Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Procrastinar Também é Viver

Blogue sobre trivialidades, actualidades e outras nulidades.

Procrastinar Também é Viver

Blogue sobre trivialidades, actualidades e outras nulidades.

"Mais vale só do que mal acompanhada"? Ou não?

Sou muito individualista e, na maior parte das vezes, prefiro trabalhar sozinha, para o bem e para o mal. Não é que me importe de trabalhar em grupo, mas acho-o muito mais confuso. Prefiro mil vezes ter a liberdade de agendar o meu tempo dependendo apenas de mim; já nem falo da partilha obrigatória de ideias, porque com essa vivo eu muito bem e respeito-a imenso. Lá está, acho que o maior problema é ter de depender de outras pessoas, que é uma coisa que eu detesto com todas as minhas tripas. Como disse, para o bem e para o mal, o melhor é mesmo estar por minha conta. Se os outros fizerem porcaria, não tenho de me responsabilizar. Se eu fizer porcaria, mais ninguém terá de ser responsabilizado. Simples, não é?

Por isso, quando não há alternativa senão trabalhar em grupo, que seja com pessoas que se comprometam e que consigam trabalhar individualmente, para que o grupo possa beneficiar em conjunto. Se o grupo se organizar e trabalhar de maneira eficaz, vale a pena. O pior é ser raro encontrar um grupo assim. Digo eu.

Continuo aqui para o que der e vier!

Descansem, pessoas, eu não vou morrer de cancro nem nada do género, apesar de ter maus fígados ou, pelo menos, um fígado muito saliente. Acontece que eu não tenho nada de nada. O meu suposto "problema" é ser um bocado magra (não dispensando o pneuzinho da praxe, é claro), por isso as minhas costelas e tudo o que está para trás delas fica mais vulnerável e palpável do que na maioria das pessoas. Ora, quando as médicas que me observaram na quarta-feira me espetaram os dedos na barriga, é claro que me ressenti! Contudo, fui reencaminhada para uma consulta de dermatologia por causa das manchas que tinha na pele e, adivinhem, eu tinha exactamente aquilo que eu encontrei na Internet, consoante os sintomas e o aspecto delas, uma manifestação viral através da pele que se chama "ptiríase rosada", ou seja, em vez de ter uma gripe à séria, apareceram-me manchas. Vão desaparecer no espaço de dois ou três meses e os medicamentos que me receitaram ajudam a aliviar a comichão e a cor. As análises ao sangue têm um ou outro valor fora do recomendável, mas nada de especial.

Estou fina!

Eu, saco de patologias

Vou ao ginásio para deixar de ser lesma; descobrem que continuo a ter uma escoliose. Vou ao hospital por causa de umas manchas na pele; descobrem-me o fígado e o baço aumentados, sugerem que tenha que ver com os meus cães, mandam-me fazer análises ao sangue e cada vez que me tocam na barriga parece que me vão sair as tripas (esta cena dói!). E depois ainda querem que uma pessoa não seja hipocondríaca?! Aguardando respostas, vossas e das médicas.

RIP Facebook Messenger For Windows

Não sei se já repararam, mas alguém decidiu acabar com a aplicação do Facebook Messenger para o ambiente de trabalho do computador. Grandes sonsos! Agora tenho de ter o próprio Facebook ligado no browser para falar apenas com uma ou duas pessoas? Já não chegava terem-me tirado o meu grande amor tecnológico, MSN da minha pré-adolescência? SONSOOOOOS! PATIFES! Uma pessoa pensa que pode confiar na tecnologia e depois NÃO, MORTE ÀS APLICAÇÕES QUE DÃO REALMENTE JEITO e 'bora criar Flappy Birds e mais versões falhadas de anti-vírus para smartphones! Um dia destes acordo e já nem Google Chrome me resta, só um Internet Explorer todo ranhoso, é que estou mesmo a ver.

Ah e tal, a partir de dia 3 de Março de 2014 o Facebook Messenger já não vai funcionar, lamentamos o inconveniente e blá blá blá. Raios parta o WhatsApp, mas quem é que usa essa grande caquinha? Viram o que fizeram, viram???! E agora, como é que eu falo com a minha gente do coração sem ser bombardeada pelas notificações e pelo (nada fascinante, mas muito tentador para procrastinar) mural de actualizações?

 

 

RIP Facebook Messenger for Windows. Partiste cedo, mas deixas boas memórias, nem que seja até à próxima invenção.

Socorro! Sou demasiado nova para tanta ambição!

Por vezes, esqueço-me que tenho (apenas) 18 anos. Sei lá, acho que já tenho demasiadas responsabilidades para alguém da minha idade ou que já atingi o suficiente para preencher uma vida alheia com tantas experiências. E não digo que toda esta situação seja má, muito pelo contrário - acho-a óptima. Sou tão feliz e tenho tantos projectos e ideias em mente que nunca, mas nunca páro. Estar sempre a mil pode parecer péssimo para algumas pessoas, mas para mim é o recomendável. Cada vez que posso descansar, estranho. Tenho de manter a cabeça ocupada constantemente e ter algo para fazer a todo e qualquer instante, ou fico meia desorientada. Como é que vou coleccionar tantos sonhos numa existência humana tão curta??? A única coisa de que jamais abdicarei serão as minhas sete horas e meia de sono por dia; aos fins-de-semana, têm de ser nove. Raramente bebo café e vou ao ginásio. Só tenho saudades de escrever mais sobre um tema à minha escolha, aqui no blogue ou noutro sítio qualquer, só por escrever. Cada coisa a seu tempo, não é verdade? 

Meanwhile, in bracesland...

Amanhã vou instalar o aparelho no maxilar de baixo da minha boquinha. Já me disseram que vai ser beeeeeem mais doloroso do que foi com o de cima. Eu cá só acredito ao sentir. Quando, há mais de um ano, comecei a aventura do aparelho, não sofri assim tanto. Doeu-me comó caraças nalguns dias, mas c'est la vie. Diz-se que a beleza custa, não é? Eu cá vou-me treinando para quando puser uns implantes mamários de copa H, que vão, obviamente, ajudar imenso a minha escoliose recém-re-descoberta.

 

Ah, ainda não tinha contado? Pois, a modos que o meu fémur esquerdo tem menos 1cm do que o direito, o que me criou uma compensação enorme de músculo no ombro esquerdo e não no direito, causando-me um problemão do camandro na postura corporal. Já quase não posso treinar no ginásio, graças a esta minha peculiaridade, enquanto não arranjar uma palmilha ortopédica para me equilibrar o corpo. Sim, eu sou uma caixinha de anormalidades, obrigada por repararem.

Olá e adeus, estou mesmo de saída!

Eu bem quero escrever acerca dos livros que tenho lido e comprado, lindos e maravilhosos, umas autênticas pechinchas. Eu bem quero escrever acerca de piadas e curiosidades da vida de todos os dias. Eu bem tento arranjar um espacinho na minha disponibilidade psicológica para estas vontades e quereres, mas não consigo. É muito difícil não sentir o chamamento do blogue.

Por outro lado, está tudo bem. Tem estado tudo mesmo muito bem. Continuo a ter o melhor namorado do mundo, os melhores amigos do planeta, uma família de gritos, a faculdade está lá no sítio, tenho muito trabalho, muito para estudar... Só que tenho tido poucas palavras, pelo menos para escrever aqui.

Na tentativa de colmatar a minha ausência por terras procrastinadoras, aqui seguem alguns textos mais informais que escrevi no mês passado a título não pessoal, mas sim - digamos - profissional, para os blogues dinamizados pela própria empresa:

  1. 5 dicas fundamentais para se tornar num bom aluno
  2. Procura um telemóvel novo? Experimente um Android!
  3. Porquê criar um blogue? Eis algumas razões...
  4. Quais os benefícios de praticar desporto? E onde posso praticá-lo?
  5. (Apenas) 5 breves vantagens se gostar de ler livros
  6. 4 razões para visitar um museu em Lisboa

 

Tenham um bom fim-de-semana e não me odeiem! Ah ah ah!

(Depois digam-me o que acharam dos textos acima mencionados, pode ser?)