Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Procrastinar Também é Viver

Blogue sobre trivialidades, actualidades e outras nulidades.

Procrastinar Também é Viver

Blogue sobre trivialidades, actualidades e outras nulidades.

Tenho a mania dos livros

Não tenho livros a medir. Preciso urgentemente de novas estantes ou prateleiras e, ainda assim, continuo a adquirir mais livros (não tantos quanto gostaria, mas a culpa é do Coelho e do Gaspar). Há quem se mate por roupa e sapatos (eu só me esfolo) e há quem se mate por livros, o que é absolutamente o meu caso. Ainda não fui à Feira do Livro este ano, mas tenho a certeza de que assim que lá meter os pés me vou passar e vou ter orgasmos literários múltiplos. E perder todo o miolo que restar dentro desta minha cabecinha desmiolada. E gastar o dinheiro alheio (pai, avó… sabem a quem me refiro). Vou ser desenfreada, vou ser obsessiva, vou ser incontrolável, vou ser imparável! Enfim, vou endoidecer.

 

Nota: faço anos daqui a quinze dias. Aceitam-se donativos e prendas de aniversário adiantadas: cheques, notas ou mesmo trocos. Ou prateleiras e estantes. Ou livros, theirselves, porque não…?

 

Ajudem-me.

A boa filha à casa retorna!

Caramba, ainda há uns meses saí daqui, e cá estou eu de volta... Confesso que tive saudades do Sapinho e que não lhe podia negar a honra de voltar a ter o meu blogue na sua plataforma, onde me destacou e recortou tantas vezes para a página inicial! Eu também gosto muito dele e a modos que a coisa se proporcionou (sistemas de importação e exportação de blogues super práticos, obra de um tal anfíbio super competente), além de que a maioria dos bons blogues portugueses se andam a deslocar para estes lados, pelo que aproveitei a onda de (re)mudança de lar para fazer as malinhas e adieu, Blogger feio, que me mostrou o seu melhor lado nos primeiros tempos, mas que acabou por se revelar um autêntico traste (qual namorado desnaturado, belhac). Por enquanto, é normal que encontrem algumas anomalias, de que são exemplo algumas publicações repetidas, devido à configuração de importações/exportações. A maior vantagem é, por fim, conseguir reunir todo o conteúdo de procrastinação: tanto o que permanecia neste endereço (ainda no Sapo, desde Junho de 2011), quanto o deste (Blogger, a partir de Novembro de 2012 até agora).

 

Ora bem, a boa filha à casa retorna e esperemos que seja desta vez que assenta arraiais definitivamente!

Desculpem lá o mau jeito e, não se esqueçam, será aqui, no endereço http://fuiprocrastinar.blogs.sapo.pt/ que voltarei a escrever.

Continuem a procrastinar!

Pára-choques precisa-se

Ter aparelho nos dentes não é pêra doce. Também não é amarga, mas chamar-lhe doce está fora de questão. Como é óbvio, trará os seus benefícios inegavelmente visíveis ao fim de cerca de dois anos, três ou quatro que sejam, benefícios esses que ficarão para a vida, enquanto continuarmos a tratar bem da nossa boca. Por outro lado, enquanto o tempo de tratamento não chega ao fim, é chato. É mesmo chato.
Pessoalmente, tenho sorte por raramente ficar com dores após ir trocar os arames e os elásticos todos os meses ao dentista. Com isso, não tenho sofrido grandemente. Sempre que lá apareço, o homem diz-me que "vai meter um arame mais forte e que vai doeeeeer", mas a mim custaram-me mais os arames fraquinhos do que estes que tenho colocado nos últimos meses.
Uma vez, estava a comer uma tosta mista e o arame soltou-se do encaixe, o que me valeu umas quantas arranhadelas na bochecha e na gengiva até, dois dias depois, ter ido à clínica que fica perto da minha casa reapertá-lo de urgência. A partir daí, comecei a evitar tudo o que é alimento estaladiço ou um pouco mais rijo, um conselho que me haviam dado no dia em que tinha metido o aparelho, mas de que eu me esqueci - inconscientemente, devo tê-lo ignorado.
De resto, não tenho razões de descontentamento maior. Não gosto de Coca-Cola nem de pastilhas elásticas, duas guloseimas pelas quais o pessoal (pelo menos o cumpridor) de sorriso metálico se mataria para voltar a saborear. E, apesar de adorar gomas, não sou viciada nelas e consigo moderar-me, uns dias melhor do que noutros - vou-me aguentando.
Alguns amigos meus que passaram ou que estão a passar pela ingrata época do aparelho, tal como eu, costumam ter imensos problemas com comida presa em tudo quanto é dente e arame. Às vezes, a boca deles fica um nojo e conseguem ver-se amostras de uma dieta diária inteira apenas com um sorriso. Já eu, não sei bem por feito de que arte, não sofro desse mal e não preciso de estar a escovar os dentes a cada meia-hora. Ainda não tenho aparelho no maxilar de baixo, mas tenho uma barra palatina no céu da boca (os primeiros dias com ela foram uma agonia, que nem engolir eu conseguia!!!), e as baixas expectativas que guardava para a higiene da minha boca foram surpreendentemente superadas com muito mais sucesso do que julguei - uma vitória, juro-vos!

O primeiro inconveniente a apontar e que, mesmo assim, não me incomoda por aí além, é o meu maxilar inferior, por não ter aparelho até ao próximo mês de Outubro ou Novembro, estar a ficar recuado em relação ao maxilar superior - apesar de eu mal me aperceber, os arames têm realmente força e estão a fazer bem o seu trabalho - pelo que é imperativo que mos consigam alinhar assim que possível.
O segundo inconveniente, que não tem que  ver directamente com a colocação do aparelho, sendo mais a causa de o ter posto, é ter um canino a rebentar-me no céu da boca, devido ao incompetente do seu homónimo de leite que não quis cair e ficou a emplastrar a cena. Para lhe colocar uma mola como as que tenho nos outros dentes, ligada às restantes, vou ter de ser operada no Verão. Espero que não se impressionem facilmente, mas vão ter de me rasgar o céu da boca e levar-me 160€ assim duma assentada - e o conteúdo susceptível de vos chocar é mais o custo da operação do que propriamente o sangue envolvido.
O segundo inconveniente, aquele que já apresenta uma relevância alarmante, é o meu aparelho ser o causador de diversas e frequentes aftas na boca do senhor meu namorado. Sim, está bem, o arrebatamento (COUGH, VIOLÊNCIA) dos meus beijos não ficará, decerto, impune neste assunto, mas fogo, uma pessoa apaixonada não olha a aparelhos que arranham e magoam o seu compincha do amor. Num momento de entusiasmo, uma pessoa apaixonada está-se pouco lixando para ninharias tão "pouco" importantes quanto ter um perigoso abre-latas na boca.

Pois, e é isto. É muito engraçado ter um sorriso metálico todo colorido, etc e tal, mas só quem o tem é que sabe o que lhe saberia bem! Eu cá contentava-me com um desconto do género "ponha um aparelho, leve um pára-choques para a sua cara-metade!".

SPLASH - mais um programa de TV para embrutecer as massas

É mais do que certo e sabido que este nosso povo português é um povo com um enorme coração e sensibilidades agudas. Não há cobra venenosa bebé que não seja alvo de ohs e outras exclamações carinhosas por parte dos expectadores de documentários sobre a vida selvagem, não há história nos programas da Fátima Lopes e da Júlia Pinheiro que não apele a comoções e lágrimas diversas, desde as de crocodilo às que fazem um lamaçal no meio da carpete, não há coitadinho nenhum que escape à piedade do mais comum português (aka 'tuga), não há banda sonora manipuladora que não desperte o seu monstro choramingas das profundezas do seu ser rijo, devidamente concebido para aguentar quando o seu clube de futebol perde a taça da liga. Portanto, aqui se apresenta um povo que, apesar de ter andado, em tempos passados, à cacetada com tudo o que era gente, e que foi suficientemente destemido para largar filhos, mães e mulheres para ir enfrentar um bicho mitológico ao sul de África, nos dias que correm chora com a novela mais paneleira, seja portuguesa ou brasileira (e ainda nem conhece as mexicanas!).
Portanto, foi sem grandes admirações que o "Splash!" estreou ontem, envolvendo muita história de vida cheia de coragem, camaradagem, força de viver... apresentado, é claro, pela Júlia Pinheiro (alguém me há-de dizer por alma de quem é que está lá o Rui Unas, p'lamor de Deus). O pessoal "só" tem de saltar dumas pranchazitas para uma piscina super funda, onde não há risco de baterem com a cabeça - o segredo é apenas saber-se entrar direitinho na água - mas, contra todas as expectativas dos meros mortais, conseguem relacionar a sua história de vida com aquele simples exercício e fazer um aparato digno da corte de Luís XVI. Tudo bem, está lá um atleta paralímpico que nem sempre o foi, uma vez que a sua cegueira foi repentina, e que tem lutado (ah, percebem?, porque ele já foi pugilista) imenso para alcançar novos objectivos de acordo com a sua situação, mas não significa que só por a Raquel Strada ter vertigens devemos todos homenageá-la com um minuto de silêncio (e eu nem vi a parte da Sónia Brazão - até deve ter sido a chorar por ela que encheram as piscinas). E, tirem o cavalinho da chuva, porque o Castelo Branco já começa a enjoar e a perder a sua piadinha.
Ora, dito isto, foi a primeira e última vez que vi este programa. Acho que, para embrutecer o meu cérebro, já me chega ver a MTV.

Dos outros #28

Portugal é um país «pequenino», implacavelmente situado na região anal daquele apóstolo que traiu Jesus (...). Em primeiro lugar, Portugal tem de ser extrema e intransigentemente «snob». A atitude certa é a do velho fidalgo que, depois de se ter cansado do Império, se decidiu a regressar a casa e cuidar do seu jardim. Foi Portugal, afinal de contas, que aliciou a Europa para as grandes aventuras coloniais com as quais os grandes países europeus enriqueceram."

Miguel Esteves Cardoso, crónica "Europa", in A Causa das Coisas

Gordura e (des)proporcionalidade

Há uns meses, disse ao senhor meu namorado que, para minha grande alegria, me podia dar ao luxo de comer qualquer coisa à face da Terra, mesmo o hambúrguer ou as batatas fritas mais gordurentas que qualquer cadeia de fast food pudesse alguma vez produzir, porque eu nunca engordaria uma única grama. (Blá blá blá, que grande garganta que eu tinha nessa altura, deve ter minguado depois da amigdalite que tive entretanto...) Respondeu-me ele que lhe tinha acontecido o mesmo, mas que o pior viera com os 18 anos - bye bye enfardar e continuar a ser um palito, com agradecimentos especiais à sô-dona puberdade!
Então, aqui estou eu, a menos de um mês dessa idade metabolicamente malvada, a ver os pneus crescerem e a suplicarem por piedade, que não fazem mal a "ninguém"... Ainda assim, o maior problema continua a ser a fraca proporcionalidade na relação barriga-ancas-rabo-mamas, sendo que os últimos dois não aumentariam de tamanho nem que lhes injectassem cinco quilos de banha de porco saturada. C'est la vie!

Olha, eu conheço-te! *runs away*

Se há coisas tenebrosas neste mundo, uma delas tem de ser, obrigatoriamente, encontrar alguém conhecido, seja onde for. Odeio esta situação desde que me lembro de conhecer pessoas. A minha actual especialidade é dar de caras com antigos colegas em supermercados ou estações de comboio. Porquê eu? Porquê?! Detesto conversas de circunstância, sorrisos forçados, beijinhos que não se querem dar, as perguntas habituais ("que é feito de ti?"/"que curso vais seguir?"), o embaraço, o nosso aspecto que nesses dias NUNCA é o melhor, a vaidade, a pressa para fugir... Se quiséssemos realmente conversar, bastava-nos enviar uma mensagem pelo Facebook... Dah! Alguém me saberá explicar por que é que é considerado "boa educação" cumprimentar toda a pessoa minimamente conhecida quando a vemos?  Enfim, lagarto, lagarto, lagarto!
E, já sabem, se forem antigos colegas meus (principalmente os do colégio) e estiverem a ler isto, acenem-me apenas de longe quando me virem, não venham ter comigo, não cumprimentem a minha avó nem ninguém que esteja ao pé de mim, e guardemos tudo o que seria tempo e palavras desperdiçadas. Ambos sabemos que ficará toda a gente a ganhar com isso...!

As criancinhas querem livros!

Eu sei que os miúdos querem é brincar, jogar Playstation e arreliar os animais de estimação, mas penso que a vertente cultural não perde importância nenhuma no meio de tanta tropelia. E quem diz vertente cultural diz LIVROS. Oh sim, os livros! Preparem-se para ler o (curto) best of dos argumentos pró-livros na infância que esta livro-maníaca tem para vos "vender".

Primeiro, pergunto apenas: como é possível, neste mundo, neste nosso Portugal, ainda haver criancinhas de dois anos (e por aí fora) que não têm livros nem contactam com ninguém que lhos mostre ou que lhes contem, sequer, uma história da Carochinha ou da Cinderela? Como?! Deparando-me com casos próximos sofrendo deste mal, não me consigo questionar outra coisa...

Não me lembro de um único momento ou etapa da minha vida em que não tenha estado em contacto com livros. Aliás, já tenho aqui escrito sobre a nossa precoce e sempre fecunda relação e vocês já devem ter entendido que isto é para a vida, amigos, ai que não é. Claro que nem sempre me fiz acompanhar de calhamaços de oitocentas páginas, mas nunca me faltaram as bandas desenhadas da Disney, do Astérix ou do Tintin, livros de histórias infantis populares (principalmente dos contos dos irmãos Grimm, da Anita e de fábulas, como as do Hans Christian Andersen) ou até mesmo aqueles com pouca escrita e muitas imagens coloridas, de capa dura. Daí a minha apreensão quando conheço uma criança que não esteja a ser habituada a este mundo. Faz-me impressão, dá-me comichão, deixa-me lesão, aumenta-me a tensão!
Pelo que me tenho apercebido, não só pelo meu caso, como também por outros, as crianças que se habituam aos livros têm mais probabilidade de gostar deles e de os ler, efectivamente. Ao longo do tempo, sempre mos compraram, deram ou emprestaram, e eu nunca os li todos - senão, ainda estaria por esta altura a meio das minhas aventuras d'Os Cinco ou dos da Condessa de Ségur.
E, regra geral, as crianças que lêem têm tendência a tornar-se mais criativas, a ter mais sucesso na escola e a ter uma mentalidade mais liberal. Lendo, aprende-se a escrever e a pensar, o que costuma dar jeito na vida real (apesar de não parecer, eu sei...). De pequenino se torce o pepino! Pessoalmente, os livros nunca me trouxeram desgostos (excepto um final infeliz ou outro) e jamais desistiram de me trazer alegrias. Mesmo que os seus enredos sejam uma porcaria, que o autor seja o mais pervertido e maquiavélico, sabe-me bem chegar ao primeiro terço das páginas, a metade, a três quartos... ao fim, e pensar "eu cheguei aqui/eu li tudo isto!" e ser inundada por uma onda gigante de orgulho, que me alimenta o ego e a auto-estima.

Não quero, com isto, parecer estar a fazer propaganda aos livros - eu não pareço, porque estou mesmo! Deixem as criancinhas ter livros! Dêem-lhes livros, nem que sejam aqueles que custam 0,99€ no Continente. Afinal, que mal poderá daí advir? Nenhum. Eu tenho livros desde que me lembro e não deixei de papar tudo o que era desenho animado na televisão, catálogo de brinquedos ou jogos, muito menos foi por isso que não  me interessei pelo meu Game Boy, pelas Bratz, pelas Pollys ou pelos meus bichos da seda. Estou viva e tenho-me saído razoavelmente bem - eu... e mais uns quantos milhões.

Confissão

Como é óbvio, a maior procrastinadora que conheço sou eu mesma. Portanto, quando é suposto estudar para um teste, digo para com os meus botões que eu sou mas é uma rapariga de trabalhos, que eles implicam muito menos esforço de concentração. Pelo contrário, quando preciso de fazer um trabalho (como agora), testes são comigo, que eu estudo para todos os que houver e vierem! (Neste ponto da parada, limpar o quarto também já foi comigo, arrumar todas as minhas gavetas já foi comigo, dormir já foi comigo, ver um filme já foi comigo, cuscar todo o perfil de Facebook já foi comigo... Imaginem o meu desespero!)

Famílias confusas, crianças "confundidas"

"Está aprovada a lei que permite a coadoção por casais do mesmo sexo. Os homossexuais podem agora coadotar os filhos adotivos ou biológicos da pessoa com quem estão casados ou com quem vivem em união de facto."

Vou tentar ser breve e clara: fico contente por, finalmente, a mentalidade retrógrada da sociedade portuguesa estar a dar mostras de uma ligeira desretrogradização, mas continuo a achar que a aprovação da coadopcão por casais homossexuais ainda revela muito trabalho pela frente, muito debate, muita polémica, enfim, muito título de jornal e ruidosas manifestações pela igualdade.
A meu ver, a coadopção das crianças só as vai "confundir" desnecessariamente. Com que então, têm uma mãe e dois pais, ou um pai e duas mães? Não acham mais simples darem-lhes somente dois pais ou duas mães, um núcleo familiar bastante mais sólido? Nem os cartões de cidadão têm espaço para o nome de tanta gente! Ou, piadas à parte, por que é que a criança há-de estar registada e identificada tendo como pai/mãe uma pessoa que acaba por lhe ser desconhecida, quando deviam era constar apenas os nomes daqueles que a amam realmente e que a estão a criar como sendo do seu sangue? Deixo a questão em aberto.

Pág. 1/3