Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Procrastinar Também é Viver

Blogue sobre trivialidades, actualidades e outras nulidades. E livros.

Procrastinar Também é Viver

Blogue sobre trivialidades, actualidades e outras nulidades. E livros.

Três conselhos para alunos de Letras

IMG_20200922_173352.jpg

 

Na semana passada, recebi um e-mail dum futuro aluno da minha licenciatura (Ciências da Cultura, na FLUL, que agora se chama Estudos de Cultura e Comunicação). Nesse e-mail, o remetente pedia-me conselhos para quem começa agora esse percurso universitário, o que me despertou sentimentos ambivalentes.

 

Por um lado, parece extremamente irreal pedir apenas um conselho, como se dele dependessem os três anos seguintes, e tendo eu escrito tanto sobre o assunto no blog (a ver tags como "universidade", "estudar", "faculdade" ou "flul", ainda que correndo o risco de lerem o que já escrevi há vários anos e com o qual já não me identifico). Por outro lado, não foi há muito tempo que estava eu nesse lugar, que para mim foi tão feliz e cheio de esperança. Entrar para a universidade foi dos momentos mais felizes da minha vida. Por um conselho ou dois, se soubesse para onde e para quem enviar e-mails, eu tê-lo-ia feito.

 

Por isso, aqui nos encontramos, neste texto. Decidi lembrar-me da miúda que era, dos meus colegas, do nervoso que migrava para o estômago, do entusiasmo, da expectativa. Quis ajudar, aproveitando ao mesmo tempo para fazer um balanço ao fim de sete anos desde a minha primeira aula.

 

Portanto, não sabendo mais nada sobre o remetente do tal e-mail, além do nome e licenciatura, partilho convosco não um, não dois, mas três conselhos especialmente dirigidos a quem entra ou está em Estudos de Cultura e Comunicação na FLUL (aplicáveis a outros cursos de Letras, como Línguas, Literaturas e Culturas). Que sejam boas sugestões intemporais para quem tiver paciência para os ler!

 

1. Ler tanto quanto possível é o mais importante

Para se tirar um qualquer curso em Letras, é preciso gostar-se de ler. Não basta “gostar-se de estudar umas coisas”. Nem sempre ler vai ser uma actividade prazerosa ou de lazer nos próximos anos, mas é importante ler todos os dias, em quantidade e variedade. Por isso, também é essencial saber o que ler, onde encontrar o que se quer ler e como selecionar informação. Se passei os três anos de licenciatura sem ter propriamente “estudado”, tal só foi possível porque senti sempre que ia apenas lendo, tirando notas quando sentia essa necessidade, cultivando e saciando a minha curiosidade.

 

Os materiais que os professores fornecem nas bibliografias e nas antologias são óptimos para quem quer apenas saber o essencial ou por onde pode "começar". No entanto, há sempre temas sobre os quais queremos saber mais, e mais, e mais. Se encontrarmos um interesse específico em cada cadeira, conseguimos aprender muito melhor o que há para aprender, e as nossas relações com os professores e notas acabam por reflecti-lo - principalmente dado que muitas cadeiras têm como elemento de avaliação final um trabalho com tema à escolha ou negociado com o professor.

 

2. Saber escrever, para bem pensar e bem falar

Se noutra qualquer instituição de ensino superior é obrigatório saber escrever, numa faculdade de letras é pecado não saber fazê-lo correctamente e com destreza. O primeiro passo é saber pontuar um texto. O segundo passo é utilizar as palavras certas. O terceiro deve ser organizar as ideias. A maior parte dos elementos de avaliação são entregues em formato escrito e nenhum professor da universidade vai estar disponível para ensinar o que deveria ter ficado sabido no ensino secundário. Não me interpretem mal: tive professores maravilhosos na FLUL, e os maus de que me lembro contam-se pelos dedos duma mão. Mas quem entra numa faculdade de letras tem a obrigação de saber ao que vai e ter uma preparação melhor nesse sentido, não necessariamente da escola, mas acima de tudo por interesse pessoal.

 

A propósito do ensino secundário, a verdade é que é inevitável sentirmos que estamos a dar um salto maior do que a perna, quando passamos do 12º ano para o 1º ano de licenciatura. Neste mundo da universidade, geralmente os professores já não nos querem tratar por “tu”, nem podem baixar a fasquia. É o mundo dos “crescidos” e já não há quem nos dê o desconto.

 

Seja como for, bem escrever resulta em bem falar e em bem pensar - três em linha, e é isso que se quer.

 

3. Aproveitar todas as oportunidades

Com certeza que quem se candidata a cursos de Humanidades ou Ciências Sociais já terá ouvido a sua dose de “e isso dá para o quê?”, ou outras variações do enredo novelístico “vais ficar desempregado para o resto da vida, e agora?!”.

 

Confio que já terei escrito muitas linhas sobre isto durante os últimos anos e mantenho a minha palavra: vamos todos ficar no desemprego se não nos mexermos e esperarmos que, acabadinhos de sair da última aula do curso, nos vá cair uma proposta de trabalho no colo. Não interessa se nos licenciamos em Estudos de Cultura e Comunicação, em Direito, em Gestão, em Arquitectura ou em Engenharia do Ambiente.

 

É preciso fazer pelo menos um pedacinho mais do que o mínimo indispensável, como tirar outro tipo de formação profissional, fazer um intercâmbio europeu (mesmo que de curta duração), fazer parte da comissão do curso ou da Associação de Estudantes, fazer um estágio (mesmo que em part-part-part-time, num centro de estudos), um programa Erasmus ou um Almeida Garrett, arranjar trabalho durante o Verão ou conciliando com as aulas… You name it!

 

A minha experiência pessoal também dita que, se não tivesse feito um pouco de todas essas coisas, não teria realmente vivido ou aprendido muito, além de ter enfiado a cabeça nos livros, antologias e fotocópias.

 

Não se deixem intimidar pelos comentários alheios. Se tiverem gosto pelo que estudam, vão viver três anos inesquecíveis de crescimento. E não, uma licenciatura numa universidade não é um curso profissional: não se aprende realmente a fazer "algo", mas a pensar (sugestão: o discurso This is Water, de David Foster Wallace).

 

Espero que as Letras vos façam tão felizes quanto me fizeram (fazem) a mim!

Universidade #3 - Ciências da Cultura, sim ou não?

Serve este texto para esclarecer algumas das pessoas que me têm pedido informação acerca da minha licenciatura.

BROCHURA OFICIAL AQUI.

INFORMAÇÕES OFICIAIS AQUI.

 

***

 

Ciências da Cultura - SIM! Um grande sim para o meu curso. Adoro-o. Tenho estado motivada como provavelmente nunca estive, o que se tem reflectido nas notas. Tenho feito Ciências da Cultura com relativa facilidade. É difícil ser-se um aluno brilhante, de dezoitos para cima, mas quem já gosta de ler e se interessa por línguas, história, filosofia, linguística e comunicação safa-se bem com notas boazinhas. Acho que o mais "chato" (dependendo do ponto de vista, para mim é indiferente) é ter realmente de ir a todas as aulas de algumas cadeiras, porque os professores dão muita importância ao que dizem entrelinhas. Acho que é uma maneira de compensarem quem presta atenção e é assíduo. Bem, mas adiante...

Ciências da Cultura é uma licenciatura super generalista. Se pretendem especializar-se nalguma coisa, não se metam na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, de todo, porque a maioria dos cursos é mais ou menos assim. Quase todos dão acesso aos mesmos Minors e Majors, alterando-se apenas o tronco comum que representa 1/3 dos créditos. Ciências da Cultura não tem Majors nem Minors, porque representa o equivalente a escolher-se um Minor em Comunicação e Cultura no âmbito de outra licenciatura. Aliás, o seu nome oficial é "Ciências da Cultura - especialização e Comunicação e Cultura", apesar de não haver mais ramos de especialização.

 

No entanto, acho que não há grandes novidades quanto às desvantagens de se entrar em CC que não tenham sido mencionadas em 10 Razões para não se ir para a universidade. Deste modo, toca a enumerar toda a coisa boa que CC tem para dar!

 

1- Um dos pontos mais fortes é podermos ter uma cadeira de opção livre por semestre a partir do segundo ano, isto é, podermos escolher QUALQUER CADEIRA entre as que são leccionadas na FLUL, complementando a oferta lectiva obrigatória. Ou seja, serão 4 cadeiras as de opção livre.

 

2 - No primeiro ano, há dois níveis de língua a fazer, à parte do Inglês, que é obrigatório em todos os 6 semestres do curso. Pode-se escolher uma língua qualquer, não interessa qual. Na FLUL, são leccionadas cerca de 18 línguas, segundo informação que acho que li nalgum lado, incluindo línguas europeias (Espanhol, Francês, Inglês, Alemão, Italiano), asiáticas (árabe, chinês, hindi, japonês, turco) e eslavas (esloveno, búlgaro, russo). Estes são apenas alguns exemplos, mas o que interessa é que há línguas para todos os gostos. Só tenho pena que não haja sueco, finlandês, norueguês ou neerlandês. Não se pode ter tudo, não é verdade? Ah... e, se quiserem continuar a língua além dos dois primeiros semestres, podem fazê-lo através das cadeiras de opção livre!

 

3 - Os professores de cultura, de comunicação e de línguas são dos mais fixes da faculdade, pelo menos segundo o que tenho entendido. Os de Linguística são os mais esquisitos (MAS há sempre excepções) e os de Filosofia costumam ter uma pancada (sei de fonte segura, o Ricardo confirma!). Na verdade, sendo uma licenciatura muito diversificada, os alunos de Ciências da Cultura lidam com professores de todos os departamentos, o que sempre proporciona uma larga experiência com diferentes métodos de avaliação e personalidades, para o bem e para o mal.

 

4 - O aluno tem uma boa base de cultura geral? Que bom, porque CC é excelente para aprofundar/aprender todos esses conhecimentos - vá, e mais alguns!

 

5 - Mais uma vez, a diversidade de áreas curriculares abrangidas em CC torna-o um curso a ter em conta por quem gosta de aprender o máximo possível, sobre imensas coisas - apesar de, por vezes, a especialização propriamente dita prevalecer sobre este tipo de licenciaturas "generalistas".

 

6 - Os alunos de CC têm aulas com colegas de praticamente todos os cursos da faculdade, o que sempre os ajuda a integrarem-se em diferentes grupos de pessoas. Quanto às praxes, pertencem à comissão de Novos Cursos, em que se incluem mais não sei quantas licenciaturas.

 

7 - Ao contrário da maioria das licenciaturas da FLUL, CC contempla um estágio obrigatório de 12 ECTS no final do terceiro ano, que pode ser realizado numa das entidades da lista previamente fornecida ou noutra entidade à escolha do aluno, desde que este estabeleça contacto entre a entidade de acolhimento e a faculdade.

 

 

***

 

Bem, espero mesmo ter-vos ajudado e orientado acerca de Ciências da Cultura ou, pelo menos, dado a entender por que raio gosto tanto do meu curso. Não quero com isto convencer-vos de nada, atenção! As minhas intenções são meramente informativas, portanto não me entendam mal - CC é uma licenciatura, não é uma seita!

 

Ok, estava só a brincar, calma. Também não sou assim tão louca. De qualquer maneira, se não ficarem esclarecidos, ide procurar o meu e-mail ao cabeçalho do blogue e perguntai-me o que mais vos aprouver.

 

Até depois e boa sorte com as candidaturas! :)