Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Procrastinar Também é Viver

Blogue sobre trivialidades, actualidades e outras nulidades.

Procrastinar Também é Viver

Blogue sobre trivialidades, actualidades e outras nulidades.

Das minhas (graves) patologias

Por norma, considero-me uma leitora hiperactiva. Talvez, quem sabe, tenha acabado de criar um novo conceito, aplicável a muito boa gente, mas só agora materializado.

Um leitor hiperactivo, digo eu, é um leitor que não se consegue limitar a ler um livro de cada vez. Para ele, está fora de questão começar e acabar de ler um único volume sem antes ter iniciado a leitura de mais meia dúzia.

Eu sou assim, sem tirar nem pôr. E não há muito tempo, parafraseando um tal spot publicitário de uma marca de chá gelado que me recuso a patrocinar. Ainda me lembro da altura em que pegava num calhamaço e, do início ao fim, me concentrava só nele. Fossem cem ou oitocentas páginas, não nos descolávamos até que um desfecho no enredo ou um to be continued nos separasse.

Esta patologia de que sofro – ter-me tornado leitora hiperactiva – persegue-me, se tanto, desde o fim do ano passado. Acho que se foi agravando com o livre e frequente acesso à biblioteca local, onde existem livros sofrivelmente interessantes (a par, infelizmente, duma prateleira quase cheia de Margarida Rebelo Pinto), mas onde também coabitam grandes obras da literatura nacional e internacional que eu não me importaria de trazer para casa às catrefadas. Uma pessoa chega ali, àquela pequena sala a que chamam oficialmente "pólo de leitura", e abastece-se até cinco livros duma cajadada durante quinze dias. Esses cinco livros, somados às dezenas de outros que essa pessoa (eu) tem em casa, resultam numa enorme dor de cabeça literária.

Por qual começar a demanda? Qual o mais interessante? O da capa feia com um título sugestivo ou o da capa bonita com um título lamechas? O que é super popular ou o que só é conhecido por um grupo de leitores muito restrito? O que foi recomendado pela amiga ou o que foi publicitado na Internet? Com tanta questão em aberto, vai-se pegando em todos, apenas por segurança e para que nenhum se sinta inferiorizado: vinte páginas daqui, cinco dali, mais três capítulos dacolá.

 

Só que isto tem de acabar. Ai tem, tem! Estou farta de perder o fio à meada aos diversos enredos, estou farta de ir perdendo o interesse por alguns! Pretendo recuperar a minha dignidade de leitora, dê por onde der! Quero voltar ao meu estado inicial de leitora regrada e fiel ao seu livro, sem affairs pelo meio.

 

E o que me dizem vossemecês? Existe por aí mais alguém que se considere um leitor hiperactivo? Se sim, acusem-se e poderemos formar uma espécie de LHA - Leitores Hiperactivos Anónimos. Ideias para combater o bicho não me faltam.

18 comentários

Comentar post