Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Procrastinar Também é Viver

Blogue sobre trivialidades, actualidades e outras nulidades.

Procrastinar Também é Viver

Blogue sobre trivialidades, actualidades e outras nulidades.

da Quadrada

"componente 4"

   Queridos e estimados leitores (meia dúzia, vocês contam-se pelos dedos), quero apenas avisar-vos sobre a nova função do meu "Componente 4", que deixou de se chamar "os meus covers" para passar a ser um humilde "recomendo". A verdade é que não quero misturar, de todo, os meus hobbies, talentos, coisas estranhas e, por vezes, mal enjorcadas, que faço, pelo que prefiro deixar a minha musiquinha lá no Youtube, porque aqui é sítio de escrita e a escrita é sagrada - tal como a música, daí cada uma merecer o seu próprio espaço.


   Dito isto, poderão continuar a aceder ao meu canal a partir do link "música para os teus ouvidos" aí em cima, no cabeçalho, e ao meu blogue (este), a partir do link "o meu blogue pessoal", na margem direita do meu canal do Youtube. Perceberam a mecânica da coisa? Não? Releiam este parágrafo.


   Para concluir, espero apenas que apreciem as sugestões que vos apresento no "Componente 4", que serão tanto de música, como de livros, citações, etc, etc, coisas dessas.


 


   Beijinhos e abraços!

retribuições

Não dou "likes" porque já mos deram a mim, não comento porque me deixaram também um comentário, não vos subscrevo os blogues ou os canais de Youtube só porque vocês subscreveram os meus, não vos vou dizer que cantam/escrevem bem ou menos mal porque foi a vossa opinião sobre mim, não vos vou agradecer por nenhum dos aspectos anteriormente referidos. Só ligo ao que me convém, ao que gosto, ao que me interessa e acho que merece a minha atenção. Por favor, parem de pedir retribuições, sim? E desculpem qualquer coisinha...

resiste!

   Eram onze horas da manhã quando me ocorreu "porque não vou correr?". O sol estava fraquinho, o vento fresco e eu cheia de energia. Vesti-me a preceito, com a t-shirt vermelha que tem estampado o logótipo do ginásio onde pratiquei hip-hop até ao ano passado (só para que quem me visse passar pensasse que eu era grande coisa, temos desportista e tal), calcinha de fato treino preta a condizer, soquete branca e os ténis mais decentes que encontrei. Também não me esqueci do mp3.


   Uma vez do outro lado do portão, aqueci durante dois curtos minutos - tornozelos, pernas, joelhos, cintura, pescoço, não se fosse dar o caso - e pus-me logo a correr, com o cronómetro a contar o meu esforço ao milésimo de segundo. Não se passaram quarenta e cinco segundos até que eu me visse obrigada a parar, culpa dos ténis. Não tenho nenhuns próprios para atletismo e aqueles balançavam-me nos pés como se pesassem cem quilos. Lá os apertei e, reiniciando a contagem do cronómetro, retomei a corrida.


   É engraçado como um caminho nos parece tão simples quando estamos apenas a andar, sem pressas. A correr, as ruas do meu bairro ganhavam novas inclinações, obstáculos, um solo com muito mais pedrisco espalhado aqui e acolá, todos eles obstáculos à minha fraca resistência. Desafios. Eu não desistiria, levando apenas dois, três minutos de prova, uma prova contra mim própria, a favor da mesma pessoa. Tenho de me superar, tenho de me superar, ia repetindo, mentalmente, descendo ruas, subindo terra calcária batida ou pisando violentamente a areia fofa. Numa dessas ruas forradas a pedrisco, dei de caras com um grupo de rapazes da minha idade, talvez. Ainda pensei voltar para trás, mas era tarde demais, pois eles já me tinham visto. Continuei, olhando em frente, fazendo quase de conta que não reparara neles. Os Muse iam-me despertando e dando alento, tocando-me melodias mais suaves e outras mais fortes aos ouvidos (ultimamente, tenho-me virado muito para este tipo de rock alternativo, revoltando-me contra as baladas e os amorosos pops).


   Só faltavam duas ruas até regressar à minha. Jurei que não havia de sobreviver a mais cinquenta metros, mas consegui, consegui não parar até pisar a rampa de acesso à minha casa. Alívio, alívio, alívio, ufa! Sentia-me desfalecer um pouco a cada inspiração, até que me sentei.


   Canso-me depressa. O cronómetro marcava apenas 07:22:(qualquer coisa), ou seja, menos de sete minutos e meio a correr e já me saltava o coração pela boca, daí a minha actual preocupação. Sou jovem, magra (muito), as minhas aptidões físicas sempre foram fraquíssimas e a tendência é para que piorem, caso eu não me ponha mas é a mexer rapidamente. Não sou das piores alunas a desporto, mas também não sou, de longe, a melhor. Sou ridiculamente mediana. Vale-me o esforço que vou investindo e esta vontade de me superar deve permanecer presente. Vou obrigar-me a correr cada vez mais, durante mais tempo, ainda maiores distâncias. Quero que as subidas deixem de ser uma preocupação quando estou a correr e que venha a conseguir controlar a minha respiração, para não parecer que estou a ter um ataque cardíaco a partir do quarto minuto de corrida.


   Apresento-vos o meu nome projecto, o meu novo objectivo, que é não me tornar daquelas pessoas sedentárias, mal humoradas e que só chegam aos cinquenta com a ajuda de máquinas. Eu sou melhor do que isso, porque quero continuar a ouvir o médico, ano após ano, informar-me do quão saudável sou. Eu consigo.

obrigada, avó

 A minha avó ofereceu-me o livro que eu taaaaaaaanto queria!


E, no final do dia, ainda tive direito a 500 gramas de aparas de carnes frias, com imensos bocados de presunto lá pelo meio. No entanto, só ao cabo de dois presentes é que nos lembrámos que era Dia da Criança. Foi uma tarde boa, foi sim. Obrigada, vovó!


(O macaco que vêem pendurado no livro é um marcador de plástico bastante original que me saiu como brinde no Chocapic. Estou para ver quando me calha o pinguim ou o lémur.)

Pág. 9/9