Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Procrastinar Também é Viver

Blogue sobre trivialidades, actualidades e outras nulidades.

Procrastinar Também é Viver

Blogue sobre trivialidades, actualidades e outras nulidades.

Coisas boas atraem coisas boas, uma explicação científica

pexels-photo (1).jpg

 

Costumo dizer que não há nada que não possa ser resolvido com bom humor, boa disposição e optimismo. Na minha opinião, pensamentos positivos puxam resultados positivos. Coisas boas atraem coisas boas. 

 

Pelo menos, sempre tive a impressão, em grande parte devido às minhas próprias experiências, de que se verifica uma certa correlação entre esse tipo de atitude e acontecimentos favoráveis que se sucedem - mesmo correndo o risco de estar a simplificar uma míriade de coincidências e golpes aleatórios de sorte a um dogma pessoal e intransmissível.

 

(Afinal, esse espírito já me tinha sido incutido, desde que me lembro, pela minha avó, que eu considero uma das pessoas com mais para ensinar sobre o que significa viver bem, tendo feito face a circunstâncias adversas ao longo da vida, mas sem nunca se deixar abater até alcançar os objectivos a que se foi propondo. Não consigo evitar o pensamento automático, e típico de alguém que se considera relativamente privilegiada, de que o optimismo é a chave para as grandes dúvidas e desafios existenciais.)

 

No entanto...

 

Há uns dias, o meu namorado emprestou-me um livro do qual tenho gostado bastante. Apresenta-se em toda a imponência do seu volume e peso exigentes à primeira vista, mas lê-se muito bem: Pensar, Depressa e Devagar, do Nobel da Economia (2002) Daniel Kahneman. O tema do livro é o processo de tomada de decisão dos seres humanos, e, sumariamente, como o nosso cérebro percepciona a informação que recebe e como reage a esses estímulos.

 

Então, voltemos ao que me surpreendeu quanto às conclusões de Kahneman e da sua equipa, no domínio muito específico da influência da boa disposição. Parece que fizeram vários participantes dum estudo ter pensamentos alegres e que a exatidão das suas respostas intuitivas, ou palpites, aumentou. Isto é, a sua capacidade de análise e conexão cria menos erros lógicos. "A facilidade cognitiva é ao mesmo tempo causa e efeito de uma sensação agradável."

 

Quando temos pensamentos alegres e estamos bem-dispostos, tomamos decisões mais lógicas, logo acontecem-nos coisas melhores, mesmo que por mera intuição. Se formos negativos, o nosso poder de decisão fica fragilizado e acabamos a fazer más escolhas.

 

Quem diria que as ditas "boas energias" seriam mesmo reais no seu efeito? Quem diria que os resultados do optimismo são reais e estão comprovados cientificamente? 

 

Portanto, da próxima vez que tiverem uma decisão importante a tomar, assegurem-se de que se sentem bem, felizes. Evoquem e invoquem pensamentos que vos tragam felicidade para conseguirem escolher melhor - aliás, à maneira clássica de um Patronus (fãs de Harry Potter hão-de entender).

 

Optimismo atrai optimismo. Coisas boas atraem coisas boas, sem ser necessário abrir livros de auto-ajuda ou páginas motivacionais. É só (tentar) ver sempre tudo com um filtro positivo. Façamos essa escolha de sermos mais felizes, para gerar mais felicidade. O resto... deixemos com essa máquina incrível que é o nosso cérebro.

 

Mais alguém se revê nisto?

3 comentários

Comentar post