Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Procrastinar Também é Viver

Blogue sobre trivialidades, actualidades e outras nulidades.

Procrastinar Também é Viver

Blogue sobre trivialidades, actualidades e outras nulidades.

Como atender chamadas indesejadas de call center

Estou a falar com a Srª D. X?

Querem saber como atender chamadas indesejadas de call center, mantendo uma postura correcta, mas assertiva?

 

Até trabalhar num call center, nunca entendi na minha cabecinha que quem nos falava do outro lado da linha, a tentar vender-nos ou a convencer-nos sobre qualquer coisa, também era um ser humano. Aliás, nunca cheguei sequer a intelectualizar o assunto. As chamadas publicitárias, para questionários, para nos oferecer o último tarifário mais cool eram lixo e despachadas com um tchauzinho breve, que eu raramente me interesso por essas campanhas com abordagem telefónica (antes, hoje e quase sempre).

No entanto, depois de ter trabalhado durante três meses na porcaria de uma empresa de call center, a minha perspectiva alterou-se drasticamente. Continuo a irritar-me com tanto telefonema acerca da mesma campanha, continuo a achar que o contacto é demasiado violento e forçado. Mas já não culpo o operador que, coitado, lá anda a penar em representação de um gigante capitalista, género empresas de telecomunicações. Penso sempre "ok, vou tentar facilitar a vida a este bacano, facilitando a minha também". Agora, até me divirto um bocadinho, quando lhes ataco as defesas todas, que já conheço de gingeira.

 

1º - Atender pacientemente as chamadas, perceber se já sabemos qual o objectivo do contacto, se é algo que nos possa potencialmente interessar (acontece, não é?).

 

2º - No caso de não estarmos interessados: Ouça, eu já sei dessa campanha há meses porque sou uma pessoa informada. Além disso, já trabalhei num call center e sei que tem aí uma opção ou um botão no seu formulário que diz "Não estou interessado.", ponto final, ou mesmo com outras justificações. Está a ver? É mesmo aí que tem de clicar.

 

3º - No caso de o 2º procedimento não funcionar: repeti-lo até ser seguro que clicaram mesmo lá no botão e que vocês esterão salvos... até à próxima campanha, pelo menos.

 

4º - No caso de o 3º procedimento não funcionar: ameaçar chamar o chefe de equipa ou o supervisor, ou mesmo ligar para "instâncias superiores".

 

5º - No caso de nenhum dos procedimentos anteriores, desejar um bom dia, uma boa tarde ou uma boa noite, desligar delicadamente e esperar pela próxima picada. Oh, oh, que ela há-de chegar! No serviço onde eu trabalhei, cada campanha dava direito a um máximo de seis!

 

Quem sabe do que fala e vos avisa vossa amiga é, com certeza! Sei a dor que é, tanto realizar quanto atender estas chamadas de call center. E detesto ambas as experiências. Ultimamente, então, tenho recebido demasiadas, com demasiada frequência.

Procrastinar é viver, mas parar é morrer

Queridos, fofos, simpáticos. Já estou melhor da gripe e já deixei de ver trash TV. Em breve, respondo aos comentários. Obrigada a todos!!!

Falando doutros assuntos...

 

Quem já lê o que escrevo há algum tempo, sabe muito bem que os meus tempos de procrastinação andam muito em baixo desde há um ano e meio para cá. Comecei a trabalhar, depois entrei na faculdade e fui-me metendo em cada. Vez. Mais. Projectos. À maluca. 

Sempre que me sinto a estagnar, preciso de mais estímulos e arranjo-os. Felizmente, nunca me faltaram oportunidades.

Nos últimos tempos, a quantidade de trabalhos de copywriting que me costumam enviar decresceu para aí 90%, sem exageros. Nem 100€ fiz em quase três meses, neste ano de 2015. Por outro lado, também não teria tido disponibilidade para fazer muito mais do que fui fazendo entretanto, ora por causa da carta de condução, ora por causa de formação complementar, ora porque estive doente, ora porque não tenho andado com forças para nada, nem para agarrar num livro e ler (sim, eu sei, é um desespero).

Por isso, como sempre, peguei nesta cabecinha de alho chocho, sempre tão despenteada, e pensei "do que eu preciso é de coisas novas, que já nem a faculdade ou o trabalho de estudo me enchem as medidas". 

E candidatei-me a um estágio extracurricular no Centro de Estudos Anglísticos da faculdade (à maluca, sem reflectir muito nas consequências, como é costume). E fui aceite logo ali, na entrevista.

E, a seguir, caiu-me a ficha. PORRA, MAS ONDE É QUE EU ME FUI METER, QUE JÁ ANDO A BATER MAL DOS CORNOS SEM UM ESTÁGIO COM 12 HORAS SEMANAIS E A PARTIR DA PRÓXIMA SEMANA TEREI MENOS ESSAS 12 HORAS PARA, TIPO, DORMIR, ESTUDAR E ENCHER O TEMPO LIVRE A FAZER CENAS INÚTEIS, TIPO, CONSUMIR SÉRIES NORTE-AMERICANAS DA BERRA??? (Em caso de dúvida, estou realmente a citar-me, sem censuras ou delicadezas.)

Olhem, mas eu quero lá saber. É que não quero mesmo saber. Eu nunca deixei de fazer aquilo que me deu na real gana, nunca! E nunca deixei de dormir sete horas por noite. Nem de ser feliz, namorar ou ter a minha dose semanal de Wareztuga. Além disso, eu sei que também durmo algumas horas absolutamente acessórias à minha sanidade mental e que, nos fins-de-semana, sou capaz de passar um dia inteiro em frente ao computador a fazer refresh de sites e redes sociais de que me devo desapegar um bocadinho.

Se ultimamente ando um bocado deprimida e a sentir-me doente, do género doente de já andar a bater com a cabeça nas paredes às quatro da tarde? Ando, pois. Ando mesmo sem vontade para sair da cama. Contudo, uma vez mais, atribuo a culpa disso à desmotivação e desencanto que a faculdade me tem feito sentir, mais a falta de trabalho. Ou é isso, ou é uma anemiazita estúpida, que também se trata com a ajuda do médico e depois passa.

Parece-me que desperdiçar oportunidades é... um desperdício. Um futuro arrependimento, até. Por essa razão é que eu nunca páro, porque quero engolir o mundo e ter o maior número de experiências antes de deixar de ter idade para as ter sem que me olhem de lado e pensem que já estou acabada (e pronto, porque eu também sei que, quando chegar a altura, me quero dedicar a 200% a criar uma família e que determinados compromissos e oportunidades profissionais ou académicas hão-de ter de ficar para trás, porque criar um lar feliz exige o tempo e disponibilidade emocional das pessoas).

 

Moral da história, temos é de ir "bola p'rá frente", aventurarmo-nos e deixar-nos de grandes tratados de pensamento. Temos é de sair da casca, deixarmos a nossa marca no mundo e contribuir positivamente para ele, ser produtivos - não exclusivamente em termos profissionais, mas mesmo em termos de fazermos aquilo de que gostamos e experimentarmos sair da nossa zona de conforto! Há tempo para tudo, desde que saibamos aproveitar o tempo! Até para procrastinar há sempre uma manhã ou um fim-de-tarde!

 

Sinceramente, depois de saber que fui aceite no estágio (já agora, um projecto em que acredito a nível pessoal, de que falarei noutra altura, quando me inteirar melhor acerca dele), tenho a sensação de que fiquei menos fraquinha, menos anémica, menos a enfiar a cabeça na areia. Bem diz o Ricardo que isto pode muito bem ter uma quota parte de origem no psicológico da pessoa! 

 

Desculpem-me a pregação, mas foi mesmo escrita com boas intenções, como espalhar a boa onda e a motivação :) .]

Adicionem-me no LinkedIn!

Por sugestão do professor do curso de Texto de Não Ficção e Novos Mercados, no Cenjor, que frequentei na última quinzena de Janeiro, criei um perfil no LinkedIn. Diz que é útil enquanto CV online; diz que, para trabalhadores independentes ou freelancers, dá muito jeito, pois há uma ligeira probabilidade de alguém que vir o nosso perfil precisar dos serviços que prestamos.

Adicionem-me por lá, "recomendem-me", conheçam melhor o meu percurso escolar e profissional (sobre os quais ainda tenho de acrescentar alguns aspectos) e "liguem-se" a mim!

Este é o endereço para o meu perfil no LinkedIn: pt.linkedin.com/in/beatrizcanasmendes. Espero pelo vosso contacto!

 

Os filmes não-anglófonos também são o máximo

Libre et Assoupi, de 2014 (em inglês Nice and Easy, mas o que quer mesmo dizer é "livre e ensonado") - eu e o Ricardo fomos ver este filme durante o Festival de Cinema Francês, em Setúbal, no dia 13. Saímos de lá de rastos, de uma maneira óptima. Foram duas horas excelentes, em que este filme, super cómico, que aparentva ser apenas mais uma comédia de trazer por casa, se revelou um potente instrumento de introspecção. Tanto eu como o Ricardo recomendamo-lo a todas, mas mesmo todas as pessoas - principalmente àquelas que ainda não deram um rumo à sua vida e que procuram inspiração.

 

No Se Aceptan Devoluciones, de 2013 - este segundo filme mexicano é uma recomendação minha - ainda assim, não com menos valor! Descobri-o no Wareztuga (onde o podem encontrar) e é o que eu chamo uma "comédia de lágrima no olho". Se são de choro fácil, vão sofrer com este filme. Tal como a sugestão anterior, parece que é só para rir e mais nada, mas não. Aborda temas bastante polémicos como os direitos paternais de uma mãe ou pai face aos seus filhos, o amor que os une, casos de abandono... E tem um desfecho nada previsível.

 

Dito isto, a sério: apostem um bocadinho nos filmes fora do circuito anglófono, isto é, ingleses, norte-americanos, canadianos, australianos... Para mim, essa indústria está um bocado estagnada, lançando filmes muito parecidos entre si, sempre com enredos semelhantes, um bocado previsíveis, sem novidade. Por isso é que, de vez em quando, sabe bem entrar em contacto com outro tipo de cinema, nem que seja apenas para arejar as ideias.

 

E, se tiverem sugestões de filmes que eu deva ver, por favor, sugiram-nos para aí!

Alguém aqui à procura de emprego?

Ricardo: Acho que serias uma boa pretendente :>

 

Anúncio: Assistente Administrativo

 

Empresa: Anónima

Tipo: Tempo Inteiro

Data: 19-09-2014

Zona: Lisboa

Categoria: Secretariado / Administração

 

m/f 
Idade inferior a 30 anos. 

Forte apetência para usar os "neurónicos". 
Minucioso. 
"Costela de detective" 
Visão e antevisão. 
Incisivo e não molar. 
Atracção pelo papel, mas aversão à burocracia. 
Proactivo. 
Organizado. 
Polivalente. 
Argumentação e contra-argumentação. 
Capacidade de trabalho sob forte pressão. 

E... um pequeno grande detalhe... que saiba escrever, ler e falar português, algo entre Camões e Saramago, não esquecendo de ser primo do Shakespeare ou do Alexandre Dumas pois será necessário trocar correspondência com os descendentes, mesmo que distantes. 

Escolaridade não nos define, existe quem passe por ela e não dá conta, mas para a geração em causa, meus senhores, o 12º ano é o mínimo. 

Quanto à área de formação, enganos existem e estamos sempre a tempo de mudar. 

AH!!! Temos trabalho e não emprego. 

Zona do local de trabalho: Lisboa 

Aguardamos o seu curriculum!

 

Em Net-Empregos: http://net-empregos.com/2165343/assistente-administrativo/#.VBwagpRdVBc#ixzz3DlJX1azx

Quando se é monitor, a opinião deles é que conta

 

 

 

 

 

 

Pronto, e a dos pais. E a do coordenador. E a dos colegas. Mas, para mim, é a dos "meus miúdos" que mais me deixa satisfeita ou com vontade de fazer melhor. Foram três semanas e meia em que tive de gastar todas as reservas de energia que tinha... e mais algumas que tive de encontrar pelo caminho. Acho que podia ter feito melhor, mas não sabia bem como seria capaz. Talvez para o ano (se houver "para o ano") me saia com mais jeito para a coisa. Acho que fiquei um bocado à sombra dos outros monitores, mais experientes. Raramente deixei de me sentir "a monitora nova". 

Espero realmente ter marcado a diferença no Verão das crianças com quem estive. Espero que relembrem o mês de Julho de 2014 como algo que valeu a pena, mesmo que tenhamos subido uma serra à beira-mar, com arribas escarpadas por todo o lado, com gravilha escorregadia e plantas que picam; mesmo que alguns miúdos mais irrequietos tenham tentado destabilizar os meus nervos e os outros tenham levado por tabela (seguindo-se um pedido de desculpas, sempre que me ocorria o quão injusta estava a ser); mesmo que nem sempre tenha acordado com a sensação de "que giro, vou trabalhar 10 horas seguidas", com mil olhos postos nos putos e três pares de orelhas para conseguir perceber as indicações que me eram sugeridas para lidar com Isto e Aquilo. 

 

E pronto, em 2015 poderá haver mais...!

Os primeiros amores

Dois dos meninos do projecto em que trabalho como monitora, com onze ou doze anos, começaram a namorar depois de andarem a enviar recadinhos por mim, isto tudo entre a semana passada e a presente. São os dois estupidamente fofos, gorduchinhos e simpáticos, sempre com um sorriso pateta no rosto e um abraço para partilhar, mesmo não sendo eu a monitora do grupo deles. Ele até diz que vai oferecer uma toalha de praia com um tigre à sua nova namoradinha (e que não se pode esquecer de pedir 10€ à mãe!).

 

Hoje, o menino não foi e a menina ficou triste. Tentei consolá-la.

 

- Hoje ele não veio, mas foi só um dia. Se calhar está doente ou algo do género.

- Se calhar...

- Sabes, eu também não vejo o meu namorado desde segunda-feira, mas não deixo de gostar dele. Simplesmente não calhou estarmos juntos.

 

Nesse momento, a menina arregala-me os olhos e olha-me com aquele ar de "epá, esta tipa é louca, como é que ela fica três dias sem ver o namorado? como é que essa cena funciona?".

 

Enfim, os primeiros amores comovem-me.

Monitora X desorienta-se

Ok, a Monitora X é nova nestas andanças e tem muito que aprender. Péssimo hábito a largar: vício do telemóvel enquanto os miúdos estão a brincar "algures por aí". Parece que não há nada a fazer, mas há - supervisionar a toda a hora, sempre de olho aberto e atento! Ah e tal, a Monitora X achava que tinha sorte porque lhe tinham atribuído os meninos e meninas mais pacíficos? Tentem "demasiado pacíficos" ou "louca e permanentemente em guerra uns com os outros". Das duas uma: ou só querem é ficar na areia, a jogar ou a dormir debaixo do guarda-sol, em vez de aproveitarem a oportunidade de experimentar as actividades planeadas (surf, vela, canoagem, ir à água, entretenimentos vários) ou quase que se matam entre si, preferencialmente os colegas do sexo oposto (com alguns insultos pelo meio). Enfim, idades parvas. Só é uma pena que, deste modo, não haja lugar para a dinâmica de grupo, para uns minutos de paz e sossego, para um jogo em que torçam pela vitória comum, com trabalho de equipa, e que os façam destacar no meio da multidão de miúdos que, excepto todos os outros defeitos que possam ter, são uns queridos uns para os outros e entoam os cânticos que criaram em conjunto com orgulho e paixão! Ainda estou para descobrir se o problema é meu. Se calhar, a Monitora X precisa de uma nova abordagem.

 

Fora isso, adoro o que tenho andado a fazer.

Monitora X

Daqui vos fala a Monitora X, agora com nome e rosto, cujo grupo de meninos foi seleccionado de modo à Monitora X, ainda desconhecida, ficar com os mais calminhos, mais queridinhos, menos traquinas, menos barulhentos, que fazem do meu trabalho ir só passear com eles, como se eu fosse mesmo da malta, até porque ontem não tinham mais t-shirts cor-de-laranja do staff e tive que levar uma vermelha, como a dos participantes. Depois, calharam-me os estagiários mais simpáticos de todo o sempre, que até tomaram conta dos meus meninos enquanto a "Monitora X" não aparecia, anteontem, porque a primeira monitora deles conseguiu arranjar um emprego com maior validade do que este mês de Julho. Calharam-me duas Inêses, porque a minha vida não é nada sem umas quantas Inêses, por regra boas pessoas, e todos os outros que me calharam, todos os outros 10 que já conheci ontem (mais os 3 que faltaram, espero) são miúdos que não dão problemas e que, desde o primeiro minuto, me fizeram sentir muito agradecida aos meus colegas por terem tido o cuidado de prevenir, em vez de remediar.

Ontem, andámos a subir e a descer a Serra da Arrábida, para o Castelo de Sesimbra e depois para a praia. Na altura de ultrapassar descidas íngremes (vertiginosas), safaram-se melhor eles do que eu, mas tentei dar sempre o máximo, para não mostrar parte fraca e continuar a ser vista como alguém a quem recorrer em momentos de aflição. Apesar de tudo, o meu papel é tomar conta dos mais pequenos. Dito isto, o meu primeiro dia como monitora não poderia ter sido melhor, mais animado, mais tudo o que há de bom, menos tudo o que há de mau.

 

Cheguei a casa, tomei banho, comi e adormeci - de rajada.

E, durante a noite, sonhei que o Ricardo decidia que eu era uma pessoa demasiado ocupada, sem tempo livre senão para cair à cama de cansaço, e que acabava comigo por eu já não gostar assim tanto dele. Acho que o cansaço me deixa paranóica.