Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Procrastinar Também é Viver

Blogue sobre trivialidades, actualidades e outras nulidades.

Procrastinar Também é Viver

Blogue sobre trivialidades, actualidades e outras nulidades.

Votações online e coisas que tais

Não gosto muito de concursos via votações online, nem nunca gostei ou virei a gostar, segundo me cheira. Talvez seja por eu própria não ser popular em lado nenhum, seja na vida real, seja na virtual, e saiba que jamais virei a ganhar uma viagem de finalistas, um urso de peluche, uma guitarra eléctrica ou outro prémio qualquer, mesmo pecuniário e sem valor material. Para que tal acontecesse, seria necessário que eu tivesse muitos contactos adicionados no Facebook ou noutra rede social, amigos igualmente populares que me ajudassem a divulgar a minha causa ou, então, um blogue para lá de célebre. Dado que nenhum dos factores enunciados me assiste, não chego nem a medíocre quando participo nalgum passatempo do género. Sempre encontrei mais benefícios nos concursos cujos vencedores são eleitos por mérito. Pelo menos, através desses, posso eu sonhar com possíveis vitórias.
Deste modo, foi num momento de total inconsciência acerca da minha popularidade que inscrevi  o Procrastinar Também é Viver no concurso Blogs do Ano 2012 do site Aventar, na categoria de blogue Generalista e, já agora, me candidatei igualmente a "Blogger do Ano" (então não?). Contudo, sei que será extremamente difícil obter algum resultado mais ou menos positivo. Existem blogues excelentes a competir, muito melhores do que o meu, e com imensa visibilidade. Estou a concorrer apenas com a esperança de arrecadar mais um par de leitores, se tanto.
Ainda assim, se fizerem muita questão, ainda podem votar a favor da procrastinação alheia, seguindo as seguintes hiperligações:


Já agora...

Mas, além disso, se forem almas disponíveis e caridosas, sempre podem "vomitar", mesmo só por acaso, o endereço do Procrastinar no vosso mural do Facebook ou blogue. Eu cá não sou esquisita!
Ora, muito obrigada pelo tempo de antena. De seguida, se me permitirem, irei jantar. Até já, meus caros! Bom apetite para vocês também, agradecida!

Atenção: após a minha inscrição, ainda decorrerão algumas horas até esta ser realmente validade e colocada em votação nos pódios.

anteontem

Anteontem (como o título indica) fui a Cascais receber a minha menção honrosa (Escrita Criativa, sub-categoria de poesia) do concurso de criatividade Grande C.


Digo-vos que achei tudo uma beleza até chegar ao local em questão. Acordei mais cedo dado que, supostamente, os vencedores teriam a oportunidade de conhecer pessoalmente o júri da sua categoria e... nada. Não houve encontro nenhum a não ser a cerimónia de entrega de prémios em si, onde estavam presentes algumas figuras conhecidas do público e outras que, não sendo tão conhecidas, são de ainda maior relevância. Dos nomes que poderão conhecer, eventualmente, vi os Amor Electro, a Carolina Deslandes, a Rita Redshoes, o Miguel Ângelo, a Paula de Carvalho, entre tantos outros de que não me recordo de momento. No entanto, a desorganização não se manifestou apenas pelo encontro que não encontrou. A cerimónia começou com mais de meia hora de atraso e as actividades que estavam agendadas para a tarde foram a derradeira prova da falta de brio nesta edição da Festa do Grande C. Nem os seus responsáveis sabiam onde as iriam dinamizar! (Tive a oportunidade, inclusive, de assistir a instantes de tensão e desorientação por parte da Paula de Carvalho, a cujo atelier de Escrita Criativa eu assitiria, caso tivesse havido organização e melhor coordenação de horários). Acabei por assistir apenas ao atelier de Escrita de Letra para Música, com o Nuno Miguel Guedes - jornalista, guionista e argumentista, além de escrever as letras das músicas de grandes artistas portugueses, como a Ana Moura - a quem tenho de dar os sinceros parabéns por ter mantido a calma, apesar de toda a confusão gerada pela situação.


Infelizmente, fui a única vencedora que não teve nenhum representante da sua escola a apoiá-la, o que considero que tenha sido um embaraço enorme. Ainda assim, fui com a minha avó, uma amiga dela e um amigo meu e tenho a dizer que não foi mau de todo. Acabou por ser um dia divertido e diferente!


Quando fui ao palco receber o prémio, também tive a oportunidade de dizer algumas palavras de agradecimento aos promotores do concurso, de encorajamento e felicitação aos meus colegas vencedores e cheguei até a entoar "somos a prova de que Portugal tem talento". Que plagiadora de programas televisivos, 'pá!


anteontem

Anteontem (como o título indica) fui a Cascais receber a minha menção honrosa (Escrita Criativa, sub-categoria de poesia) do concurso de criatividade Grande C.

Digo-vos que achei tudo uma beleza até chegar ao local em questão. Acordei mais cedo dado que, supostamente, os vencedores teriam a oportunidade de conhecer pessoalmente o júri da sua categoria e... nada. Não houve encontro nenhum a não ser a cerimónia de entrega de prémios em si, onde estavam presentes algumas figuras conhecidas do público e outras que, não sendo tão conhecidas, são de ainda maior relevância. Dos nomes que poderão conhecer, eventualmente, vi os Amor Electro, a Carolina Deslandes, a Rita Redshoes, o Miguel Ângelo, a Paula de Carvalho, entre tantos outros de que não me recordo de momento. No entanto, a desorganização não se manifestou apenas pelo encontro que não encontrou. A cerimónia começou com mais de meia hora de atraso e as actividades que estavam agendadas para a tarde foram a derradeira prova da falta de brio nesta edição da Festa do Grande C. Nem os seus responsáveis sabiam onde as iriam dinamizar! (Tive a oportunidade, inclusive, de assistir a instantes de tensão e desorientação por parte da Paula de Carvalho, a cujo atelier de Escrita Criativa eu assitiria, caso tivesse havido organização e melhor coordenação de horários). Acabei por assistir apenas ao atelier de Escrita de Letra para Música, com o Nuno Miguel Guedes - jornalista, guionista e argumentista, além de escrever as letras das músicas de grandes artistas portugueses, como a Ana Moura - a quem tenho de dar os sinceros parabéns por ter mantido a calma, apesar de toda a confusão gerada pela situação.

Infelizmente, fui a única vencedora que não teve nenhum representante da sua escola a apoiá-la, o que considero que tenha sido um embaraço enorme. Ainda assim, fui com a minha avó, uma amiga dela e um amigo meu e tenho a dizer que não foi mau de todo. Acabou por ser um dia divertido e diferente!

Quando fui ao palco receber o prémio, também tive a oportunidade de dizer algumas palavras de agradecimento aos promotores do concurso, de encorajamento e felicitação aos meus colegas vencedores e cheguei até a entoar "somos a prova de que Portugal tem talento". Que plagiadora de programas televisivos, 'pá!

estou no e-talentos. i need help (:

  


Visitem ESTE LINK e votem no poema, caso gostem. Descrevo o significado dele na página em questão, para que não restem dúvidas sobre o seu conteúdo. Agradeço-vos do fundo do coração!


 


 



 


 


VIDA ENVERNIZADA (INTELECTUAL FUTILIDADE)


 


O verniz estala, 
o verniz cai,
mas, verniz, fica!

O verniz, outrora seco, 
agora, ressequido me parece
pois, no dia em que o espalhei,
a gente maravilhava,
o coração me aquecia.

- Não era fogo, era rosa!
Rosa suave e tão vivo…!
Mas, de flor, não tinha nada…
E caiu.

Caí eu em desgraça,
ardendo na chama do vazio
que, na ponta da unha, ainda mói.
Ainda maça.

É a marca da luta,
o virar de muita página,
a dor do papel que muito verniz comeu.

- Dá mais uma pincelada!

Não dou. Não dou.
É o verniz que sou o último a cair.


 


Beatriz Canas Mendes