. Tem um timbre interessante, está bem. Porém, transmite pouca emoção. É um bocadinho pão sem sal e eu não vou muito à bola com personalidades insípidas. Felizmente para a rapariga, ainda é nova e tem muito que aprender. Digo eu.
Pronto, atirem-me lá pedrinhas. Que insensível que sou!

(E ainda estou para saber de quem é que a moça é filha ou afilhada!)

The Versatile Blogger Award

Bem, bem... parece que as correntes voltaram às terras procrastinadoras!
Desta vez, trata-se de um selo, The Versatile Blogger Award, para que fui indicada pela Quadrada, que nomeou o meu blogue para continuar a marcar outros quinze e apontar sete factos sobre a minha mui ilustre figura.

Então, aqui vai disto!
  1. Sou blogódependente e julgo não existir reabilitação para este bicho. Aguentem-se!
  2. O primeiro livro que li com mais de cinquenta páginas foi o Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban, por volta dos nove anos.
  3. Sou fã de Harry Potter desde o momento em que o comecei a ler.
  4. Sou meia-asiática.
  5. Quando eu tinha três anos, a Britney Spears lançou o seu primeiro álbum, a minha mãe tinha-o e o meu passatempo preferido foi, até deixar de viver com ela, dançar e cantar HIT ME BABY, ONE MORE TIME!!! em frente ao espelho.
  6. Já quis ser actriz e/ou cantora.
  7. O número máximo de likes numa foto de perfil minha (no Facebook) é 37.

Como sou difícil de agradar, não conheço 15 blogues que mereçam a distinção. Portanto, eis a lista dos meus seis favoritos, escritos por pessoas que não têm nenhum livro publicado (não ordenados por preferência):
  1. Caderno de Pensamentos (o blogue da Quadrada, herself)
  2. A Última Bolacha
  3. Não Revelo as Minhas Fontes
  4. Produto Oficial Não Licenciado
  5. Quadripolaridades
  6. Entre Parêntesis

Mission accomplished! (a publicação em que poderei empregar expressões inglesas ao desbarato sem ninguém se lembrar do "downsizing do lifestyle" da MRP)

Já recebi os resultados do exame do Cambridge Advanced English!


Depois de um blind date com uma examinadora inglesa com idade para ser minha avó, cujas características  pareciam naturalmente decorrentes da sua nacionalidade (tanto psicológicas como físicas), com um examinador igualmente inglês que me contabilizava a performance em absoluto silêncio e um examinando advogado com quem me emparelharam para o exercício oral (hum... this one sounded awful), 40 anos, a atirar para o chubby, but indeed polite as lawyers must be, consegui um Speaking aquém das capacidades que me pertencem quando não são 11 da manhã e me encontro perante tais figuras.
Tive um Use of English e um Listening abaixo da borderline e tal situação deixa-me claramente desapontada. Felizmente, essas competências do exame são, à semelhança do Reading, corrigidas por sistemas informáticos, pelo que ninguém sofreu com a trapalhada por mim respondida.
Mas, disparando na escala e superando as minhas mais altas expectativas, obtive um EXCEPTIONAL Writing do qual me orgulho imenso (*baba*), que foi assim a coisa mais deliciosa que me poderiam ter atribuído (a mim ou a qualquer examinando, claro está), afastando-me da mente os outros resultados menos positivos.

Balanço final: foram os 175€ (do meu bolso, fruto do meu trabalhinho na escrita, e de mais ninguém, *baba outra vez*) mais worth it desde sabe-se lá quando. Mission accomplished.
Agora que tenho este canudo, vamos lá tentar arranjar maneiras de o pôr a trabalhar em prol dos meus interesses. (Como quem diz, se conhecerem alguém que precise de explicações de Inglês, falem-lhe de mim.)

Os jovens 'tugas e a sua "cultividade"

Eu sei, eu sei que nem toda a gente tem a mesma cultura geral. A minha é péssima em filmes e em música "moderna", por exemplo. O pior é que só me apercebi disso quando conheci alguém cujos conhecimentos nessas áreas são bastante acima da média (adivinhem quem). Perguntem-me o que quiserem sobre literatura ou história. Com alguma sorte, hei-de saber qualquer coisa acerca de música clássica (lá que gosto de ouvir, lá isso gosto), arte ou política actual. Acabo por não ser completamente tapadinha no que toca a assuntos culturais, não sei tudo, mas também não deixo de saber o suficiente para não fazer figuras tristes. Sei o que sei.
No entanto, parece-me que ainda existem por aí muitos bichos do mato que nem os dedos dos pés devem conseguir contar. Representam apenas uma parte do mundo (alegadamente) instruído, vá lá que não vá, mas são o que baste para me deixar um tanto ou quanto aborrecida - não por mim, mas pela humanidade em geral. É que nem sequer existem, actualmente, muitos obstáculos ao conhecimento: existem livros sobre tudo e mais alguma coisa (a começar pelos guias de instruções do Ikea e a acabar nos manuais de preparação para os exames, passando pelo Código Civil e pela Bíblia itself), quase toda a gente tem acesso à Internet, à rádio ou a um jornal e, milagre dos céus, existem mais televisões do que humanos no planeta Terra! (Na verdade, acabei de inventar este último aspecto, mas espero que tenham entendido a ideia.)

Deste modo, ironicamente, achei o artigo "A ignorância dos nossos universitários", publicado no site da revista Sábado, a paródia total. (Agradeço à amiga que mo enviou e que sugeriu de imediato que eu escrevesse sobre o assunto.) Não devia, mas achei. Antes rir do que chorar, não é verdade? E o mais triste é que não me admirei de cada vez que algum dos inquiridos falhou a resposta certa e largou uma qualquer barbaridade mais bárbara do que os próprios bárbaros, caso estes o tenham realmente sido. Então no vídeo, observando a expressão de cada um deles, tive a certeza de que, afinal, a espécie poderá não ter evoluído tanto quanto me fazem crer.
Uma das razões pela qual este artigo não me surpreendeu foi por "já saber o que a casa gasta". Estou numa turma de Línguas e Humanidades (12º ano) e tenho a certeza de que aproximadamente 40% dos meus colegas não 'tá nem aí. E os que lêem o meu blogue não poderão discordar, acho eu, do alto do meu pedestal blogosférico. 

Então, eis o TOP 5 das maiores falhas dos ditos estudantes universitários (e que belos universitários, caramba!):
1 - O Leonardo DiCaprio pintou a Mona Lisa. Deve tê-lo feito nos intervalos das filmagens do Titanic.
2 - O John Lennon foi contratado pela Disney para fazer as suas bandas sonoras. Na volta, ainda foi ele que escreveu as do High School Musical!
3 - Água...? Água é PH. Só espero que seja neutro.
4 - "O Evangelho Segundo Jesus Cristo" foi escrito por um dos apóstolos. 
5 - A capital de Itália é, visivelmente, Veneza, talvez porque o Casanova é de lá. A de Portugal deve ser Massamá, nem que seja porque é onde vive o Passos Coelho.

I rest my case.

Pág. 1/5