Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Procrastinar Também é Viver

Blogue sobre trivialidades, actualidades e outras nulidades.

Procrastinar Também é Viver

Blogue sobre trivialidades, actualidades e outras nulidades.

Em 2015, não vou...*

  • praticar desporto por obrigação para com as resoluções de ano novo. No ano passado resultou, mas este ano há outras prioridades em vista e não sei se conseguirei cumpri-las com uma rotina obrigatória de exercício físico. Estou mais virada para a ocasionalidade, se acontecer, aconteceu, senão não hei-de ficar frustrada. A minha massa gorda em excesso e a minha massa muscular em defeito podem aguardar.
  • diminuir a ingestão de gordices e de gulodices. Conheço-me suficientemente bem para saber que, tal como acontece com o desporto, não tenho vida para me andar a conter. A maneira que tenho para lidar com a pressão é comer chocolate e alimentos ricos em hidratos de carbono. Claro que não o faço todos os dias, chegam a ser vezes sem exemplo, mas seriam desfalques em possíveis dietas - para as quais eu não tenho paciência nem estômago.
  • preocupar-me tanto com a depilação durante o Inverno. Já comecei esta não-resolucão em 2014 e tem corrido bem. Também não tenho vida, pachorra ou aquecedor para andar a preocupar-me com pêlos e a meter as pernas de fora das calças de duas em duas semanas enquanto não chegar a estação quente. O meu namorado é um querido e não é esquisito, continua a gostar mais ou menos de mim peluda e tudo e compreende que o meu tempo livre e a minha tolerância ao frio não são os maiores.
  • passar tanto tempo agarrada ao computador. Na segunda metade de 2014 já diminuí bastante a procrastinação neste cenário. Se quiser escrever, ver filmes/séries ou consultar pontualmente as redes sociais, tenho o tablet e o smartphone, que é para isso que eles servem. Quanto ao computador, já me chega ser a única ferramenta possível para trabalhar. Os meus olhos agradecem.
  • deixar o meu quarto de pantanas. Mais um plano que se iniciou antes de 2015. Já tenho quase 20 anos, idade que chegue para ser organizada e limpinha sem supervisão da minha avó. Daqui a uns anos, se tudo correr bem, terei a minha própria casa. Ainda bem que tomei consciência disso!
  • coibir-me de fazer planos para o futuro com a minha cara-metade. Já vai fazer dois anos e meio que estamos juntos, nunca nos zangámos por mais de uma hora, ao todo zangámo-nos para aí três vezes em todo o tempo de relação, partilhamos os mesmos objectivos para um projecto de vida em comum e até ao momento tem tudo corrido às mil maravilhas. Está na hora de deixar a imaginação correr livremente. Adoro fazer planos com ele e pensar em como serão os próximos anos.

 

*Uma adaptação ao desafio "Em 2015 vou" dos Blogs do Sapo.

Também já estou em 2015!

Tomei a liberdade de desaparecer da blogosfera durante os últimos três dias, pois estive a ambientar-me a 2015. Quer dizer, se calhar foi mais 2015 que se esteve a ambientar a mim, porque eu entrei em grande. Foi a melhor viragem de ano que alguma vez tive.

Os meus melhores amigos (mais o namorado duma, que já foi iniciado no nosso grupo, a que chamamos Clube das Meias, mas essa história fica para depois) vieram quase todos passar a noite de dia 31 de Dezembro comigo e foi uma animação: supostamente ficariam dois a dormir cá em casa, mas acabaram todos a ligar aos pais a dizer que pernoitariam na minha sala, uns no sofá, outros em colchões no chão e ainda outro na espreguiçadeira do jardim (trazida para dentro, note-se). Um dos meus cães também se quis juntar à festa e a cadela só não conseguiu um buraquinho porque é enorme e já não havia espaço nem para a tartaruga.

Comemos um lanche super ajantarado, ou um jantar alancharado, jogámos ao polícia e ladrão e ao Uno, comemos, dissemos palermices, comemos, vimos o filme The Interview, comemos, depois chegou a meia-noite, comemos camarões, festejámos com a minha avó e a minha tia, demos beijinhos, dissemos lamechices e quem quis brindou e bebeu espumante em copos de plástico.

Acabada a festarola do costume, montámos o acampamento já mencionado, vimos o resto do The Interview, enquanto alguns iam adormecendo, e depois vimos o Má Vizinhança, que é mesmo bom para encher chouriços e resolver querelas quando um grupo de amigos não consegue decidir que estilo cinematográfico agrada a todos. Por fim, já às 5 e tal da manhã, desligámos a televisão e dormimos uns muito chegadinhos aos outros, como só os amigos fofinhos fazem. Só um dos meus amigos é que foi FRACO, não resistiu e acabou por ir para a minha cama no piso de cima, com todas as comodidades a que uma PRINCESA tem direito.

No meu caso, dormi entre o meu amor, o Ricardo, e a minha amiga mais antiga, a amiga que não se recusou a brincar comigo às Barbies no meu primeiro dia de infantário, aquela que nunca me chamou gorda quando eu parecia um lutador de sumo em miniatura, há praticamente 14 anos, a Inês.

2015 começou com um quentinho no coração e um bafo de jovens adultos pouco rebeldes e muito caseiros a pairar na minha casa.

E no dia 1 almoçaram quase todos comigo e só se foram embora à tarde, podres de sono e com saudades das casas deles! YEY!

Já disse que adoro os meus amigos? E a minha avó - OH OH, A MINHA RICA AVÓ - que tem passado os últimos dois dias a lavar cobertores e mantas?

 

collage.jpg