Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Procrastinar Também é Viver

Blogue sobre trivialidades, actualidades e outras nulidades.

Procrastinar Também é Viver

Blogue sobre trivialidades, actualidades e outras nulidades.

Procrastinar é viver, mas parar é morrer

Queridos, fofos, simpáticos. Já estou melhor da gripe e já deixei de ver trash TV. Em breve, respondo aos comentários. Obrigada a todos!!!

Falando doutros assuntos...

 

Quem já lê o que escrevo há algum tempo, sabe muito bem que os meus tempos de procrastinação andam muito em baixo desde há um ano e meio para cá. Comecei a trabalhar, depois entrei na faculdade e fui-me metendo em cada. Vez. Mais. Projectos. À maluca. 

Sempre que me sinto a estagnar, preciso de mais estímulos e arranjo-os. Felizmente, nunca me faltaram oportunidades.

Nos últimos tempos, a quantidade de trabalhos de copywriting que me costumam enviar decresceu para aí 90%, sem exageros. Nem 100€ fiz em quase três meses, neste ano de 2015. Por outro lado, também não teria tido disponibilidade para fazer muito mais do que fui fazendo entretanto, ora por causa da carta de condução, ora por causa de formação complementar, ora porque estive doente, ora porque não tenho andado com forças para nada, nem para agarrar num livro e ler (sim, eu sei, é um desespero).

Por isso, como sempre, peguei nesta cabecinha de alho chocho, sempre tão despenteada, e pensei "do que eu preciso é de coisas novas, que já nem a faculdade ou o trabalho de estudo me enchem as medidas". 

E candidatei-me a um estágio extracurricular no Centro de Estudos Anglísticos da faculdade (à maluca, sem reflectir muito nas consequências, como é costume). E fui aceite logo ali, na entrevista.

E, a seguir, caiu-me a ficha. PORRA, MAS ONDE É QUE EU ME FUI METER, QUE JÁ ANDO A BATER MAL DOS CORNOS SEM UM ESTÁGIO COM 12 HORAS SEMANAIS E A PARTIR DA PRÓXIMA SEMANA TEREI MENOS ESSAS 12 HORAS PARA, TIPO, DORMIR, ESTUDAR E ENCHER O TEMPO LIVRE A FAZER CENAS INÚTEIS, TIPO, CONSUMIR SÉRIES NORTE-AMERICANAS DA BERRA??? (Em caso de dúvida, estou realmente a citar-me, sem censuras ou delicadezas.)

Olhem, mas eu quero lá saber. É que não quero mesmo saber. Eu nunca deixei de fazer aquilo que me deu na real gana, nunca! E nunca deixei de dormir sete horas por noite. Nem de ser feliz, namorar ou ter a minha dose semanal de Wareztuga. Além disso, eu sei que também durmo algumas horas absolutamente acessórias à minha sanidade mental e que, nos fins-de-semana, sou capaz de passar um dia inteiro em frente ao computador a fazer refresh de sites e redes sociais de que me devo desapegar um bocadinho.

Se ultimamente ando um bocado deprimida e a sentir-me doente, do género doente de já andar a bater com a cabeça nas paredes às quatro da tarde? Ando, pois. Ando mesmo sem vontade para sair da cama. Contudo, uma vez mais, atribuo a culpa disso à desmotivação e desencanto que a faculdade me tem feito sentir, mais a falta de trabalho. Ou é isso, ou é uma anemiazita estúpida, que também se trata com a ajuda do médico e depois passa.

Parece-me que desperdiçar oportunidades é... um desperdício. Um futuro arrependimento, até. Por essa razão é que eu nunca páro, porque quero engolir o mundo e ter o maior número de experiências antes de deixar de ter idade para as ter sem que me olhem de lado e pensem que já estou acabada (e pronto, porque eu também sei que, quando chegar a altura, me quero dedicar a 200% a criar uma família e que determinados compromissos e oportunidades profissionais ou académicas hão-de ter de ficar para trás, porque criar um lar feliz exige o tempo e disponibilidade emocional das pessoas).

 

Moral da história, temos é de ir "bola p'rá frente", aventurarmo-nos e deixar-nos de grandes tratados de pensamento. Temos é de sair da casca, deixarmos a nossa marca no mundo e contribuir positivamente para ele, ser produtivos - não exclusivamente em termos profissionais, mas mesmo em termos de fazermos aquilo de que gostamos e experimentarmos sair da nossa zona de conforto! Há tempo para tudo, desde que saibamos aproveitar o tempo! Até para procrastinar há sempre uma manhã ou um fim-de-tarde!

 

Sinceramente, depois de saber que fui aceite no estágio (já agora, um projecto em que acredito a nível pessoal, de que falarei noutra altura, quando me inteirar melhor acerca dele), tenho a sensação de que fiquei menos fraquinha, menos anémica, menos a enfiar a cabeça na areia. Bem diz o Ricardo que isto pode muito bem ter uma quota parte de origem no psicológico da pessoa! 

 

Desculpem-me a pregação, mas foi mesmo escrita com boas intenções, como espalhar a boa onda e a motivação :) .]