Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Procrastinar Também é Viver

Blogue sobre trivialidades, actualidades e outras nulidades.

Procrastinar Também é Viver

Blogue sobre trivialidades, actualidades e outras nulidades.

Só em Portugal, a selva humana de edição limitada

O Governo (de Portugal, what else?) quer limitar o número de animais domésticos por apartamento para, no máximo, três cães ou quatro gatos. A boa notícia é que eu vivo numa moradia e, de momento, tenho "apenas" dois cães, dois gatos e uma tartaruga, não sendo, de qualquer modo, vítima directa dessa infeliz ideia que os nossos caríssimos políticos querem implementar.

Aliás, será que eles têm alguma coisa contra as tartarugas? Ou contra os próprios cães ou gatos, já agora. Que mal é que eles fizeram às pessoas, afinal? Se alguém tiver um apartamento grande, ou com uma varanda, ou uma vida que lhe permita passear os bicharocos as vezes suficientes de modo a dar-lhes um bom lar e boas condições de vida, não entendo por que haveriam de o proibir de os ter. Pessoalmente, acho muito mais problemático ter uma aranha, seja num apartamento ou numa mansão. Ainda mais problemático que qualquer aranha, ou réptil exótico (tipo anacondas e cenas malucas do género, que isto existe de tudo), é haver animais abandonados aos montes ou a serem treinados para... actividades menos agradáveis. Desde que a presença de vários animais por apartamento não incomode vizinhos, esta nova proposta de lei é uma farsa, um desvio de atenção para assuntos prementemente mais importantes. Não é verdade? 

 

Senhores ministros, senhores deputados, senhores-sejam-lá-quem-forem, sempre tive animais de estimação e penso que só tenho retirado benefícios dessa convivência permanente com eles. E não é só de mim: já foram feitas investigações científicas que provaram que o contacto com animais (domesticados, não como uns certos sujeitos engravatados) reduz o stress e combate eventuais depressões, trazendo-nos sensações positivas de conforto, calma e altruísmo. Como é óbvio, quem aprovou esta proposta decerto nunca terá conhecido tais relações como as que se estabelecem entre um ser humano e um companheiro de quatro patas.

 

Infelizmente, há indivíduos que, de humanos, só têm o polegar oponível e a posição anatómica erecta.

Contudo, felizmente, também há bichos que, de animais, só têm o nome.

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.