Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Procrastinar Também é Viver

Blogue sobre trivialidades, actualidades e outras nulidades.

Procrastinar Também é Viver

Blogue sobre trivialidades, actualidades e outras nulidades.

O que é melhor: a escola pública ou a escola privada?

A propósito do post sobre a minha visita ao Colégio Atlântico, recebi um comentário de uma sua actual aluna, questionando-me sobre os aspectos negativos e positivos do ensino privado e do ensino público. Já tive a oportunidade de experimentar tanto um como outro. Frequentei o primeiro durante nove anos, desde a pré-primária até ao final do nono ano, e tenho frequentado o último desde o décimo ano, ou seja, há quase três anos.
Acho que a maior vantagem que retirei da mudança de tipo de ensino, a meio do meu percurso, foi a aquisição de um conhecimento comparado de cada um em relação ao outro. Se não tivesse estado num colégio, nunca conheceria as falhas e os pontos fortes da escola pública, e vice-versa. Julgo que a minha formação académica ficaria minimizada, caso só tivesse frequentado um deles.
Tive a sorte (digo eu) de ter iniciado os meus estudos e, afinal, a minha vida, no seio de um ambiente escolar muito protector, rigoroso e diversificado. Quando menciono protector, refiro-me às características que imagino que todos os colégios tenham: os alunos são resguardados do exterior, acarinhados (nuns, mais do que noutros), e existe um acompanhamento personalizado sempre que possível, feito à medida das necessidades do aluno enquanto indivíduo, não enquanto parte de uma turma ou de uma comunidade escolar imensa, em que as relações chegam a ser impessoais; rigoroso, não porque nos exijam notas máximas “em cru”, sem que antes nos ensinem a trabalhar e a estudar, mas porque nos é exigido que obtenhamos médias proporcionais às nossas facilidades e dificuldades e aos recursos materiais, intelectuais e humanos (professores e outros funcionários) de que dispomos, algo que, numa escola privada, é algo que não costuma faltar; diversificado, devido às várias actividades em que nos inserem – dança, música, teatro, rádio, artes plásticas – e à motivação que a sua prática nos traz, mostrando que somos capazes de ser bem-sucedidos em diversas áreas ou, quem sabe, ajudando-nos a encontrar aquilo de que mais gostamos de fazer, acima de tudo (foi o que aconteceu comigo, pelo menos, em relação à escrita e à comunicação em geral).
Contudo, também é do meu agrado que não me tenham mantido no ensino privado após a conclusão do ensino básico. No final do oitavo ano, comuniquei à minha família que não desejava continuar no colégio e que queria ser imediatamente inscrita na escola que fica perto da nossa casa. Felizmente, eles não acederam ao pedido e obrigaram-me a esperar. Porque, se há algo que não consegui desenvolver lá muito bem no colégio (conjugando a minha educação no seio familiar), foi a maturidade suficiente para me conseguir integrar às mil maravilhas noutro contexto totalmente distinto (porém, suponho que esta questão dependa de pessoa para pessoa). Tinha catorze anos, mas poderia ter dez em mentalidade. Ainda bem que permaneci no colégio até ao nono ano, por muito “claustrofóbica” que já me sentisse, por muita que fosse a minha curiosidade sobre o “mundo real”! 
O meu décimo ano foi um ano de choque entre o meu eu de antes e o meu eu de agora. Mesmo agora, no décimo segundo, continuo a confrontar-me com situações novas todos os dias. Mas, após a mudança de tipo de ensino, aprendi de imediato imensas coisas, qual bebé recém-nascido. Era demasiado ingénua, não conhecia muitas pessoas da minha idade diferentes daquelas com quem contactara durante nove anos, que tinham sido quase sempre as mesmas (algumas conheciam-se desde que usavam fraldas; eu conhecia-as praticamente todas, excepto uma ou outra que ia entrando posteriormente, desde o tempo das Barbies e das Bratz), por sua vez, não sabia interpretá-las correctamente e, emocionalmente, o meu décimo foi um desastre (imaginem um coelhinho sonso a cair de amores por um lobo, ai tão fofinho, mas tão matreiro, e já se sabe quem acaba nos dentes de quem). Subestimei o mundo real, como lhe costumo chamar.
Quanto aos professores, não houve surpresas. Os bons existem tanto no público como no privado, apenas com a diferença de que, no público, o seu tempo tem de ser dividido entre todas as milhentas turmas a quem dão aulas e, enfim, muitas das vezes, um aluno é somente mais um número. Ainda assim, tive a sorte de, em menos de três anos, já me terem calhado uns quantos cujo empenho admiro e com quem simpatizo bastante, que batalham todos os dias para recompensar os alunos que merecem e motivar, até, aqueles que simplesmente se estão pouco “importando”. Por outro lado, dos maus professores, já reza a História desde a Era dos dinossauros – faltam sem justificação ou aviso antecipado, não sabem fazer nem corrigir testes, não sabem dar aulas, não estão minimamente preocupados, querem é subir de escalão profissional ao desbarato… Feitas as contas, não se pode ter tudo na vida, não é verdade?
No colégio, consegui arranjar as ferramentas intelectuais e artísticas, a par dos bons valores morais, como a justiça, a compreensão e a amizade; na escola pública, conheci verdadeiramente a dimensão das relações humanas em todos as suas vertentes, ora positivas, ora negativas, entrei em contacto com o que é a “realidade” da maioria das pessoas e, sumariamente, da sociedade actual; consequentemente, aprendi a ter garra e a lutar pelos meus objectivos em qualquer contexto, não esperando ser amparada na “queda” (porque a vida não é justa, por muito que tentemos; por vezes, temos de lhe dar um pontapé para ela entender o que queremos que faça por nós!). Os dois acabaram por se complementar perfeitamente!

***

Se, posteriormente, me lembrar de mais alguma coisa que ache relevante dizer, fá-lo-ei. Espero ter respondido bem a sugestão!

HOJE foi o dia

Frequentei o Colégio Atlântico durante nove anos - desde a pré-primária até ao final do 3º ciclo. Quando, por fim, entrei para a escola pública, pensei que nunca mais me apanhavam por lá, pelo menos durante algum tempo. Na altura, estava como que saturada do ambiente de "clausura", de protecção e de controlo a todo o santo instante (ou, pelo menos, era assim que eu via a situação), e a recém-adquirida-pseudo-liberdade trouxe-me, talvez, uma quanta arrogância (que depressa me passou, haja juízo!). Poucos meses depois, voltei para uma curta visita e, contra todas as expectativas, fiquei tão triste por já lá não andar que reafirmei, desta vez pela razão contrária, a minha pouquíssima vontade de regresso. Mas, eventualmente, continuei a visitar os meus professores, a falar com alguns no Facebook e a enviar e-mails à minha antiga directora de turma, a professora Antónia, que, no ano passado, me convidou (com a aprovação da direcção do colégio e dos outros professores, obrigada, obrigada!) para ir falar a uma turma de sexto ano sobre o meu percurso escolar, porventura pessoal, e dar-lhes alguma motivação. Aliás, até cheguei a escrever sobre isso! Fiquei especialmente sensibilizada por me colocarem nessa posição, pois demonstrava que me encontravam competências e experiência suficientes para conseguir gerir esse encontro. E, afinal, saí-me bem!

Então, este ano, o convite repetiu-se... para conversar, não com uma, mas com várias turmas, do 2º ao 3º ciclo, no pavilhão multiusos do colégio! Tanta gente!!! A minha primeira reacção foi pensar que não conseguiria cativá-los, que seria horrível e que nem me levariam a sério. Mas - ei! - não estou aqui para as curvas? Não é o meu lema explorar todas as situações que me sejam colocadas, aproveitando-as como se fossem a minha última oportunidade?
Claro que aceitei, ora essa - ou houvesse outra resposta beatrizmente possível!

Portanto, hoje, lá estive...


Colocaram-me no palco em cima do qual actuei em dezenas de festas escolares (dança, teatro, música, ...), completamente sozinha, com um foco de luz a destacar-me, um sofá para me sentar e água para ir bebendo. Não estava naaaaada à espera! Nada mesmo! Tanto cuidado e tanta atenção sobre mim fizeram-me sentir pequena, pequenina, minúscula. À minha frente, apesar de não conseguir vê-los nitidamente devido ao brilho do holofote que me encadeava (e aos óculos que não tinha na cara, ah ah ah), estavam imensos alunos e professores que esperavam que eu fosse capaz de mostrar fluência, à vontade e carisma. Desiludi-los não era, de todo, uma opção!
Abordei diversos temas: a experiência da escola privada em comparação à da escola pública, as notas, as minhas actividades extra-curriculares, o que me motiva, os meus hobbies, esta procrastinação em forma de blogue, as expectativas que tenho para o futuro... Sei que me esqueci de referir imensas coisas que planeara referir, sei que não fui a melhor oradora e que, quando entrei naquele palco "enorme", caiu sobre mim uma grande ansiedade que me impediu de me expressar como desejava. No entanto, também me contaram que quase nenhum aluno (estavam presentes o 7º, o 8º e o 9º ano) se atreveu a falar, algo raríssimo; que consegui, felizmente!, cativá-los; que me colocaram questões no final e que mostraram interesse pelo que partilhei com eles. No final, senti que tinha cumprido a minha parte e que demonstrara ser um bom exemplo, embora, ainda há pouco tempo, tenha estado na pele deles e tenha tido a idade que têm. Em suma, acho que consegui chegar aos meus espectadores e nada me poderia deixar mais satisfeita!

Também matei saudades de todos os professores e funcionários do colégio que me viram crescer e que, agora, se admiram por já ter passado tanto tempo desde que eu fazia intermináveis e dolorosas birras (porque a minha avó me mandava demasiada comida para o almoço), por eu já ter "este tamanho, parece que me metem adubo" e por até já aparecer com um "apêndice/borracho" (segundo apelidaram o Ricardo, que me acompanhou nesta visita); desenterrei recordações que pensei nunca mais recordar; passei em corredores que me fartei de percorrer "para trás e para a frente, para a frente e para trás" durante quase uma década... Enfim, foi uma manhã e tanto!

A minha avó sempre me disse que, um dia, me lembraria do colégio e teria vontade de lá voltar. Por muitos momentos desagradáveis que tenha vivido dentro dos seus portões, os melhores superam-nos! Dito isto: hoje foi o dia.

***

MIL OBRIGADAS a todos os que me concederam esta visita especial e que conseguiram torná-la num dos acontecimentos mais marcantes do meu 12º ano!!!
MIL DESCULPAS a um certo professor que, num certo seu aniversário, foi presenteado pela minha antiga turma com um Big Mac e uma festa surpresa cheia de doces que não pôde comer, por estar em regime de dieta, e que teve de explicar aos seus actuais alunos em que consistiu esse episódio, uma vez que me ocorreu a brilhante ideia de o trazer à memória. (Faça o obséquio de se rir, stôr Nuno! :D )

Amanhã - ULTRA, HIPER, MEGA IMPORTANTE!!!

Amanhã de manhã, por volta das 10 horas, estarei no Colégio Atlântico (que frequentei durante nove anos) para uma intervenção mais-ou-menos-pessoal-e-motivacional (bem... há-de ser algo do género!) para os alunos do 2º e 3º ciclo, no âmbito da semana "Cultura em Movimento".
Portanto, se são alunos de lá - e eu sei que há alguns que lêem o meu blogue - marquem na vossa agenda e preparem-se... para a derradeira palermice. Abordarei temas relacionados com a minha vida escolar e, pois claro, a boa da procrastinação! MUAHAHAHA! (*inserir_riso-pseudo-maléfico_aqui*)

inspiração? sim, sem dúvida!

   Hoje, pela primeira vez na vida, sinto que marquei alguém. Sinto-me verdadeiramente realizada.


 


   No âmbito da Semana da Leitura do colégio que frequentei, desde a pré-primária até ao nono ano, a minha antiga professora de Língua Portuguesa convidou-me para ir falar aos alunos de sexto ano dela sobre a minha experiência enquanto leitora, mas também como escritora. É certo que a minha "carreira" na área se resume, modestamente, a uns quantos prémios literários, a este blogue, à minha participação na revista Fórum Estudante e, sem dúvida, a muita determinação e sonhos para o futuro.


   No entanto, tenho a satisfação de confirmar que, hoje, consegui entusiasmar alguns potenciais artistas da escrita. Tentei representar, durante curtas horas, um exemplo que eles poderiam considerar seguir ou, pelo menos, alguém em quem se revissem. Eu própria me revi nalguns deles. Em certos casos, notei na insegurança, na ânsia de se afirmarem, mas sem o conseguirem por receio do que os colegas poderiam dizer... Noutros, identifiquei exactamente o que me fazia recuar ou ter medo. Ainda assim, agora que os observo a partir do exterior, reconheço que todas estas inibições fazem parte do nosso percurso, do nosso crescimento e da nossa entrada na adolescência. Cada um destes miúdos - se é que os posso chamar de miúdos, visto nem serem muito mais novos que eu - precisa apenas de se conhecer e encontrar algo que o defina.


   Quando eu tinha a mesma idade (onze, doze anos...) não percebia onde me poderia incluir. No grupo dos fixes? No dos renegados? Então, escrevia sobre isso. Aos poucos, fizeram-me ver que essa era a peça que me faltava encaixar no puzzle que eu ainda não entendia completamente. Construí, então, uma personagem para mim, em torno dessa característica. Eu era capaz de fazer algo melhor do que a maioria - escrever. Resumidamente, integrei-me e aprendi a aceitar-me. Todos nós somos diferentes e não nos devemos deixar rotular.


   Em grande parte, agradeço à pessoa que me incentivou desde o início e que, praticamente sete anos depois, continua a acreditar em mim - a professora Antónia. Se, um dia, já fui sua aluna, já outros o foram e muitos mais ainda o serão; no final, seremos todos uns sortudos por ter tido alguém tão dedicado a ensinar-nos, não só a matéria do livro, como também importantes valores morais, como a amizade, a cooperação e a disponibilidade para com os outros. E, por isso, agradeço igualmente o seu generoso convite e a manhã bem passada na sua companhia e dos seus queridos - uns, mais indisciplinados que outros - alunos. 


   Já agora, professora, peço desculpa por algum menos apreciável erro de gramática ou pontuação neste pequeno texto, caso o venha a ler. É bem provável que, a certa altura, tenha sentido uma enorme (e inconsciente) vontade de corrigir qualquer coisinha.


   Esta manhã, havia quem me perguntasse onde procurava inspiração para escrever. A minha resposta é a seguinte : a momentos como estes que partilharam comigo.


   Um enorme OBRIGADA pela experiência de hoje. Foi especial.

inspiração? sim, sem dúvida!

   Hoje, pela primeira vez na vida, sinto que marquei alguém. Sinto-me verdadeiramente realizada.

   No âmbito da Semana da Leitura do colégio que frequentei, desde a pré-primária até ao nono ano, a minha antiga professora de Língua Portuguesa convidou-me para ir falar aos alunos de sexto ano dela sobre a minha experiência enquanto leitora, mas também como escritora. É certo que a minha "carreira" na área se resume, modestamente, a uns quantos prémios literários, a este blogue, à minha participação na revista Fórum Estudante e, sem dúvida, a muita determinação e sonhos para o futuro.
   No entanto, tenho a satisfação de confirmar que, hoje, consegui entusiasmar alguns potenciais artistas da escrita. Tentei representar, durante curtas horas, um exemplo que eles poderiam considerar seguir ou, pelo menos, alguém em quem se revissem. Eu própria me revi nalguns deles. Em certos casos, notei na insegurança, na ânsia de se afirmarem, mas sem o conseguirem por receio do que os colegas poderiam dizer... Noutros, identifiquei exactamente o que me fazia recuar ou ter medo. Ainda assim, agora que os observo a partir do exterior, reconheço que todas estas inibições fazem parte do nosso percurso, do nosso crescimento e da nossa entrada na adolescência. Cada um destes miúdos - se é que os posso chamar de miúdos, visto nem serem muito mais novos que eu - precisa apenas de se conhecer e encontrar algo que o defina.
   Quando eu tinha a mesma idade (onze, doze anos...) não percebia onde me poderia incluir. No grupo dos fixes? No dos renegados? Então, escrevia sobre isso. Aos poucos, fizeram-me ver que essa era a peça que me faltava encaixar no puzzle que eu ainda não entendia completamente. Construí, então, uma personagem para mim, em torno dessa característica. Eu era capaz de fazer algo melhor do que a maioria - escrever. Resumidamente, integrei-me e aprendi a aceitar-me. Todos nós somos diferentes e não nos devemos deixar rotular.
   Em grande parte, agradeço à pessoa que me incentivou desde o início e que, praticamente sete anos depois, continua a acreditar em mim - a professora Antónia. Se, um dia, já fui sua aluna, já outros o foram e muitos mais ainda o serão; no final, seremos todos uns sortudos por ter tido alguém tão dedicado a ensinar-nos, não só a matéria do livro, como também importantes valores morais, como a amizade, a cooperação e a disponibilidade para com os outros. E, por isso, agradeço igualmente o seu generoso convite e a manhã bem passada na sua companhia e dos seus queridos - uns, mais indisciplinados que outros - alunos. 
   Já agora, professora, peço desculpa por algum menos apreciável erro de gramática ou pontuação neste pequeno texto, caso o venha a ler. É bem provável que, a certa altura, tenha sentido uma enorme (e inconsciente) vontade de corrigir qualquer coisinha.
   Esta manhã, havia quem me perguntasse onde procurava inspiração para escrever. A minha resposta é a seguinte : a momentos como estes que partilharam comigo.
   Um enorme OBRIGADA pela experiência de hoje. Foi especial.