Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Procrastinar Também é Viver

Blogue sobre trivialidades, actualidades e outras nulidades.

Procrastinar Também é Viver

Blogue sobre trivialidades, actualidades e outras nulidades.

somente para mentes abertas

Eu sei que existe aquele dogma social de que o Justin Bieber é menina, agayzado, tem cara de puto e que não presta. Além disso, faz música ainda mais maricas. Blá, blá, blá. Está bem, o rapaz não canta rock nem metal, não tem muita barba visível nem músculos à Triple H, quando iniciou a carreira ainda tinha voz e corpo pré-púbere e namora com uma miúda mais velha, mas isso não deveria interferir com o artista em quem ele se está a tornar. Ninguém lhe conhece nenhum escândalo, ninguém lhe pode apontar um dedo e dizer "desrespeitaste esta e aquela pessoa, insultaste aquele povo, andaste a guiar a altas velocidades, tornaste-te viciado em drogas e em álcool", havendo tanto problema no mundo sem que haja quem se preocupe devidamente, porque estão todos demasiado ocupados a ser haters do Bieber. Muita gente odeia-o por odiar, sem fundamentar tal opinião e isso dá-me uma certa azia. Posso não ser fã dele e comprar todas as revistas para que dá entrevistas ou onde saem aqueles testes manhosos do "quem seria a estrela teen com quem namorarias?", na esperança de que fosse ele a calhar-me, mas sei reconhecer o mérito que tem enquanto artista musical. Se, há dois anos, ele compunha temas menos maduros e mais comerciais, agora já evoluiu ao ponto de ter começado a tentar novos estilos de música, que nada têm a ver com a tão batida "One Time" ou a recordista "Baby", e a fazer videoclipes cada vez mais interessantes. Posso não ser a maior fã dele, mas penso que quem o menospreza (e a muitos outros artistas, claro) está apenas a perder tempo. Afinal, enquanto crescem os comentários ofensivos e desnecessários nos seus vídeos do Youtube e por essa Internet fora, enquanto milhões de haters não desistem de o deitar abaixo, o Bieber continua a crescer como pessoa, a evoluir enquanto músico, a criar parcerias com outros artistas de renome e a enriquecer como só gente grande consegue. Tenho dito: dor de cotovelo é feia e faz mal à saúde.


2 comentários

Comentar post