Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Procrastinar Também é Viver

Blogue sobre trivialidades, actualidades e outras nulidades.

Procrastinar Também é Viver

Blogue sobre trivialidades, actualidades e outras nulidades.

O meu professor de Espanhol

O meu professor de Espanhol tem 30 anos e nota-se que ainda está fresquinho que nem uma alface. Ainda não tem aquele ar traumatizado e cansado de quem se chega a arrepender de ser professor em determinados dias (se não todos), ainda não tem calo, ainda nos transmite muito boas energias mal chegamos à sala de aula. O meu professor de Espanhol é mesmo espanhol, mas fez a escola no Liceu Francês e também fala Inglês, com aquele sotaque que só nuestros hermanos têm. O meu professor de Espanhol é espanhol e, por conseguinte, fala extremamente depressa - este deve ser o maior desafio para todos os alunos que, tal como eu, ainda estão no segundo nível da língua. O meu professor de Espanhol é um pateta, em tudo o que de bom existe em tal qualidade. É desprendido, alegre, fala pelos cotovelos, está sempre a sorrir e a contar piadas. O meu professor de Espanhol tem um carisma contagiante e, mesmo sendo um magricelas de estatura média com ar de intelectual,  tem um je ne sais quoi de encanto infalível. E nem o digo estritamente a partir de uma perspectiva feminina, refiro-me mesmo ao que todos, rapazes e raparigas, homens e mulheres, devem pensar acerca dele. Todos entram e saem bem-dispostos destas aulas! O meu professor de Espanhol ensina a matéria como se nos estivesse a mostrar a última língua do pacote de Babel, através de estratégias de aproximamento aos alunos, com uma relação tu-cá-tu-lá muito descontraída. O meu professor de Espanhol é um operador de milagres: no ano passado, com uma professora quarentona, muitos dos meus colegas nem conseguiam escrever uma redacção com dez linhas escritas à mão; ontem, metade da turma deve ter aparecido na aula dele com redacções de duas páginas escritas a computador (menos eu, ironicamente). O meu professor de Espanhol pode ser o maior bacano de lá da faculdade; porém, cheira-me que não brinca em serviço e nas avaliações é que vão ser elas, como acontece com todos os professores novos. ME-DO.