Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Procrastinar Também é Viver

Blogue sobre trivialidades, actualidades e outras nulidades.

Procrastinar Também é Viver

Blogue sobre trivialidades, actualidades e outras nulidades.

um princípio *

   " Do terraço da minha casa, consigo ver o pôr-do-sol. Vou para lá, sempre que me sinto sozinha – a luz é a minha companhia. Observo o sol a descer sobre a orla do horizonte, criando a ilusão de que se desloca, todos os dias, a toda a hora, à nossa volta.


   Até as estrelas nos tentam iludir, penso, afastando a poeira do assento da cadeira de praia e sentando-me lá, observando o céu onde predomina um fundo cor-de-rosa berrante cheio de laivos laranjas e avermelhados. O amanhã promete calor, decerto.


   Os últimos dias de Junho têm sido os mais quentes de que me lembro, desde o início do ano e, todas as noites, sou obrigada a afastar as cortinas e os vidros para que a brisa nocturna me afague, durante o sono. O ar saturado raramente dá tréguas e dou por mim a virar-me na cama até meio da madrugada, quando, por fim, a atmosfera consegue arrefecer.


   Ainda que o calor seja praticamente insuportável fora de casa, ver o pôr-do-sol tornou-se algo de que me vejo incapaz de prescindir. De certa forma, acalma-me e fascina-me, até, como pode a Natureza deliciar-nos com tamanhos fenómenos artísticos. Já antes tentei retratar o pôr-do-sol em aguarela, lápis de cera, de cor ou de óleo, mas nunca consegui captar a emoção que me é transmitida todas as tardes sob uma aura mágica. Nenhum artista, por muito dotado que seja, conseguirá, alguma vez, reproduzir um perfeito pôr-do-sol, quanto mais uma mera estudante de Artes, como eu, tão inexperiente, não só na pintura, mas também na vida.


   A seguir, desperta o anoitecer, tal como todos os sons da noite. Cigarras a cantar, pequenos gafanhotos aos saltos, mochos e corujas piando incessantemente e a aragem a rasar a vegetação.


   Em grande parte, eu revejo-me neste cenário pacífico. Foi aqui que cresci, numa pequena vila, em casa dos meus tios. Na pequena casinha à beira da estrada, vivem eles, eu e, por vezes, as minhas primas mais velhas, que voltam à casa dos pais sempre que a vida lhes permite. Vivem ambas no estrangeiro e só nos visitam pelas Festas e no Verão, se é que encontram condições para isso.


   Por fim, já as nove horas vão longas, o céu escurece totalmente. Concentro-me em absorver a energia do momento, fechando os olhos e ouvindo o silêncio. Não se ouvem carros, não se ouvem conversas, não se ouve nada, excepto a noite em si.


 


  Sonhei que pintei o pôr-do-sol no horizonte, depois de adormecer a imaginá-lo, mais uma vez. Onde terá o Criador encontrado aquelas cores magníficas, magnificentes e belas? Cheguei à conclusão de que o problema reside em não existir paleta alguma que se compare à dele. "






* pedido pela Free Soul