Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Procrastinar Também é Viver

Blogue sobre trivialidades, actualidades e outras nulidades.

Procrastinar Também é Viver

Blogue sobre trivialidades, actualidades e outras nulidades.

Sítios que me fazem feliz #1: Biblioteca da FLUL

05.01.19 | BeatrizCM

Tirem-me quase tudo, mas não me tirem a possibilidade de voltar aos sítios onde fui feliz. De boas memórias está o coração cheio, poderia ser o ditado. Por isso, lembrei-me de começar esta colecção de textos, apenas um exercício de registo e partilha sobre os sítios dos quais eu gosto, não só em Lisboa como à volta do mundo, para mais tarde ler e recordar.

 

LRM_EXPORT_88351003407861_20190105_001820357.jpeg


Este é o primeiro.


Sem surpresa, um dos meus sítios favoritos é a Biblioteca da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, onde devo ter passado metade do tempo da minha licenciatura. Enquanto estudei no estrangeiro, o que eu não daria por tê-la de volta! Teria sido muito mais feliz nesse mestrado, se pudesse ter estudado na minha biblioteca preferida. Poderia ter sentido um pouco mais de motivação. Ter-me-ia sentido menos perdida .


A primeira vez que entrei na Biblioteca da FLUL foi no início de 2013. Na altura, já calculava que a probabilidade de ir parar à FLUL alguns meses mais tarde era elevada e quando houve um Dia Aberto decidi ir conhecer a faculdade, na Cidade Universitária.


Quase três anos depois, talvez estas sensações sejam idealizadas à distância, mas vivi os anos mais felizes da minha vida enquanto estudei na FLUL. Vivi uma combinação de circunstâncias muito felizes nessa altura e, obviamente, teria de haver sempre uma biblioteca pelo meio da equação.

 

IMG_25620104_185333.jpg


Li bastantes livros da Biblioteca da FLUL, fotocopiei uns tantos, li partes doutros, raramente não encontrei lá os livros de que precisava (e principalmente aqueles de que não precisava). Esta biblioteca acolhedora, aparentemente sem fim para quem decide aventurar-se pelas suas estantes, iluminada como muito poucos sítios ainda são, com luzes de tom amarelado e através dalgumas janelas e janelinhas por onde até nos esquecemos de olhar, só contribui para aumentar o meu amor pelas letras. Um dia, gostaria de lá levar alguém sem inclinação para os livros e observar a sua reacção. Imagino que não resistisse a pegar num ou noutro, nem que por mera curiosidade.

 

IMG_25620104_185326.jpg


As fotografias não fazem justiça à grandiosidade da Biblioteca da FLUL. A quantos alunos dará abrigo a cada nova época de exames? Quantos cérebros a bulir em uníssono? Não é por acaso que é o poiso preferido de alunos de Medicina e Direito, que vêm doutros lados da alameda para ali trabalharem. Por vezes, os cartões de visitante esgotam. É normal. Não existe quem resista à Biblioteca da FLUL, um dos melhores investimentos da Universidade de Lisboa nas últimas décadas.

 

LRM_EXPORT_80176912125223_20190104_204525987.jpg


É um local calmo, de silêncio, de paz, de respeito, de homenagem ao conhecimento. Não se fala lá dentro, sente-se a pressão para ler ou produzir texto num ciclo analógico de criação e leitura. Sente-se o bafo dos antigos e dos novos a emanar das capas. Coabitam séculos de gerações nas mesmas cotas. Apercebemo-nos da nossa insignificância e aprendemos uma lição de humildade, sem perder a vontade de mais lombadas nas mãos que nos domestiquem a rebeldia dos pensamentos voláteis.


Se puderem, passem por lá um dia destes, como ao sábado de manhã, quando a faculdade se encontra mais vazia. Qualquer pessoa pode entrar, pedindo um cartão de visitante em troca dum documento de identificação. Infelizmente, só ainda não é possível requisitar livros bem o cartão de aluno. Boa visita!

3 comentários

Comentar post