Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Procrastinar Também é Viver

Blogue sobre trivialidades, actualidades e outras nulidades.

Procrastinar Também é Viver

Blogue sobre trivialidades, actualidades e outras nulidades.

A Universidade #2 - Mas ainda há vantagens em ir para o ensino superior?

Acham mesmo que há vantagens em ir para a universidade? Acham mesmo? Pois, é que as há, sem dúvida!

Ao contrário da publicação acerca das desvantagens, esta não vai ser escrita por pontos. Prefiro explicar-vos o que tem significado para mim (e, talvez, para outras pessoas que conheço) estar na universidade.

 

Eu dificilmente me veria noutra situação sem ser completar uma licenciatura e um mestrado. No meu 12º ano, pensei que poderia não ter meios de começar já a licenciatura, mas sabia que, mais cedo ou mais tarde, conseguiria fazê-los. Felizmente, pude inscrever-me logo, logo.

Eu gosto de estudar, gosto de aprender, gosto de ler e de saber o que os professores têm para dizer, nem que sejam mesmo muito maus, péssimos, e se tornem apenas um objecto de estudo antropológico - ou não estivesse eu em Ciências da Cultura.

Quando gostamos daquilo que fazemos/estudamos/em que trabalhamos, tudo se torna mais fácil e divertido. Tirar uma licenciatura implica muito trabalho, muito mais nuns cursos do que noutros, mas há sempre coisas a fazer, independentemente do cariz do projecto. Sem trabalho, não há frutos. O que é que se faz sem trabalho, afinal? Mas, sendo eu alguém que entrou no curso certo, digo-vos que não há melhor sensação do que a do dever cumprido com gosto, do que saber que somos bons naquilo em que nos empenhamos e que, mesmo que este não seja o melhor caminho em direcção à meta da empregabilidade, ou seja lá qual for a meta que se imponha, fizemos o que estava certo para nós. Sim, eu podia ter ido para Direito, mas não fui. 

No entanto, há sempre quem não vá para um curso por vocação, mas sim porque há pressão da parte de outras pessoas, ou porque é um bom curso, com saídas profissionais, com bons professores, uma promessa para um bom futuro. Não julgo, porque continua sempre a haver mais vantagens do que se ficar pelo 12º.

Uma licenciatura, seja ela em Filosofia ou Gestão de Empresas, Gestão Turística, Jornalismo ou Economia nunca deixa de ser uma licenciatura, nível 6 segundo o Quadro Europeu de Qualificações. É mais um bónus no CV. Com ou sem mestrado ou outras formações, tem o seu devido valor do ponto de vista dos empregadores. Dá a credibilidade suficiente para se dizer "eu fiz X e Y, aprendi acerca de Z". Um diploma tem valor, seja ele qual for!

Não gostei muito do que estudei no secundário, embora me tivesse parecido, na altura, o melhor curso a tirar para, depois prosseguir estudos a nível superior. Línguas e Humanidades teve os seus pontos altos, mas o tipo de ensino não deixa espaço para a motivação dos alunos. Tive professores que se sentiam frustrados por terem de nivelar a "qualidade" segundo as normas dos programas, em detrimento dos alunos que queriam algo diferente, que lhes lançassem desafios. Esses mesmos professores eram aqueles que afirmavam prontamente "vocês só não têm melhores notas porque se sentem atrofiar" e que, ao verem antigos alunos entrarem na faculdade, conseguiam comprovar o que tinham dito um par de meses antes.

Há péssimos professores no ensino superior, "meros" investigadores ou bolseiros que não têm veia para o ensino, mas também há professores muito bons, que nos fazem gostar de ir às aulas e de aprender sempre mais. Por isso é que a universidade é um sítio tão florescente em ideias e novos projectos, porque a própria comunidade académica o proporciona - não só os professores, como também as conferências, os eventos, a Associação de Estudantes, as festas, os encontros, os passeios, os debates...

 

Talvez eu não seja a pessoa mais objectiva para vos descrever o quanto é bom ter escolhido o ensino superior mas, se duvidarem de mim, voltem a ler o que eu também já escrevi: 10 razões para não se ir para a universidade.

 

***

 

Se tiverem alguma sugestão para o próximo tema a tratar em "A Universidade", cheguem-se à frente! Estou a pensar em escrever sobre as praxes e os trajes ou, então, acerca do meu curso. O que acham?