Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Procrastinar Também é Viver

Blogue sobre trivialidades, actualidades e outras nulidades.

Procrastinar Também é Viver

Blogue sobre trivialidades, actualidades e outras nulidades.

A verdadeira solidariedade começa pela nossa casa

Estou farta de peditórios de organizações, associações e outras melgações. Compre a pulseira disto e daquilo, as fitinhas para aqueloutro e as canetas do vai-te catar, chato, que me estragas o dia!
Eu sei que estamos em crise, que a economia e as finanças (e a educação, e os valores morais, e basicamente tudo o que mexe) vão muito mal no paós, mas sinto que esta também tem sido a época perfeita para a proliferação de "caridades" ao pontapé. Ele é à saída do Metro, ele é à porta da faculdade, ele é a atravessar a rua quando se pára nos semáforos... Já chega! Estou saturada que me peçam dinheiro, que façam de mim estúpida, que me interpelem na rua a cada 10 passos dados, que me dêem graxa, que me venham com cantilenas. Arre, que são piores que os tipos da MEO, sempre a ligarem com novas promoções e oportunidades tipo feira dos ciganos. É que, não sei se sabem, mas ouvi dizer que o pessoal que anda a pedir na rua para essas ditas associações também é pago (valor de referência: 5€/hora). Belos negócios!
Quando me apetecer ajudar alguém, ajudo - sem intermediários. Sem manda-chuvas que são capazes de tirar do dinheiro angariado para comprar o seu próprio jantar. 
A verdadeira caridade, solidariedade e boa fé demonstra-se cara a cara, caso a caso. Sou mais capaz de ajudar alguém cuja situação eu conheça do que uma associação XPTO que diz que faz muito e coiso e tal. Afinal, cada caso é um caso e eu gosto de saber ao certo quem estou a beneficiar, a ajudar, ao fim de e ao cabo.
Por isso, apelo a que, da próxima vez que quiserem dar alguma coisa a alguém, pensem sempre em quem está mais perto: amigos, família, amigos deles... É provável que muitos de nós conheçamos pelo menos uma pessoa que não esteja a passar pela melhor fase da sua vida, seja devido a desemprego, ao aumento de impostos, ao aumento de despesas, endividamento... Porque, penso eu, a verdadeira solidariedade começa na nossa casa, bem perto de nós.

 

Já agora, só tenho mesmo uma entidade da minha total confiança, que vos sugiro, porque também já ajudaram a minha família e conhecemos o projecto: a Bianca, uma associação que recolhe animais abandonados e que faz por lhes dar uma casa nova, até fora do país, e que subsiste apenas com mão-de-obra voluntária e muito boa vontade de quem contribui em dinheiro, em comida ou equipamentos. Vale a pena ajudar esta organização de Sesimbra, por todo o bem que proporciona a imensas famílias e respectivos amigos de 4 patas!

 

2 comentários

Comentar post