Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Procrastinar Também é Viver

Blogue sobre trivialidades, actualidades e outras nulidades.

Procrastinar Também é Viver

Blogue sobre trivialidades, actualidades e outras nulidades.

Aviso à navegação, como se costuma dizer

IMG_25610203_132054.jpg

 

Caros todos: leitores, seguidores, amigos, família, professores, conhecidos e quem mais por aqui andar...

 

O blogue tem estado parado, por falta de experiências a relatar que interessem ao grande público (ou, simplesmente, "falta de inspiração"). Ainda hei-de escrever sobre o meu regresso e consequente re-adaptação à vida no lar-pátria, lar-casa, lar-pessoas que amo - mas, por agora, há que viver essa mesma vida que acontece de rajada. Entre alegrias, tristezas, surpresas de elevar qualquer espírito, desapontamentos de enterrar mortos, amores, desamores, e, em geral, a inevitabilidade dos dias, ainda tenho muito a digerir antes de poder partilhá-lo convosco.

 

No entanto, mesmo à falta de experiências imediatas e extremamente profundas para relatar, a partir desta semana este blogue erguer-se-á das cinzas tailandesas e fará também a sua transição para o seu estado mais português e mais rotineiro. Prometem-se, pelo menos, tentativas de vos trazer um cheirinho do que de melhor existe nesta vida suburbana pouco glamorosa, mas em transformação e aperfeiçoamento.

 

Obrigada por continuarem desse lado!

 

(Aos meus amigos... sei que já prometi muitos almoços, jantares, lanches, cafés, encontros e por aí fora. Por isso, prometo outra vez que a partir desta semana "é que vai ser"! Vocês vão ver! Vai mesmo! 😂)

Blogger típica? Eu não!

No outro dia, pus-me a pensar no que é que me torna assim tão diferente das outras pessoas que escrevem blogues. Provavelmente, não somos assim tão distintos - pensei eu para mim mesma. Ainda assim, consegui uma lista significativa de características que não nos são comuns, pelo menos comparando-me com muitos dos bloggers que vejo terem muito sucesso por essas praças. Shall we read it?

 

Não sou uma blogger típica. Sou uma blogger muito amadora, muito fora do circuito, muito pouco adaptada e ainda menos adaptável. 

Não tenho uma máquina fotográfica de boa qualidade, a minha já tem 7 anos e a câmara do telemóvel é fraca. 

Não tenho cães de raça fotogénicos, só rafeiros envergonhados, além de trêss gatas pardas e uma tartaruga que se confundem com os móveis. 

Não tenho um namorado estrela-de-cinema (musculado, barbeado ou de barba certa), que me leve a passear a sítios exóticos ou que me compre muitas prendas vistosas. 

Não tenho filhos fofinhos. Aliás, não tenho filhos.

Não tenho amigos com quem saia à noite ou com quem vá a festivais. 

Não saio à noite, nem vou a festivais. 

Não sou muito sarcástica nem mordaz. 

Não vou ao ginásio como se fosse o templo da minha religião, não corro e também não tenho roupa desportiva de marca. 

Não tenho roupa de marca, calçado de marca, cosméticos ou maquilhagem de marca.

Não sou linda, só sou maravilhosa (confirmam os meus amigos, e eu acredito).

Não tenho parcerias com outros blogues nem faço muitos giveaways. 

Não tenho um cabelo Pantene. 

Não sou fashionista, sou só um bocadinho feminista. 

Não sofro de amores mal resolvidos. 

Não leio os livros da moda.

 

Sou uma blogger-seca, não é?

Crítica e elogio aos bons costumes na Internet

Não será novidade nenhuma dizer que a Internet, em particular a blogosfera, está cheia de línguas de cobra (ou dedos de cobra que insistem em matraquear virtualmente). São principalmente os blogues mais conhecidos – como, por exemplo, A Pipoca Mais Doce e A Maçã de Eva – o maior alvo de comentários trocistas, inoportunos e maldosos, seja porque a dona ou dono do blogue tem acesso a produtos de grandes marcas a que o típico indivíduo da classe média portuguesa não tem, seja porque mostra fotografias das suas férias em destinos extremamente cobiçados e até invejados, seja porque planeia festas lindas e maravilhosas para os filhos, seja porque… se limita a dar sinais de vida.

De vez em quando, ponho-me a ler as caixas de comentários desses blogues. É como um guilty pleasure, por isso não me julguem. Eu até posso usar a desculpa de que simplesmente aprecio observar estes seres humanos no seu habitat natural, no meio em que se sentem mais confortáveis, porque sou uma estudante muito aplicada de comunicação e cultura (ah ah ah!). E, como se não bastasse, fico sempre bastante admirada com a indecência que esta gente tem, fico mesmo surpreendida com o que escreve e com o quão mesquinha consegue ser. Eu sei, eu sei que a mediocridade de espírito não conhece limites, mas será demasiado querer continuar a acreditar no bom senso? Será que ele pode continuar a existir? Será que podemos apostar nele, para que possa invadir toda e qualquer mente que precise duma valente dose desta substância?

Felizmente – e pode ser mera impressão minha – tenho notado que as gerações mais novas não são tão amargas nos seus comentários por essa Internet fora, mesmo nas redes sociais. Raramente leio comentários de alguém com menos de 25 anos a desfazer no que outra pessoa publica. Por norma, a maioria parece-me bastante simpática nas suas intervenções. No que toca à minha experiência pessoal, neste blogue em particular, só senti a minha face colocada em causa uma ou duas vezes, em três anos, e os comentários que me deixaram desconfortável nem sequer foram graves, apenas desagradáveis nas entrelinhas.

Caríssimos amigos e/ou leitores, dito isto, de hoje em diante, façam por manter a Internet um não-sítio pacífico e em que possamos coexistir sem sermos mauzinhos uns para os outros. Boa índole puxa boa índole, boa conduta atrai boa conduta, bom carácter chama bom carácter. Então, sejamos todos melhores cidadãos e utilizadores no mundo virtual! Shall we?

Blogue em modo de procrastinação

Entre publicações que gravei como rascunhos e que se evaporaram com o ar fresco deste Verão, ressaca de computador com grande aversão a tal dispositivo e mais 8 livros adquiridos em Inglaterra à espera para serem apreciados, sinto que este blogue tem sido justamente negligenciado em nome da causa que defende: pura procrastinação.

No entanto, prometo para breve as fotografias da última semana em terras de Sua Majestade, assim como as devidas actualizações no Procrastinar Também é Ler - nem que seja porque tem sido o meu mantra nos últimos dias, felizmente!

Amanhã, este blogue completa 3 anos

Lembram-se de quando eu escrevia pequenos textos pseudo-sentimentais, derrotistas e desiludidos com tudo, que eram só palavras soltas e quase deterministas sobre o amor? Lembram-se de quando os desabafos eram uma constante e a vida além-eu em redor não existia? Lembram-se de quando este blogue mudava de nome todas as quintas-feiras (salvo seja) e tudo na minha vida parecia uma confusão? Lembram-se?

Provavelmente, não. Muitos dos leitores deste blogue têm-se-lhe juntado durante os últimos dois anos, talvez durante os últimos meses. Os que o liam no início partiram, outros aparecerem. É assim um blogue, principalmente um que espelha o crescimento de um indivíduo entre a adolescência e a idade adulta, signifique isso o que significar. Por outro lado, também acredito que haja um terceiro grupo que tem vindo a crescer comigo por estas bandas.

Antes do blogue que se vos apresenta nesta página, já outros tinham sido criados e, consequentemente, apagados. Por isso, nunca pensei que procrastinar fosse quase para a vida (3 anos é muito tempo na blogosfera, não?). Talvez seja do conceito; talvez seja do compromisso subjacente a cumpri-lo e a ficar por aqui. 

Gosto de escrever procrastinando. Acho que, de todos os blogues que já criei, este é aquele com que mais me identifico. Também me identifico com os leitores e, acima de tudo, com o que vou escrevendo. Não é mau de todo, pois não? Graças ao blogue, têm-me acontecido coisas boas.

3 anos (menos um dia) volvidos, continuo um tanto-tonta, mas considero-me muito mais feliz, sei o que quero e vou atrás dos meus objectivos (o que é um tropeção ou outro, de vez em quando?). Em geral, já começo a perceber o que espero da vida. No fundo, continuo igual, sou apenas uma versão melhorada q.b., o que devemos esperar de nós mesmos dia após dia. O que escrevo agora tem mais contexto, mais sentido e melhor qualidade. O blogue serve de plataforma de treino de raciocínio e de redacção livre.

 

Porque um blogue não se faz só com alguém que escreva, tenho de agradecer aos "alguéns" que o lêem e aos que apostam nele (e em quem se encontra deste lado, arrisco-me a dizer). Procrastinar também é viver, é aprender, é ler, é parar não parando, é gastar um bocadinho de tempo inutilmente - ou até com imensa utilidade -, é o que vocês quiserem que seja! 3 anos pode não ser muito para o resto das pessoas, mas para mim simbolizam a que tem sido a melhor época da minha curtíssima existência. Ficam por aí?

 

***

 

Alguns dos maiores marcos da procrastinação:

# Recortes e destaques nos Blogs do Sapo

# Reportagem na Revista Domingo (suplemento do Correio da Manhã) - Abril de 2013

# Participação no programa Boa Tarde, na SIC - amanhã, dia 30 de Junho de 2014

Vencedora do livro "Hoje é Melhor Do Que Para Sempre"

Depois de alguma reflexão (com procrastinação pelo meio, claro está!), depois de ficar indecisa entre dois ou três grupos de respostas e de me ter rido com algumas delas (obrigadinha, Srª D. Quadrada!), a minha decisão foi finalmente tomada. Não foi fácil, muito pelo contrário, que a coisa estava renhida e eu não queria que ninguém ficasse a pensar que eu sou uma pessoa muito injusta, terrível, péssima, e que não mereço sequer me leiam o blogue, JAMAIS!

Assim como assim, foi inevitável seleccionar uma vencedora e ela foi a... Sara Santos! Parabéns, querida Sara, por tanto entendimento acerca da procrastinação! Desde que em doses moderadas e que não te dêem cabo do miolo ou da vida, estás à vontade para o fazer a qualquer altura, com o meu devido consentimento (como se alguém precisasse dele, cof cof). Já te envio um e-mail ou, se vires esta mensagem antes, manda-me logo a tua morada.

Para quem tiver curiosidade, as respostas da Sara encontram-se no final desta publicação.

 

 

 

Ao resto das participantes, o meu agradecimento pela sua boa vontade em partilhar a sua experiência de procrastinação e qualquer dia há-de haver mais oportunidades para mais passatempos - isso vos garanto! (Já agora, contarei na próxima publicação, ainda hoje, por que é que vos lancei este desafio.)

 

Até à próxima, com muito boas leituras nos entretantos! :)

 

 

 

***

 

RESPOSTAS DA SARA:

 

1 - Procrastinas muito?
Mais do que devia, menos do que queria...

2 - Por que é que achas que as pessoas procrastinam? E tu, por que é que o fazes?

Cenas que têm acontecido

Fiz 19 anos. Sabe-me ao mesmo que os 18, mas não ao mesmo que os 17. Acho que 17 e 19 são idades diferentes, mas 18 e 19 condizem mais um com o outro: estou na faculdade, emocionalmente equilibrada, em harmonia com o universo, estudo e trabalho. O último ano tem sido assim, tão simples. Espero que este continue assim ou que fique ainda melhor - apesar de "melhor" ser quase impossível. Sempre posso ganhar a lotaria!

No meu dia de aniversário, Portugal jogou com a Alemanha. Portugal foi comprado pela tia Merkel, estou praticamente certa disso. Já não é novidade que o Cristianinho é sempre o mesmo sonso, que joga muito lá fora e para Portugal dá uns toques, mas o resto da selecção não é nada má. Juro que vi um jogador português a deixar entrar, muito pacificamente, o terceiro ou quarto golo da Alemanha, como quem vê aviões a passarem em cima da Cidade Universitária - estoicamente. E aquela cena do outro a querer malhar em cima do alemão foi cá um teatro! Toda a gente sabe que muitos dos jogadores portugueses são chungas, mas aquilo foi simplesmente... exagerado.

Os exames nacionais do ensino secundário começaram. É engraçado como algo que me aconteceu e que me disse respeito até há relativamente pouco tempo deixou de ter tanto significado para mim. Acho que, depois do primeiro ano de faculdade, toda a minha percepção do nível de dificuldade dos exames se alterou. Acho que, se fizesse agora os exames, teria muito melhores notas com menor esforço. Contudo, lá está: gosto muito mais do que estudo agora e estou muito mais motivada do que estava no 12º ano, o que influencia bastante os resultados.

Ter um trabalho como freelancer durante as férias, sem horários ou obrigações e, ainda por cima, com todo o tempo por minha conta, é mais complicado do que parece. Em tempo de aulas, tinha de o fazer no mínimo de tempo possível, nos pequenos furos entre aulas, horas de almoço, antes de ir para a faculdade... Agora, estou entregue a mim mesma. Tenho de aprender a distrair-me menos na Internet, a ser mais regrada, mais rígida e exigente com os horários, para que me sobre mais tempo livre para fazer outras coisas de que também gosto (como vir cá escrever mais frequentemente ou abater a pilha de livros que quero ler!).

Falta mais ou menos 1 mês e 19 dias até ir para Newcastle.

Blogger ausente, por muito que tente

Infelizmente, os meus piores pesdelos blogosféricos estão a tornar-se realidade: raramente tenho tempo (ou disponibilidade mental) para cá vir escrever. Nem para vir ao blogue, nem para muitas outras actividades desta minha vida humana... Mas o blogue? Nunca pensei. É que, sendo o meu trabalho REMUNERADO escrever, as palavras começam a faltar para o trabalho de lazer. Sei lá, fico assim meia perdida. Estou a tornar-me num daqueles autores de blogues que tanto repudiava quando não escreviam tão frequentemente quanto eu esperava deles. Deves ter uma vida muito ocupada, deves... Porque é que nunca mais escreves, caramba??? Deixa-te de coisas e começa a escrever mais, oh tu que tens um blogue não sei bem para quê!

Estão a entender o meu problema existencial?

 

Sem contrapartidas, interesseirices nem outras chatices

Gente do meu blogue!

 

Sem vos pedir nada em troca, sem pedir que me divulguem o blogue, sem pedir que me cocem a barriga nem que me ofereçam almoços no McDonalds, tenho a oferecer-vos cartões do tarifário WTF, da Optimus, com UM ANO de mensalidade paga. Nem sequer é preciso mudarem de número, é possível manterem o vosso, sem qualquer complicação.

 

Portanto, este tarifário...

  • destina-se a menores de 25 anos, com activação através do número de BI ou de CC;
  • tem 500mb de Internet por mês;
  • tem 500 créditos para gastar por mês (1 crédito=1sms/mms/minuto de chamada/minuto de videochamada);
  • tem tráfego ilimitado no que toca às aplicações Skype, Facebook e Blackberry Messenger, Viber e WhatsApp.

 

Se estiverem interessados, basta deixarem um comentário ou enviarem-me uma mensagem através da caixa lateral do blogue com o vosso nome, a vossa morada e o vosso e-mail. E quanto mais depressa melhor, porque estes cartões só podem ser activados até ao fim de 2013.

 

 

Em parceria com a Forum Estudante.

Giveaway da Charlotte.