Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Procrastinar Também é Viver

Blogue sobre trivialidades, actualidades e outras nulidades.

Procrastinar Também é Viver

Blogue sobre trivialidades, actualidades e outras nulidades.

O amor e a loiça

IMG_20200108_230057.jpg

 

O João gosta de lavar loiça. Mal acabamos de comer, lá vão os pratos todos para a pia, os talheres retinem no fundo, o lixo é separado. O João recicla. O João não deixa entupir os canos. O João guarda o plástico e o vidro num caixote especial que se leva ao ecoponto mais tarde, mais o lixo comum.

 

Depois, se o abraço e lhe agradeço, o João diz que me ama. Eu aceito sem reservas, e só espero poder compensá-lo para o resto da nossa vida a dois, por tudo e mais alguma coisa - e em particular pela quantidade de loiça que ele há-de lavar, opondo-se convictamente à compra duma máquina, e insistindo que um electrodoméstico não o faria tão bem quanto as mãos dum homem, uma esponja e água quente.


Eu e o João conhecemo-nos numa app de engate. Escrevo “app de engate" porque "app para encontrar o amor" parece demasiado redutor. Ele poderia ter só encontrado alguém que gosta de falar de psicologia positiva, eu poderia ter só encontrado alguém que gosta de falar de realismo imaginário. Trocaríamos impressões sobre estes interesses vagos e aquele chocolate quente nas Picoas teria sido um intervalo bem-vindo durante o meu primeiro dia de trabalho a seguir das férias. A seguir, eu contar-lhe-ia a desculpa do costume: que ele era muito bom rapaz, mas que afinal eu concluíra que ainda estava a recuperar do meu último desgosto, recente; não sentia que fosse justo continuarmos a conversar, não fosse eu, e o meu caos, magoá-lo. Blá blá blá.

 

(Quando lhe disse isto, o João abanou a cabeça e disse “És tão engraçada, e a tua vida parece saída dum filme.” Fiz dele o protagonista, só para aprender a lição.)

 

Ainda bem que o João não quer saber das minhas desculpas.


Nesta vida, tive três namorados e todos eles são donos de casa invejáveis. Há quem atraia malucos. Há quem atraia sacanas. Há quem atraia meninos da mamã. Há quem atraia ricos. Ou pobres. Ou forretas. Há quem atraia homens mais velhos. Eu atraio homens que não suportam uma cozinha por arrumar. Aliás, até vou ao ponto de dizer que adoram fazê-lo.


Eu digo que é sorte ou coincidência; o João diz que é porque eu sou aquele tipo de mulher que atrai esse tipo de homem, um padrão, ponto final. Ora, esta crença dele obriga-me a esforçar-me por merecer o padrão. Tenho de me esforçar por merecer o João, a pessoa que me diz que eu mereço que me lavem a loiça. (Aposto que nunca ouviram uma coisa tão romântica, nem no dia dos Namorados, pois não?)

 

O João é trabalhador. É esforçado e focado. É poupado. É gentil com toda a gente. É expressivo, interessado e bom conversador. O João lê o que eu escrevo e e ainda envia aos pais.

- Tudo isto, e mais a loiça! 


Acredito que haja coisas bem piores na vida, a partir do momento em que confirmo: por trás da atrapalhação partilhada durante a exposição dos sujeitos como que numa montra do talho (idade, check, profissão, check, sem suspeitas psicopatas, check, à procura de relação séria, check, cheira bem, check...), existe de facto uma pessoa que espera um dia partilhar connosco a sua cama, os seus dias, a sua loiça lavada e a sua ADSE.

 

Isto é amor, ou lá o que é, João, não é?

 

-----

 

Texto escrito originalmente paraO Primeiro Capítulo de Fevereiro. No dia anterior ao encontro, decidi escrever outro, por ainda não estar contente com este.

3 comentários

Comentar post