Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Procrastinar Também é Viver

Blogue sobre trivialidades, actualidades e outras nulidades.

Procrastinar Também é Viver

Blogue sobre trivialidades, actualidades e outras nulidades.

Filhos de emigrantes, vocês falem-me e leiam-me em português, fáxavor!

Contextualização: ainda não vos tinha contado no blogue que estou a trabalhar na Bilioteca de Jardim da minha zona. Só está aberta em Julho e Agosto, assim como as Bibliotecas de Praia, e temos livros, revistas, jogos e actividades para crianças e adultos (mas, principalmente, para as últimas). Pertenço à equipa de Julho, por isso só me resta mais uma semana de trabalho! Estou a gostar muito, já agora.

 

E agora passemos ao motivo que me leva a vir fazer queixinhas ao antro de procrastinação...

Uma vez que nos encontramos de momento na época do Verão, é mais frequente os emigrantes regressarem a Portugal para ter férias por volta desta altura. Além deles, vêm os filhos, muitos deles até nascidos em Portugal, no caso dos emigrantes de gerações mais novas.

 

Na Biblioteca, tenho trabalhado com algumas crianças destas e digo-vos já que estou cho-ca-da. Não, não estou chocada com a existência delas, mas sim por algumas características suas.

Dê-se o caso de um menino de quatro anos, que foi viver para Espanha com os pais aos dois ou uma idade parecida. Não é que o miúdo não fala português??? Mas, afinal, o que é que se falará em casa? Não me digam que só falam espanhol (vá, castelhano), que até me cai o maxilar aos pés! Compreender-se-ia que o menino estivesse confuso, ainda por cima com duas línguas tão parecidas a dominarem-lhe a cabecinha tão jovem. Mas nunca na vida eu anularia a um filho meu a possibilidade de ser bilingue! Teria vergonha se ele viesse passar férias com os avós e não soubesse contar até dez em português, na língua materna dos pais!

 

Outro caso: uma menina com (para aí) dez anos, em Inglaterra desde os três, sabe falar português como se cá tivesse vivido a vida toda, mas... que não sabe ler nesta língua, só em inglês. Olhem, eu passo-me com estas coisas. Será que não há um pai ou uma mãe que ensine esta rapariga a ler português? E quem diz o pai ou a mãe também diz o resto da família que cá a recebe. Ou a própria da menina, que já tem idade para ter iniciativa (o problema é a falta de interesse por parte de quem a rodeia, por isso até se entendem as consequências). Ainda tentei convencê-la de que é o máximo poder-se ler em várias línguas, ser-se fluente, e que só há benefícios em aprender a ler numa língua que ela já fala, mas os meus esforços foram em vão.

 

Pergunto-me se os pais destas crianças pertencem àquele tipo de emigrantes que não se importam de perder o contacto das suas raízes, por mero ressentimento ou sentimento de descredibilidade em relação ao país que tiveram de abandonar. Acharão eles que a língua portuguesa é assim tão insignificante que nem merece ser falada? Acharão eles que vale a pena privarem os filhos da possibilidade de serem bilingues e de se tornarem, desse modo, indivíduos mais ricos? Depois admiram-se que as Nellies Furtado e que as Katies Perry deste mundo tenham pais portugueses, mas que não falem nada senão inglês.

 

Enquanto escrevo isto, lembrei-me de que eu mesma sou uma dessas crianças. Não costumo pensar nisso, mas é verdade: a minha mãe é filipina e não foi por causa disso que não deixámos de falar SEMPRE em português (até deixarmos de falar de todo, vá), apesar de não ser a língua materna dela. Onde estão o tagalog/filipino e o inglês na minha vida? O último, aprendi-o na escola, como qualquer outra criança portuguesa; sou (digamos) fluente em inglês porque calha, porque sempre gostei dele, porque leio imenso e vejo muitas séries e filmes sem legendas, porque o estudo. E o primeiro gostava eu de o entender, e sinto que perdi uma oportunidade maravilhosa de conhecer uma língua que nem todos podem ou querem aprender, assim como a cultura que emana, que se lhe encontra subjacente.

 

Uma língua não tem de apresentar uma justificação para ser aprendida. Saber ler e falar outras línguas ajuda-nos a compreender melhor o mundo, a maneira como os seus falantes comunicam e se comportam, como interagem. Ser-se bilingue ou trilingue ou, pelo menos, fluente em línguas estrangeiras até melhora as capacidades e potencialidades do nosso cérebro, ajuda-nos a manter determinadas ligações nervosas activas. Como é que alguém pode ser capaz de negar uma língua praticamente dada a um filho?

 

Tenho uma amiga ucraniana-portuguesa (como gosto de pensar nela), a Solomiya, que veio para Portugal com dez anos, para se juntar aos pais que já cá estavam há cinco. Escreve e fala estas duas línguas, ucraniano e português, como se sempre o tivesse feito, como se tivesse nascido e sido criada cá. O irmão mais novo dela é mais português-ucraniano - ele sim, nasceu cá. A Solly costuma dizer que fala português com sotaque ucraniano e que o irmão fala ucraniano com sotaque português, e em casa falam todos ucraniano entre si, não deixando de ser fluentes em português, até os pais. Falam melhor português que muitos portugueses, mas não deixam que os filhos esqueçam o ucraniano. É a própria Solly que ensina o irmão a lê-lo e a escrevê-lo. E, se os amigos dela quiserem, também já disse que nos ensina a língua. Acho este exemplo maravilhoso.

 

Se eu pudesse, se tivesse disponibilidade, aprenderia todas as línguas criadas na Babel mitológica e respectivas ramificações! Por agora, enriqueço o meu português, faço um esforço por elevar o meu inglês a nível nativo e continuo a aprender francês e espanhol. Já disse que o próximo a entrar na lista será o neerlandês?