Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Procrastinar Também é Viver

Blogue sobre trivialidades, actualidades e outras nulidades.

Procrastinar Também é Viver

Blogue sobre trivialidades, actualidades e outras nulidades.

A saga do capuccino

Eu só queria um capuccino, daqueles da máquina da cave da faculdade, que custam quarenta cêntimos, têm muito leitinho e muita espuma, sem serem demasiado doces nem demasiado acafezados, quentinhos e acabadinhos de sair. São os melhores capuccinos que alguma vez provei, aqueles que se compram nas máquinas automáticas. Guardo-lhes um grande afecto e nunca me desiludiram, como poderão inferir pela quantidade de diminutivos utilizada e pela devoção implícita nas minhas solenes palavras.

 

A aventura começou à saída da biblioteca. Está lá plantado um café, mas eu sou forreta e sabia que a máquina jamais me iria deixar ficar mal. Cheguei à máquina e... só tinha uma nota de dez euros. E trinta cêntimos em moedas pretas. A sério. Por dez cêntimos (ou dez euros trocados)...! Mas eu estava determinada e já tinha metido na cabeça que não conseguiria sobreviver a mais quinze minutos de estudo intenso sem a porcaria dum capuccino barato. Por isso, uma vez que não me quiseram trocar a nota no bar, fui a todas a reprografias abertas que encontrei e mandei fazer fotocópias desnecessárias, só para me darem troco em moedas. O pior é que, como eu já desconfiava que seria o desfecho das minhas infrutíferas tentativas, as empregadas limitavam-se a olhar para a nota que eu lhes estendia e a dizer "pagas depois, 'miga". Enquanto isto, andava a minha amiga Cassandra atrelada a mim, coitadinha, a perder tempo útil de estudo, e eu a perder paciência, e eu a perder todas as esperanças de arranjar qualquer coisa que me arrebitasse o raciocínio pós-almoço, e ela muito passiva e a meter-me pena...

 

Posto isto, foi assim que, ao fim de quase meia-hora desperdiçada, regressei à biblioteca e paguei 1,10€ por um capuccino demasiado doce e nada forte num copo de papel reciclado. Passei o resto da tarde a penar em cima dos livros. Isto passou-se anteontem, mas só agora recuperei do esforço intelectual descafeinado daquela tarde.

 

***

 

Ironia da minha faculdade: a caixa multibanco só dá notas de 20€, mas os alunos sobrevivem a cafés de máquina, pagos em esmiuçalha do fundo da carteira.

5 comentários

Comentar post