Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Procrastinar Também é Viver

Blog sobre trivialidades, actualidades e outras nulidades. E livros.

Ser jovem - mas a que custo?

15.11.21 | BeatrizCM

Jovens. Hoje em dia, chamam-nos jovens até termos 40 anos. A partir dos 40, começamos a dizer "os 40 são os novos 30", e por aí fora. Jovens, para sempre, até que esse sempre se acabe.

 

Há alguns meses que ando a escrever uma data de crónicas sobre dores várias, sendo uma delas inteiramente dedicada esta inquietação (que é minha, e que talvez também seja vossa):

- Ser "jovem", mas a que custo?

 

Por um lado, queremos ser jovens à força (se os outros indivíduos, a sociedade e as instituições querem que o sejamos, como não haveríamos de o desejar de igual forma?), seja jovem de idade, de condição física, de aspecto, de leveza. Mas, repito, a que custo?

 

Pessoalmente, vejo-me a braços com uma frequente infantilização e frequente desdém por ser nova, e por parecer ainda mais nova. Por ser jovial. Como quase tudo na vida, é coisa que não mata, mas que mói. E dói. É coisa que, paradoxalmente, envelhece, se não o rosto, talvez a alma. Algum dia serei um ser humano pleno de direitos e de presença?

 

Sou incapaz de perdoar a condescendência e a displicência com que tantos sujeitos (homens e mulheres, sem distinção de nota) tratam a minha geração. A sobranceria. A superioridade. A irresponsabilidade com que se dirigem a nós, que temos agora 20 ou 30 anos. Caramba, até 40.

 

Ora somos a promessa para o futuro, os derradeiros arautos iluminados, nascidos para curar o sofrimento da humanidade; ora somos bebés de colo, irredutivelmente inábeis e carentes de cuidados, mas imerecedores de atenção, porque ainda não somos parte desse grupo selecto de "crescidos". Eles é que sabem. Nós vamos comendo na mesa do canto. Nós, "jovens", somos, para tantos, homens e mulheres pela metade. Rapazes e raparigas. Miúdos. Crianças.

 

Ser "jovem" pode tão rapidamente ser um elogio (tão jovem e já alcançou tanto!) ou pode ser desprezo (é jovem, sabe lá da vida!).

 

Parece resmunguice, mas de um ponto de vista social, da organização da vida em comunidade, a infantilização crónica de uma determinada geração é grave. Atrasar o "crescimento" dos indivíduos no jargão partilhado é nocivo, porque, se somos "jovens", não somos humanos plenos de direitos e com acesso ao kit mais básico de dignidade - nomeadamente, um salário que condiga com as nossas qualificações (e com a condição humana), autoridade no nosso meio académico e profissional, respeito por parte de entidades de serviço público com os quais temos de lidar para, simplesmente, viver (bancos, hospitais, mercado imobiliário, instituições políticas...). Afinal, um dia acordamos e somos "velhos" que nunca tiveram a chave para a existência plena. E, mais uma vez, somos descartados. É essa uma face do meu medo.

 

Somos "jovens", portanto não somos adultos. Aos 26, começo a acreditar que, aos olhos de algumas pessoas com quem me venho cruzando, talvez nunca chegue aos 15. Talvez passe directamente para a terceira idade.

 

E por isso é que guardo sentimentos ambíguos quanto aos chavões "Qualquer Coisa para os Jovens". Estarão mais próximos duma benção ou duma maldição?

Professores, sempre e para sempre

10.11.21 | BeatrizCM

No princípio, era o verbo.

Assim se poderia criar o mundo, assim se supõe que possa ter acontecido.

Já eu suspeito que, no princípio, tenha sido o verbo, mas que logo a seguir terá certamente aparecido um professor ou orientador para ensinar os limites e a aplicação do verbo, para garantir que todos saberiam de que se tratava, como o tratar, como o transformar em mais mundos - em mais verbos.

 

Na minha cabeça, só assm é que pode funcionar a continuação do mundo. Só com professores.

 

Escrevo este texto porque acabei de me aperceber de que a maior parte das mensagens e comentários de apoio que me foram deixando nas redes sociais durante os últimos dias, a propósito da minha participação na Mostra Nacional de Jovens Criadores, são da autoria de professores que fui tendo ao longo da vida, assim como de familiares, amigos e colegas que também são professores.

 

E eu, enquanto professora, não poderia deixar de sentir um orgulho imenso em sê-lo e em me sentir acompanhada - desde que pus os pés na pré-primária com cinco anos, até ao último e-mail que troquei anteontem com o coordenador do meu mestrado - por professores que vêm contribuindo incessantemente para o meu crescimento. São pessoas a quem só é possível agradecer.

 

Sentados nos ombros dos professores, conseguimos ver o mundo - vi por aí um desenho que retrata algo do género. Eu tive muita sorte, é claro, porque também tive o privilégio de frequentar um colégio por nove anos, um colégio feito por pessoas que nunca desprezaram que eu escrevesse, que eu tivesse o meu espaço, que todos pudessem estar em contacto com as artes e interesses distintos. No ensino secundário, na escola pública, também tive sorte com alguns professores, que faziam por nos motivar e amar as várias disciplinas. E, de resto, tenho gostado quase sempre do meu percurso académico no ensino superior, por onde me tenho cruzado com professores que me inspiram a ler mais, a explorar mais, a tentar mais, a desviar-me dos caminhos previstos, a ver outras possibilidades, a amar ainda mais o estudo.

 

Além disso, um professor não tem de ser só o professor que se encontra na escola ou num percurso de educação formal. Pode ser um mentor, um tutor, um formador, um orientador. Alguém que nos ensina qualquer coisa nova e que nos indica por onde ir e o que fazer. Alguém que nos ajuda a pensar, a ser, a estar e a fazer, mesmo que não seja propositado. Alguém que acabamos por relembrar.

 

Oxalá fosse uma profissão muito mais valorizada e reconhecida, pessoal e publicamente. E oxalá mais professores entendessem a dimensão da responsabilidade que têm (porque, afinal, há quem o seja sem perceber muito bem o que implica). Pouco se faz sem eles.

 

É inevitável reconhecer que, mais uma e mais outra vez, é dos professores que surge e se vai criando o mundo. O verbo não é suficiente, tem de haver alguém para o conjugar.

 

***

 

Adenda: entretanto, deixo-vos ainda mais um texto que escrevi há uns anos sobre ser professora, aqui.