Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Procrastinar Também é Viver

Blogue sobre trivialidades, actualidades e outras nulidades.

Procrastinar Também é Viver

Blogue sobre trivialidades, actualidades e outras nulidades.

Uma terra para gente mesmo muito rica

29.03.18 | BeatrizCM

aerial-view-architecture-autumn-280221.jpg

 

Tenho andado a evitar politiquices aqui pelo blogue, mas há um tema actual que me mexe com os nervos e que eu também sinto necessidade de partilhar convosco, para que mais vozes se possam juntar e mais cabeças possam pensar. Vamos falar sobre o preço das rendas em Lisboa e arredores, vamos falar da impossibilidade de viver em Lisboa ou num raio de 50km, vamos falar sobre a eminência daquela voz que nos diz - a nós, gente miúda quase graúda que quer sair de casa dos papás - que nunca iremos passar da cepa torta, porque tudo aponta para que nunca tenhamos dinheiro para ir viver sozinhos, ou mesmo com as caras metades, ou amigos, ou sequer constituir família.

 

Porque isso, viver em Lisboa, em 2018, é só para ricos. Mas gente mesmo muito rica. 

 

Neste momento, é cada vez mais difícil para qualquer pessoa encontrar uma casa para arrendar em Lisboa e arredores. O preço das rendas (e dos imóveis para venda) é superior aos salários e reformas dos cidadãos, há até quem se veja despejado da casa onde morou toda a vida por causa da actualização do contrato (sempre com valores a apontar para cima) ou porque o proprietário quer vender. Poder ter um tecto em Lisboa é um luxo. 

 

Para alguém da minha geração, é impossível entrar no mercado imobiliário; para as restantes gerações, é impossível ficar. Mesmo com rendimentos superiores ao salário mínimo, com 1000€ ou 2000€...

 

Como é que alguém com um salário líquido de 1000€ consegue pagar um T0 a 500€ em Lisboa? Ou um T2 a 1300€? Ou um T3 a 2000€? Até no concelho onde eu resido, a 30km de Lisboa, um apartamento T2 custa 400€ e os preços têm estado a subir constantemente nos últimos dois anos, porque muitas famílias se têm mudado ainda mais para Sul desta Margem. Soma-se o passe combinado de transportes públicos, 100€, três horas na deslocação diária, e aí está a Matemática feita.

 

Por causa destas rendas ridículas - e rendimentos ainda mais incompatíveis com todo o cenário nacional - pessoas como eu e até as restantes pessoas que vivem comigo não conseguem deixar de viver todas num agregado familiar gigante e, apesar de unido, cheio de incompatibilidades que vão surgindo por causa dessa condição. Em alternativa, estamos condenados a ter roommates para sempre. 

 

E eu... 

Como todas as pessoas, quero ter um espaço só meu, sobre o qual se possa dizer que fui eu que conquistei. Pode não ser agora. Contudo, um dia, talvez daqui a um par de anos, cinco, aos trinta, aos trinta e cinco...

 

Se arrumei, arrumei; se desarrumei, desarrumado estará. Se cheguei tarde, seja. Cedo, ainda bem. Convidar alguém sem pedir licença, entrar e sair porque sim, gerir o que é mesmo meu.

 

Todos têm direito a ter um tecto sobre as suas cabeças, a formarem família, a tornarem-se independentes, a deixarem os pais gozar a sua própria independência depois duma vida a criarem-nos.

 

Nem sei porque me estou a justificar.

 

No outro dia, pensei "nunca vou conseguir sair daqui [da casa da minha família]". É triste, mas uma verdade que se aproxima a passos largos da minha vida. 

 

Quando é que esta bolha vai abrandar? Ou rebentar? 

 

E há quem ache mal a minha geração gostar de lanchar nos cafés da moda... é das únicas coisas que [ainda] nos resta! 

Desistir

23.03.18 | BeatrizCM

Aprender a desistir não tem de ser negativo, repito.

 

Desisti outra vez. Desisti dum curso. Ao fim de quatro em seis aulas, fui para casa a pensar "o que é que me prende?". Quase nada, não sou obrigada a lá estar, já está pago e tiradas estão as teimas. Nada me prende, excepto... a perda eminente de face (sobretudo no confronto interior, não com os outros), os pensamentos constantes de que seria só mais uma semana, mais um bocadinho, e que depois me poderei arrepender, e se...

 

Ainda assim, ignorando a minha própria teimosia, desisti. Ultimamente, é isso que tenho aprendido a fazer, não de maneira consecutiva, mas sim produtiva. Desisti deste curso, porque os motivos para o fazer começaram a surgir-me com maior frequência e insistência do que os benefícios - tal como tem acontecido noutras dimensões desta minha vida.

 

Aprender a desistir não tem de ser negativo, repito.


Aprender a desistir não tem de ser negativo, porque não somos feitos de ferro, nem temos de gostar de tudo aquilo que fazemos, nem temos de ser felizes todo o dia, todos os dias, porque ao desistir de algo que nos envolve em amarras podemos ganhar tempo para desenvolver o que nos poderá apaixonar, inspirar e ser bem sucedidos. Poderemos dedicar-nos a outra coisa qualquer, nem que seja a pensar. Ou a descansar.

 

Desistir pode ser bom, pode ser um caminho que, não sendo fácil de tomar para quem está habituado a ser combativo, também poderá revelar-se necessário. Pode ser que crie espaço para caminhos ainda melhores. Pode ser...

 

(É como desistir dum livro que nos tenha desapontado, para poder escolher um outro do qual realmente tiremos proveito!)

Não gostei do LxFactory, não gostei da livraria Ler Devagar, mas percebo o seu charme

20.03.18 | BeatrizCM

P1010116.JPG

 

Talvez tenha sido por causa da chuva, talvez tenha sido por causa do frio, mas não gostei do LxFactory (também não gostei da livraria Ler Devagar, mas já lá iremos). Depois duma vida inteira a viver perto de Lisboa e de muitos anos a lá estudar, fui para a Tailândia em pleno desconhecimento deste sítio in

Agora que voltei, estabeleci como objectivo visitar todos os locais que ainda não conheça em Lisboa e que eu sinta que me possam surpreender. Foi mesmo com isso na mente que fui visitar o LxFactory. Até combinei um plano completo com a minha amiga Carolina, para poder experimentar todas as variantes possíveis do dito spot. Almoçámos lá, visitámos todos os tipos de loja e quase nos aventurámos numa sobremesa.

 

P1010168.JPG

 

Aqui seguem algumas impressões...

 

Ora, ponto número 1: os preços no LxFactory encontram-se inflaccionados pela taxa do "ser da moda", isto é, quem lá vai deve estar normalmente disposto a gastar mais dinheiro do que se fosse a outro sítio qualquer. Começou com o preço do almoço. 3€ por uma sopa numa taça minúscula, por onde se poderia beber chá, mais 3€ por um crepe de legumes com 5cmx2cm. Por pessoa, tudo isto. Ah, e um litro de água custou 3,50€ (a dividir pelas duas). Eu sei que Lisboa não é a cidade mais barata do mundo, mas achei isto uma roubalheira. Pelo menos, as doses poderiam ser mais simpáticas. Todos os outros restaurantes tinham menús completos por uma média de 15€. Oh. Meu. Deus. Tentámos as sobremesas, mas, pelo menos a mim, pareceu-me um excesso pagar quase quatro euros por uma fatia de bolo (disclaimer: depois de sairmos do LxFactory, fomos a uma pastelaria local, mesmo à saída).

 

P1010161.JPG

 

P1010117.JPG

 

Ora, ponto número 2: o sítio não é assim tão bonito, nem agradável. Está bem, na semana passada esteve sempre a chover, o piso estava molhado, o céu nublado, as pessoas tristes e os cabelos ao vento. Mas não senti vibrações positivas enquanto estive no LxFactory, só senti um ambiente de coolness forçada. Não senti sequer que fosse um sítio tão artístico como tanta gente diz em todo o lado. Salvaram-se alguns graffitis interessantes, uma e outra mensagem curiosa, mas é só. Sem ser as esplanadas dos restaurantes, nem havia muitos bancos para os visitantes se poderem sentar e apreciarem as vistas.

 

P1010123.JPG

 

Ora, ponto número 3: depois de almoço, fomos à livraria Ler Devagar. Obviamente, eu estava entusiasmadíssima, poderia dar pulos de alegria por finalmente visitar esta livraria santificada nos blogues. Felizmente, também tinha um certa noção de que me poderia vir a desiludir. Pois, desiludi-me. Tem uma boa seleccção de poesia - devo reconhecer - mas o resto dos livros fica áquem das expectativas, não porque seja maus, mas sim porque são os mesmos livros que encontramos em qualquer outra livraria. A forma como estão organizados também não é nada de jeito, até me pareceu que estavam misturados autores portugueses com estrangeiros, não-ficção com ficção, géneros distintos com outros. Promoções... poucas, nem os preços me cativaram. Ficam no olho os mecanismos suspensos e alguns outros detalhes fofinhos, por exemplo, nos cafés dentro da livraria.

 

P1010139.JPG

 

Ora, ponto número 4: só encontrei uma casa-de-banho em todo o recinto. Sublinho, até: uma sanita. E tive dores de barriga. E tinha três pessoas atrás de mim, à espera que eu saísse. Não, não foi o momento mais confortável da minha vida, tive de apressar os meus assuntos e isso não me deixou muito feliz. (Se calhar, até havia mais casas-de-banho, mas o facto de eu não as ter encontrado também diz muito.)

 

P1010154.JPG

 

Ora, ponto número 5: safam-se mesmo os graffitis e a decoração de certas lojas. Pagam-se preços inflaccionados em todo o LxFactory, mas ao menos enchemos o olho nalguns (repito - alguns) sítios. Ainda assim, penso que esses pormenores são mais bonitos em foto do que ao vivo. Pronto, digamos que o LxFactory é um sítio fotografável,giro para o Instagram. 

 

P1010189.JPG

 

Após reflectir sobre a minha experiência, tive mesmo de chegar à conclusão de que não gostei do LxFactory. Fiz por tudo para não ser do contra, tentei procurar pontos positivos, mas concluí sempre que, com tantos locais lindos e maravilhosos em Lisboa, com uma área tão extensa e felizmente renovada à beira do Tejo, com prédios de todos os séculos e mais alguns que não encontramos em mais nenhuma cidade, com tanto espaço verde e urbano onde dá para lavar os olhos e também a alma... O que é que o LxFactory tem de especial? Bem... publicidade? Bom nome? É giro ir-se lá uma vez, ver como é e tal... e pronto. Não lhe consigo achar piada, principalmente quando penso no resto de Lisboa, na paz, beleza, tradição e inovação que esta cidade combina.

 

Contudo, fico humildemente à espera dos vossos comentários! Acham que estou a exagerar? Que deveria ter visto coisas que não vi, para as quais não olhei como deve ser? Que ainda me posso vir a surpreender se lá voltar mais uma vez? Veremos.

 

P1010149.JPG

Como a perturbação do regresso, ou síndrome do retorno, tem afectado a minha vida

11.03.18 | BeatrizCM

O que será a perturbação do regresso - também conhecida por síndrome do retorno e outros nomes - e como afecta a vida de quem a sente? Nunca tinha ouvido tal coisa até uma prima, que também vive fora do país, ter partilhado um artigo sobre este assunto no Facebook. 

 

P1010043.JPG

 (A vista da janela do meu quarto, um cenário que, passem os anos que passem, e mesmo quando construíram as casas no horizonte, parece nunca mudar... Um cenário que me fascina e me faz sentir, realmente, em casa.)

 

No passado...

Sempre senti a perturbação do regresso depois de regressar das minhas viagens de curta duração (o máximo foi duas semanas há três anos e meio, quando fiz duas semanas de intercâmbio em Newcastle), mas nunca juntei todos os sintomas para chegar a um resultado conclusivo, sumário. Sentia-me mais do que cansada da viagem, sentia-me exausta, tinha alguma necessidade de estar sozinha enfiada na cama. No entanto, este estado letárgico durava apenas um ou dois dias e depois a vida retomava o seu ritmo.

Obviamente, não há comparação entre essas emoções e sensações depois de viagens tão curtas e a grande viagem que foi a minha vida em Banguecoque. Desta vez, penso que, seja lá o que isso for, a perturbação do regresso não só me tocou, como me deu um chapadão com mão rija. Mais dum mês depois, ainda não me sinto completamente refeita deste susto.

 

Mas a perturbação do regresso é uma coisa a sério?

Parece que esta perturbação do regresso pode não ser um fenómeno médico/mental/psicológico com muita literatura científica na qual nos possamos basear para afirmar tudo com muita certeza e clareza. No entanto, sinto que este conceito faz sentido e que até me ajuda a organizar o que sinto e penso. Talvez outros o percebam da mesma forma. 

 

O que sinto eu, realmente?

Que é reconfortante, consolador, perceber que este avalanche de sentimentos e pensamentos tem uma razão de ser, não sendo uma anormalidade no planeta. Que haverá por aí mais gente com o mesmo. Que esta desorientação tem uma origem... e, por consequência, um fim à vista. Depois de tantos estímulos ininterruptos por tanto tempo, depois de tanto desconforto e adaptação, desconforto e adaptação... Depois de tanto entusiasmo e grandes expectativas acerca do regresso... Depois de tantas experiências que não pude partilhar... Depois de tudo o que vivi... Depois de tanto tempo longe das pessoas mais próximas, mesmo que sempre em contacto à distância...

Depois de tudo isto, ficou-me a sensação de aborrecimento sem causa, de incompreensão, de desconforto até nos lugares que me deixariam mais à vontade em circunstâncias normais (em casa, por exemplo), de despertença, de desconhecimento até das pessoas que melhor conheço e até o contrário: as pessoas que me rodeiam sentem também este afastamento. E, ainda depois de tudo isto, fica o sentimento de culpa exactamente pelo que sinto, que é descabido! (Afinal, eu queria era voltar para casa! E agora, que voltei, qual é o meu problema???) 

 

Só quem volta o sente?

Pessoalmente, acho que todos os envolvidos no dia-a-dia de quem vai e regressa acabam por sentir um certo choque. Há alterações na interacção, nos encontros, por causa do que aconteceu dos dois lados entretanto. Nem que seja pelo hábito ou pela falta de hábito, todos sentimos surpresa, apreensão, incompreensão...

 

Essa perturbação é para sempre?

Claro que tudo isto é irracional. Aos poucos, a normalidade dos dias vai-se reconstituindo. Já comecei a estar com mais amigos. Mesmo tendo recomeçado a trabalhar uns dias depois de voltar, agora começo a fazê-lo aproveitando-o. A perturbação do regresso não existe para sempre. Qualquer coisa chamada síndrome do retorno só pode existir após... o retorno. Há que pensar que isto é o que chamamos simplesmente "o choque inicial".

 

O que fazer para ultrapassar a parte difícil do regresso?

Além disso, arranjei estratégias para combater emoções menos positivas relacionadas com esta síndrome do retorno. Tenho-me tentado desafiar, trabalhando com pessoas diferentes, tentando pensar em projectos pessoais, investindo em formação em áreas profissionais com as quais não lidei ultimamente, mas relacionadas com a minha formação anterior (como o jornalismo). Até me inscrevi numa pós-graduação, mas não abriu por falta de candidatos. Em Setembro, começo o meu mestrado, e até lá vou-me entretendo com trabalho e outros estudos paralelos. Quanto à parte humana do assunto... É tentar levar as reaproximações com calma. Tudo há-de voltar ao seu sítio de antes, ou, em alternativa, de encontrar novas posições e alinhamentos. 

 

Estou mesmo a tentar ver o copo meio cheio, pode ser que funcione!

 

E vocês, têm alguma experiência semelhante ao que se descreve sobre a perturbação do regresso? Já passaram pelo mesmo? Têm algumas dicas para quem está a levar com esta bomba no momento?

Lisboa com chuva

05.03.18 | BeatrizCM

P1010051.JPG

 

É uma desolação, Lisboa com chuva. Esta cidade que, por norma, se apresenta sempre solarenga, com o céu cor de Tejo... Só apetece hibernar. Quando vivia em Banguecoque, havia meses em que chovia todos os dias, mas raramente me sentia tão vazia e com tão pouca energia quanto me sinto quando chove aqui em Portugal. Ainda por cima, está frio. Felizmente, já me voltei a habituar ao Inverno português, depois de ano e meio quase seguido de Verão eterno. Sinto-me três vezes mais infeliz, ou três vezes menos feliz, quando vejo as calçadas alagadas e as esplanadas vazias. Dá vontade de gritar o quão injusto é ver Lisboa assim. Espero que os santos meteorológicos tenham piedade de mim e do meu desconsolo, ao ver-me debaixo dum céu cinzento e escrava de chapéus-de-chuva.

 

P1010052.JPG

P1010054.JPG

P1010061.JPG

Lord Ennui deseja-vos um óptimo Domingo e semana que vem

04.03.18 | BeatrizCM

P1010075.JPG

 

O meu gato, Lord Ennui, é um gato exótico de pêlo curto. É dos bichos mais lindos que já vi, é tão macio que passo a vida a afagá-lo e a apertá-lo. Tem a particularidade carismática de ter nascido com um bigode senhorial marcado no focinho. Por isso é que se chama Lord. Ennui, porque parece sempre zangado ou aborrecido com uma qualquer mundanidade. E tem classe e uma arrogância [aparente] de gente letrada em França. No entanto, não só é o gato mais bonito, quanto é o mais querido, pacífico e simpático. É um gato que me acorda todas as manhãs sem se impor, vem de mansinho com patas de neve; chega-se a mim muitas das vezes em que me sinto em baixo; quando trabalho de madrugada, deita-se em cima da minha secretária enquanto dou aulas ou vem simplesmente cumprimentar-me por alguns minutos até começarem; está sempre pronto a brincar; perdoa-me as judiarias a que o forço e os abraços estrafegados. É um gato com bom coração, se é que isso seja possível. É generoso. Afável. Compreensivo. É o meu gato favorito em todo o mundo. Tornou-me, de certa forma, uma cat person, quando eu sempre proclamei o título de amante de cães, ponto finalFoi o meu maior companheiro enquanto estive em Banguecoque e foi, provavelmente, o melhor souvenir que eu poderia ter trazido de lá.

 

Decidi partilhar estas fotos convosco, apenas para vos desejar um óptimo Domingo e semana que aí vem, cheios de energias positivas. E quem, afinal, não gosta de gatos? Todos gostam (excepto os alérgicos)!

 

P1010072.JPG

 

Nota: Lord Ennui não foi comprado, mas sim resgatado. Não vos aconselho comprarem animais a criadores, mesmo que queiram muito uma raça. Tentem adoptar de alguém que faça criação, mas não pelo dinheiro, ou adoptem animais de canis, animais da rua ou de ninhadas perdidas. Lord Ennui foi, exactamente, resgatado dum criador que não tratava bem os gatos. O que lhe interessava era o lucro. Por causa disso, outros gatos da mesma pessoa nasceram ou ficaram doentes. Muitos dos animais vendidos, em Portugal ou seja onde for, trazem doenças por causa de más condições de higiene ou negligência. Pensem bem, antes de tomarem uma decisão! :)

Porque a nossa vida também é um projecto contínuo

03.03.18 | BeatrizCM

Há qualquer coisa de mágico na criação dum novo projecto (ou vários). Pessoalmente, tenho sempre a cabeça a trabalhar a mil, por isso ideias não me faltam. Na maioria das vezes, falta-me mais o investimento de tempo, paciência e dedicação para os fazer acontecer. Por isso, para 2018, já tinha decidido criar qualquer coisa nova (ou várias, lá está). Felizmente, trabalho online e em freelance, tenho um horário flexível, diverso a cada semana que passa. Não tenho quase nada que me prenda geograficamente, pelo menos por períodos curtos de tempo. Ter vivido muito tempo num sítio que, feitas as contas, me cortou mais as pernas do que me concedeu asas tem-me feito pensar no quão reprimida andava. Criativa, pessoal, profissionalmente. Decidi que, pelo menos aos 22, não quero um emprego das 9 às 18, de segunda a sexta. Quero ter oportunidade para explorar. Quero desafios diversos, insistir em formação extra para adquirir novos conhecimentos e contactos, descobrir novos interesses e aprofundar os que já cá estão. Quero conhecer pessoas que me motivem e inspirem. Por agora, ser feliz resume-se a isto: liberdade criativa, liberdade geográfica, ausência de compromissos a longo prazo. É altura de procurar a tal magia.

 

Bom fim-de-semana!