Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Procrastinar Também é Viver

Blogue sobre trivialidades, actualidades e outras nulidades.

Procrastinar Também é Viver

Blogue sobre trivialidades, actualidades e outras nulidades.

feliz dia da mulher!

   Sabiam que o Dia da Mulher tem como origem uma manifestação organizada por um grupo de operárias de uma fábrica têxtil nova iorquina, que lutava pela obtenção dos mesmos direitos de trabalho dos homens, seus colegas? A 8 de Março de 1857, o grupo juntou-se à porta da fábrica para expressar o seu descontentamento, mas acabou por ser encurralado dentro das instalações e muitas destas mulheres chegaram a morrer no incêndio que os responsáveis pelo negócio atearam.


   Mais de um século e meio depois, quero desejar a todas as mulheres, das mais jovens às mais vividas, um feliz Dia da Mulher, com todo o seu significado - a nossa força já foi, em épocas menos afortunadas, de guerra, o sustento da sociedade, o seu respeitável cérebro, coração e corpo. Todos os dias, a todas as horas, existem homens que tentam subjugar-nos. Até podem consegui-lo, em muitos dos casos, mas deixo aqui um apelo a quem está a ler: não se deixem controlar ou rebaixar, nem pelos homens nem por NINGUÉM. Todas nós temos algo de especial, por muitos defeitos que nos apontem (ou mesmo que reconheçamos!). Além de termos o direito de oferecer dignidade, respeito e verdade a quem nos rodeia, também merecemos recebê-los, não estou certa? 


   Portanto, da minha parte, deixo uma homenagem a todas as mulheres que, na sua vida, lutaram, sufocaram, insistiram e nunca desistiram. Todas vós sois uma inspiração para o mundo. Eu tenho a enorme sorte e felicidade de ter uma assim por perto, trinta horas por dia, se for necessário - a minha avó. Ela batalha para que eu beba leite, coma fruta, não me deite demasiado tarde e, principalmente, para que eu seja feliz e tenha tudo do bom e melhor possível, nestes tempos um pouco negros por que passamos actualmente, incutindo-me a esperança de que nada está fora do nosso alcance, desde que acreditemos e trabalhemos para isso


   Feliz Dia da Mulher!


   (... não esquecendo que a verdadeira felicidade deve ser procurada e encontrada todos os dias.)

eu quero, posso e mando

Eu sou fixe,


Eu sou baril!


Sou quem te lixa


E te põe a mil!


 


Sou inconstante,


Importante governante


Na minha land


Conhecida (e bem irritante!)


 


E bastante porcaria eu escrevo!


Por vezes, digo o que não devo...


Mas também sei controlar


Os instintos parvos e calar.


 


Meto as amizades em primeiro,


Sem delas me esquecer!


Quando, um dia morrer,


Até lhes deixo o meu dinheiro!


 


Porra!, mas eu sou pobre!


Falida, tesa; porém, tão nobre!


Até poderia ser generosa,


Caso fosse tipo... famosa.


 


Devia era ir dormir - 'tou que nem posso!


A esta hora, ainda publico coisas estranhas,


Bué overpowered, like a boss!


E este blogue continua às aranhas.


 



Beatriz Canas Mendes


 


(...to be continued...)

o rescaldo

   Ora bem...


   Recebi três caixas de chocolate de marcas diferentes, uma bandolete, uma caixa de sombras para os olhos, um livro sobre design de moda digital e um portátil (este último porque estava meeeesmo a precisar dele e estou a pedi-lo há mais de três anos).


   Já agora - o Natal é propício a reconciliações. As pessoas comem mais doces, ficam mais felizes e ficam mais bem alimentadas, logo, a sua disposição melhora e o açúcar chega ao coração. Tão simples quanto isto.


 


   Venha daí o ano novo.

o namorado perfeito

   O namorado perfeito é, em primeiro lugar, um ser humano como todos os outros - tem alguns defeitos, uns mais graves do que outros. Tem um feitio difícil, é teimoso. Por vezes, fica demasiado tempo a jogar à bola com os amigos, discute com a mãe quando está ao telemóvel com a namorada, não gosta de certas cores com que ela pinta as unhas e tem demasiadas raparigas interessadas nele.


   Todavia, ama a namorada com uma intensa devoção e tem esperança que, um dia, se tudo correr bem, venham a casar e a construir uma vida em conjunto. Sempre que possível, conversam sobre tudo, desde os seus sonhos ao seu dia-a-dia, passando pelo novo jogo de computador que saiu, e ele orgulha-se por namorar com uma rapariga tão inteligente, preocupada, bondosa e paciente... E linda - ela é mesmo linda! Quem lhe dera tê-la conhecido há mais tempo.


   No dia em que completaram um mês de namoro, ele aprendeu a música favorita dela e publicou um vídeo no Youtube a cantá-la, fazendo-a desmanchar-se em lágrimas, apesar de saber que tinha desafinado do princípio ao fim e que aquilo seria morte social certa. No dia seguinte, aguentou as bocas dos amigos como se fosse de ferro. Intimamente, a satisfação que sentia por ter surpreendido a rapariga mais especial em todo o mundo foi o que o segurou e o impediu de vacilar perante a estupidez generalizada dos outros rapazes.


   Por vezes, ela comporta-se como uma criança e magoa-o. Dramatiza, diz que a relação não resultará e que ele merece melhor. Porém, ele mantém-se firme e sossega-a. Dá-lhe espaço e não responde. Mais tarde, perdoa-a quando ela pede desculpa, voltando tudo a ser como se tal episódio nunca tivesse acontecido.


    Muitas raparigas tentam aproximar-se, nunca conseguindo a atenção pretendida. Ele só tem olhos para a sua princesa, para a sua predilecta, para a menina dos seus olhos. Sentem-se frustradas e, mais cedo ou mais tarde, acabam por aceitar o facto de que mais vale partir para outra.


   Quem me dera conhecer um rapaz como ele!, repetem as amigas da namorada, vezes sem conta. Vêem-na receber montes de mensagens queridas, a toda a hora, e observam de perto a dedicação que ele lhe reserva, invejando-a, secretamente.


   Apesar de todas estas aparências, nem tudo são rosas quanto ao namorado perfeito.


   Ele vive na outra ponta do país.

a profissão do futuro

Tens dúvidas? - vai ao psicólogo.


Tens problemas? - vai ao psicólogo.


Tens medo do escuro? - vai ao psicólogo.


Tens monstros debaixo da cama? - vai ao psicólogo.


Tens falta de concentração? - vai ao psicólogo.


Tens caspa? - vai ao psicólogo.


Tens mãe, tens pai? - vai ao psicólogo.


Tens problemas amorosos? - vai... ahm... ao MSN, que a Beatriz tenta ajudar-te.

eram dois

   Eram dois - dois que se amavam, dois que não expressavam o que sentiam, dois que não eram felizes um com o outro. Entre eles existia algo que os separava, apesar do quão próximos se haviam tornado. Seria ciúme? Seria ódio? Seriam os outros?


   O orgulho inflamava o mais puro sentimento que os unia, enquanto essa sua união em chama lenta ardia. A culpa era dos outros. A culpa era dos outros!, porque nenhum dos dois se culparia. Ele achava-a demasiado... demasiado tudo - e ele não se deixaria prender. Ela quase desistia, pois faltava-lhe o fôlego para combater as chamas - sozinha, ou desse ele conta do que lhes ia acontecendo. Ambos precisavam de se confrontar urgentemente. 


um nada demasiado profundo

 


   


    O nada que outrora quis sentir, não o quero mais! É um vazio com que não consigo lidar, uma insana falta de dor que me arrasta pelas noites, acordada. Ou a dormir, até, num sono sem sonhos, sem esperança de viver outra realidade que não esta, que me faz chorar por dentro, enquanto, por fora, ficam as aparências. Eu estou bem.


   E se não estiver? Ninguém mo pergunta. Para quê, se a resposta será sempre, sempre um vago sim, sim, tudo óptimo. Tudo vazio.


   Quero voltar a sentir com emoção, sorrir ao coração e sorrir às pessoas, agarrando a vida e vivendo-a, em vez de ser ela a viver-me a mim.