Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Procrastinar Também é Viver

Blogue sobre trivialidades, actualidades e outras nulidades. E livros.

Procrastinar Também é Viver

Blogue sobre trivialidades, actualidades e outras nulidades. E livros.

Os aziados do São Valentim

Já sei que vêm daí alguns ataques em barda, mas eu gosto de picar e cá vai disto: odeio os aziados de São Valentim!

Obviamente, as vozes críticas dirão que eu tenho lá moral para falar, tenho o meu Valentine há montes de tempo, já devia era estar casada e com filhos há um par d'anos, ou que eu que não atire muitos foguetes, porque um dia ainda hei-de apanhar as canas.

Olhem, e sabem o que isso significa, minhas riquezas? Significa que vocês são UNS AZIADOS! 

 

O que eu realmente cá venho comunicar, o assunto que me leva a vir fazer queixinhas, é as pessoas por essa Internet fora que criticam o Dia dos Namorados, afirmando que isto é uma patetice e que isto é mas é um valente dia para se sair com os amigos (bem... pelo que tenho visto, é mais uma cena de amigas mulheres), enquanto se queixam dos ex-namorados, que amor a sério só existe nos filmes, estamos bem é sozinh@s, ninguém manda em nós, não temos que fazer o jantar a ninguém, saímos ou não é da nossa conta, vamos beber à nossa saudinha, blá blá blá - QUE SECA!

Por estes dias, existe ainda um segundo tipo de gente que me irrita de tédio - os que gostam de autocomiseração. Olhem para mim, que sou um forever alone. 14 de Fevereiro, para uns conhecido como Dia dos Namorados, para mim é mais uma terça-feira. Olhem para mim, coitadinho, sou feio, sou gordo, cheiro mal da boca, tenho fungos nos pés, jogo no computador 16 horas por dia, sou desempregado de profissão e vocação, mas ninguém me quer. OUTRA SECA!

 

São todos uns aziados e odeio (nem que temporariamente) quem tem este tipo de atitude. São uma mistura de velhos do Restelo com desmancha-prazeres. São gente que me causa ácidos, de tanto disparate que destilam.

 

Aos aziados que gostam da autocomiseração, porque a vida os surpreendeu com amores menos duradouros: celebrem o amor na mesma! Mesmo que o amor não dure, não deixa de ser amor, não deixou de vos fazer felizes a certo ponto e isso é que devia ser a parte mais importante.

Aos aziados que gostam da autocomiseração, porque é mais fácil queixarem-se do que agirem, façam o favor de enfrentar o touro pelos cornos: o amor não cai no céu e encontrá-lo também tem uma dose de esforço, seja ele amor apaixonado, amor de filho, amor de amigo, amor de dono de piriquito!

 

Outras espécies de "encalhados" que eu odeio:

- os moralistas que acham que o Dia dos Namorados é só mais um dia, mas que gostam muito do Pai Natal criado pela Coca-Cola e do Coelho da Páscoa;

- os que odeiam casais que estão felizes e que gostam de mandar postas de pescada sobre o quão foleiros parecemos;

- os que só celebram o Dia dos Namorados porque é o que toda a gente faz.

 

 

Atirem lá as pedrinhas (mas só depois de verem este vídeo e de lerem este e este texto como bibliografia complementar, uma vez que já é tarde aqui nas Ásias e este corpinho já não aguenta mais prosa).

Para o fim-de-semana prolongado...

#BreakingStereotypes é uma campanha do site "casamenteiro" Truly Madly. Pode não ser o apogeu das campanhas contra a discriminação, mas as fotos estão engraçadíssimas! - AQUI.

 

 Vi este filme hoje de manhã e adorei. Ultimamente, ando um bocado virada para a ficção científica, para as utopias, distopias e fantasias, por isso fiquei com vontade de ver O Dador de Memórias desde que saiu. Atenção que não é nenhuma obra-prima do cinema de sci-fi, mas não deixa de colocar algumas questões pertinentes: existe perfeição?; pode haver uma sociedade perfeita?; o que seria viver num mundo mais moderado, amorfo?

 

 

Não perdi a Grande Reportagem da SIC desta semana. Ainda que não veja a experiência Erasmus como uma espécie de bilhete em direcção ao amor (encontrei o meu em terra, ehehehe), acho que todo o processo e conceito é delicioso, mesmo que se sintam as naturais saudades de casa, o choque de não ter ali os paizinhos, de viver longe durante um ou dois semestres... Bem, eu até já senti um bocadiiiinho disso quando fiz o meu Erasmus+ de duas semanas, mas meh. Não há capital para aventuras mais duradouras!

 

Deixadas as sugestões, bom fim-de-semana de três dias para a malta procrastinadora =)

5 páginas a visitar no Facebook

Há que teeeeeeeempos que estou para escrever esta publicação, por isso vamos lá com isto pr'á frente! Apesar de não ser uma das piores viciadas em redes sociais, mesmo no que toca ao Facebook, sigo regularmente algumas páginas que ou pertencem a blogues ou são simplesmente coisas engraçadas e divertidas, que publicam conteúdos interessantes, sem deixarem de ter o seu "quê" de entretenimento.

Assim, esta lista destina-se principalmente a pessoas que, tal como eu, têm as suas prioridades virtuais definidas e, lá porque procrastinam, não quer dizer que o façam sem qualidade ou lógica.

 

 

As minhas 5 páginas favoritas no Facebook

 

1.

 

 

9GAG - quem segue a página de Facebook deste mesmíssimo blogue em que se encontra de momento, já deve ter notado que costumo partilhar imensas imagens da autoria do 9gag, originalmente um site humorístico. Não interessa qual a nossa idade, profissão, interesses, expectativas... o 9gag quase de certeza que há-de ter qualquer coisinha que nos agrade, um meme, uma frase, uma imagem, um comentário, you name it.

 

 

2.

 

 

Humans of New York - este projecto é um dos que mais me fascina. Tendo começado apenas por uma ideia, o fotógrafo Brandon Stanton encarregou-se de catalogar fotografias e histórias dos habitantes de Nova Iorque desde 2010. No entanto, graças a um convite da ONU, tem feito uma World Tour de Agosto a Setembro deste ano, no âmbito da qual já visitou países e retratou pessoas na Ucrânia, no Vietname, no Sudão, no Iraque, no Quénia... E a lista continua! Acompanho diariamente as novas fotografias e histórias na página de Facebook e acabo sempre por partilhar imensas, tanto no meu perfil pessoal quanto na página do blogue, por as achar tão inspiradoras. É curioso que, apesar das diferenças culturais e étnicas, o trabalho de Brandon Stanton consiga retratar tão bem o que todos estes indivíduos têm em comum: são humanos. As suas aspirações, medos e vidas acabam sempre por se relacionar umas com as outras, seja como for.

 

 

3.

 

 

Mashable - tomei conhecimento acerca do site Mashable por ter imensos artigos acerca de copywriting, ou seja, aquilo em que normalmente trabalho. Contudo, este é um site que sugere conteúdos acerca de tudo e mais alguma coisa, mesmo que foque com maior frequêcia o mundo dos media, das tecnologias e da Internet. Até fofocas sobre celebridades se encontram por lá! Por isso, seguir a respectiva página de Facebook permite-me estar actualizada acerca das novas publicações - ou, pelo menos, grande parte delas, já que são tantas e tantas e tantas!

 

 

4. 

 

 

Portuguese Sayings - a ideia desta página é valorizar a língua portuguesa, principalmente no estrangeiro. Pelo menos, é essa a ideia que é dada, uma vez que o seu conteúdo principal é a criação de wallpapers com traduções super-hiper-mega literais de provérbios portugueses para a língua inglesa. E quem não entender a intenção... well, unshit yourself!

 

 

5. 

 

O Sagrado Caderno das Piadas Secas

 

O Sagrado Caderno das Piadas Secas - gostam delas curtas e grossas, directas ao assunto e muito, muito secas? Estou a falar de anedotas, claro, principalmente as desta sagrada página, como o nome indica. Por vezes abusam e tocam em pontos intocáveis em termos religiosos e culturais, mas a maior parte das vezes adoro as piadas que publicam.

 

 

E pronto, eis mais uma ajudinha para uma procrastinação saudável. É provável que em breve encontrem por aqui a continuação desta lista de melhores páginas a visitar no Facebook, mas por enquanto vão-se distraindo com estas.

Crítica e elogio aos bons costumes na Internet

Não será novidade nenhuma dizer que a Internet, em particular a blogosfera, está cheia de línguas de cobra (ou dedos de cobra que insistem em matraquear virtualmente). São principalmente os blogues mais conhecidos – como, por exemplo, A Pipoca Mais Doce e A Maçã de Eva – o maior alvo de comentários trocistas, inoportunos e maldosos, seja porque a dona ou dono do blogue tem acesso a produtos de grandes marcas a que o típico indivíduo da classe média portuguesa não tem, seja porque mostra fotografias das suas férias em destinos extremamente cobiçados e até invejados, seja porque planeia festas lindas e maravilhosas para os filhos, seja porque… se limita a dar sinais de vida.

De vez em quando, ponho-me a ler as caixas de comentários desses blogues. É como um guilty pleasure, por isso não me julguem. Eu até posso usar a desculpa de que simplesmente aprecio observar estes seres humanos no seu habitat natural, no meio em que se sentem mais confortáveis, porque sou uma estudante muito aplicada de comunicação e cultura (ah ah ah!). E, como se não bastasse, fico sempre bastante admirada com a indecência que esta gente tem, fico mesmo surpreendida com o que escreve e com o quão mesquinha consegue ser. Eu sei, eu sei que a mediocridade de espírito não conhece limites, mas será demasiado querer continuar a acreditar no bom senso? Será que ele pode continuar a existir? Será que podemos apostar nele, para que possa invadir toda e qualquer mente que precise duma valente dose desta substância?

Felizmente – e pode ser mera impressão minha – tenho notado que as gerações mais novas não são tão amargas nos seus comentários por essa Internet fora, mesmo nas redes sociais. Raramente leio comentários de alguém com menos de 25 anos a desfazer no que outra pessoa publica. Por norma, a maioria parece-me bastante simpática nas suas intervenções. No que toca à minha experiência pessoal, neste blogue em particular, só senti a minha face colocada em causa uma ou duas vezes, em três anos, e os comentários que me deixaram desconfortável nem sequer foram graves, apenas desagradáveis nas entrelinhas.

Caríssimos amigos e/ou leitores, dito isto, de hoje em diante, façam por manter a Internet um não-sítio pacífico e em que possamos coexistir sem sermos mauzinhos uns para os outros. Boa índole puxa boa índole, boa conduta atrai boa conduta, bom carácter chama bom carácter. Então, sejamos todos melhores cidadãos e utilizadores no mundo virtual! Shall we?

RIP Facebook Messenger For Windows

Não sei se já repararam, mas alguém decidiu acabar com a aplicação do Facebook Messenger para o ambiente de trabalho do computador. Grandes sonsos! Agora tenho de ter o próprio Facebook ligado no browser para falar apenas com uma ou duas pessoas? Já não chegava terem-me tirado o meu grande amor tecnológico, MSN da minha pré-adolescência? SONSOOOOOS! PATIFES! Uma pessoa pensa que pode confiar na tecnologia e depois NÃO, MORTE ÀS APLICAÇÕES QUE DÃO REALMENTE JEITO e 'bora criar Flappy Birds e mais versões falhadas de anti-vírus para smartphones! Um dia destes acordo e já nem Google Chrome me resta, só um Internet Explorer todo ranhoso, é que estou mesmo a ver.

Ah e tal, a partir de dia 3 de Março de 2014 o Facebook Messenger já não vai funcionar, lamentamos o inconveniente e blá blá blá. Raios parta o WhatsApp, mas quem é que usa essa grande caquinha? Viram o que fizeram, viram???! E agora, como é que eu falo com a minha gente do coração sem ser bombardeada pelas notificações e pelo (nada fascinante, mas muito tentador para procrastinar) mural de actualizações?

 

 

RIP Facebook Messenger for Windows. Partiste cedo, mas deixas boas memórias, nem que seja até à próxima invenção.

Amor de bicho - antes e depois

Andam por aí a circular uns artigos com fotos de tipo "Antes e Depois" de animais de estimação com os seus respectivos donos (ou deverei dizer irmãos?) e eu derreto-me sempre que as vejo, principalmente aquelas que têm um intervalo de muito tempo. Também eu tenho dois cães, dois gatos e uma tartaruga, já tive mais cães que, infelizmente, já não ladram por cá, e por isso também sei o que é crescer com eles e reflectir acerca do que já passámos juntos, do nosso crescimento, porque o engraçado é assistir à evolução dos dois lados. Assim, aqui vos deixo as minhas fotografias favoritas da Internet!

 

animais-antes-depois2

(10 anos depois)

 

 

animais-antes-depois5

(17 anos depois)

 

 

animais-antes-depois8

(14 anos depois)

 

 

animais-antes-depois16

(12 anos depois)

 

 

animais-antes-depois22

(10 anos depois)

 

 

x7okQtF

(15 anos depois)

 

 

*RETIRADAS DAQUI*

E, depois, ainda nos recusam por termos "qualificações a mais"...

De vez em quando, lá parto eu numa aventura pelos sites de emprego, em busca daquele part-time ao fim-de-semana que já viria mesmo a calhar. Tem de ser, é a vidinha. Sou uma estudante universitária desempregada, mas muito aplicada em enviar CVs que nunca obtêm resposta.

Contudo, o que é mais surpreendente - a seguir à quantidade incomensurável de anúncios para operadores de call-center - é os potenciais empregadores pedirem experiência em TUDO. Mas mesmo para TUDO. Como, por exemplo, para fazer embrulhos de Natal em lojas. Experiência na função e, já agora, pedindo por pedir, o 12º ano. E nem é que uma pessoa não tenha o 12º. O problema é mesmo a bezerrice desta gente, como se fosse preciso uma especialização em cortar fita-cola e enrolar laços. Aliás, aposto que há por aí muito doutorado sem saber fazer embrulhos!

Este blogue e respectiva autora estão nas redes sociais

https://www.facebook.com/procrastinartambemviver

 

 

 

 

http://www.goodreads.com/user/show/12656236-beatriz-canas-mendes

 

 

 

http://ask.fm/beatriizhelena

 

 

Seria impensável não ter uma página de Facebook dedicada ao blogue, nem que seja só para publicar pensamentos fugazes que não se justificaria aparecerem aqui.

Também seria impensável uma Leitora Hiperactiva Anónima (LHA) como eu não estar inscrita no Goodreads nem ter estabelecido um Reading Challenge.

Quanto ao Ask, raramente lá vou, mas nunca me fizeram nenhuma pergunta indecente, e todas as que recebo parecem vir de pessoas simpáticas e bem intencionadas, além de que encontrei por lá algumas pessoas dos blogues. Portanto, até prova em contrário, não tenho razão de queixa.

 

Apareçam!