Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Procrastinar Também é Viver

Blogue sobre trivialidades, actualidades e outras nulidades.

Procrastinar Também é Viver

Blogue sobre trivialidades, actualidades e outras nulidades.

quase podiam jurar que o meu blogue era branco

De agora em diante, já não tenho desculpas para escrever parvoíces sem nexo, uma vez que transformei a minha monocromática espelunca num palácio colorido, digno de lindos textos e queixumes do habitual. Digam lá que isto em tons de azulão e cor-de-rosa não fica extremamente mais animado! Até dá gosto olhar, digo eu, que gastei duas horas a mudar fundos, cores, tipos de letra, elementos daqui e dali, a arranjar um cabeçalho bonito, a condizer com El Procrastinar, mas sem abandonar a simplicidade anterior. Ah pois, agora é que vou chegar aos 100 seguidores! (ou não)

ah e tal

... ouvi dizer que o Real Madrid foi ontem a penalties com o Bayern, hein? Agora, já não gostam tanto do Mourinho e do Cristiano Ronaldo, pois não, seus vira-casacas? Nem é que eu aprecie lá grande coisa comentar futebol, até porque não entendo patavina de coisa nenhuma, mas não me consegui conter, porque andam aí tantos portugueses (até jovens, vá-se lá imaginar!) a tentar encontrar a cura para o cancro, sem qualquer reconhecimento, vendo-se obrigados a emigrar, enquanto os que dão pontapé na bola valem ouro e diamantes e são os meninos lindos dos 'tugas, como se o nosso país não passasse de uma grandessíssima cambada de incompetentes, imbecis e empecilhos para a humanidade, que nem o ensino primário concluíram! Agora, tomem lá disto, que o futuro de Portugal nem sempre está no futebol.

porque é que eu gosto mais de ser amiga de rapazes do que de raparigas?

   Os rapazes são seres simplificadores, apesar de, à vista da perspectiva feminina, serem bichos, não de sete, mas de setecentas cabeças. No entanto, é do meu inteiro prazer informar - as menos atentas - que, uma vez entendida a maneira de pensar de um, geralmente tornamo-nos capazes de entender com relativa facilidade como havemos de lidar com os restantes 3,5 biliões de rapazes/homens no mundo (partindo do princípio de que existem 7 biliões de humanos, metade dos quais são rapazes e que os orientais pensam da mesma maneira que os ocidentais, só em jeito de simplificação).


   Dois dos meus amigos mais chegados são rapazes e a minha humilde experiência permite-me confirmar que a diferença mais básica entre rapazes e raparigas é que eles não gostam particularmente de falar sobre outros rapazes (a menos que ele seja o nosso pai ou o nosso love interest e, mesmo assim, nota-se o esforço que investem em tais conversas), enquanto as raparigas adoram falar sobre outras raparigas, o que, se formos analisar em profundidade, é o problema das nossas amizades - e das nossas vidas, em geral. Passamos demasiado tempo preocupadas com miúdas que não interessam nem ao menino Jesus! Quando eu começo a falar com os meus amigos sobre outros rapazes (passo a enumerar: ex-namorados, outros amigos, o nosso vizinho fisicamente bem constituído, o nosso colega bajulador), recebo respostas do género "hum, está bem", "fixe", "lol", "o que é que isso contribui para a minha felicidade?" ou "hoje não tens Francês?". Por norma, quando começo a falar sobre raparigas com outras raparigas, começamos com um inofensivo "sabias que Fulana Tal acabou com o Tipo Y?" ou "já viste o rabo Daquela? Tem as pernas todas arqueadas!" e assim se passa uma tarde sem nada de útil ter sido feito... E, ainda mais alarmante, gravamos uma mancha na nossa dignidade, por nos termos divertido a exaltar os podres de outrém.


   A verdade, minhas caras, é que os rapazes tornam as suas amigas em pessoas melhores. Eles são frontais, sem papas-na-língua, práticos, não desperdiçam tempo a ser superificiais e ainda nos tentam compensar emocionalmente com abraços fortes, másculos e apertados/pancada-de-amor quando nos sentimos em baixo, ao invés das amigas que, não desdenhando ou menosprezando as suas técnicas de consolo, jamais possuirão o dom de nos animar com uma voz grave e profunda, assegurando-nos com legitimidade "da próxima vez que o vir, vou dar-lhe cabo do focinho" depois de saberem que o nosso namorado nos traiu com a porca da Fulana W (W... de Whore!)

aprende-se todos os dias

   Hoje, por exemplo, aprendi que desinteria é a palavra soft para diarreia.


  Também descobri que o suplemento alimentar que ando a tomar para combater o stress e a ansiedade, um complexo de magnésio, contém um mineral chamado manganésio, que, segundo a Internet, pode causar irritações de pele, o que explica, possivelmente, eu andar cheia de borbulhas na cara.


   Como não há duas sem três, aprendi que, em Francês, carteira é porte-monnaie.


 


   Ah, e andei sozinha de comboio pela primeira vez na vida. (yupiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii!)


 


Tenho uma vida tão animada.