Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Procrastinar Também é Viver

Blogue sobre trivialidades, actualidades e outras nulidades.

Procrastinar Também é Viver

Blogue sobre trivialidades, actualidades e outras nulidades.

São só fotografias

pexels-photo-296649.jpeg

 

Uma das maiores pequenas alegrias que posso ter é entrar numa casa alheia cheia de fotos tiradas ao longo dos anos. É o meu guilty pleasure, derreto-me e amoleço com isto. Sou uma voyeuse de paredes, estantes e de tampos de móveis, gosto de imaginar as histórias por trás das imagens e de reconstruir narrativas familiares através do meu entendimento de visitante. Essas fotografias são a exibição da própria felicidade, das memórias que se querem preservar. Porque estão dentro de casa e não num mural de rede social, não são para os outros, são para quem lá vive - isto é, consistem numa selecção de lembranças preferidas, mesmo que não tenham sido curadas para os olhos dos outros, uma representação do que os habitantes da casa consideram ser o mais importante acerca de si mesmos e que gostam de rever diariamente.

 

E uma família feliz não tem só fotografias das crianças ou dos grandes eventos com pose pensada, tem fotos de tudo e mais alguma coisa: das férias de Verão, retratos da escola, aniversários, casamentos, Natais, momentos de convívio e olhares que saíram fotogénicos. O repertório não se cinge a uma só categoria ou a um grupo de pessoas, não é necessariamente o mesmo que se descarregaria no Facebook, e mais haverá nos álbuns que se imaginam através desta amostra.

 

Não são só fotografias, afinal.

Não gostei do LxFactory, não gostei da livraria Ler Devagar, mas percebo o seu charme

P1010116.JPG

 

Talvez tenha sido por causa da chuva, talvez tenha sido por causa do frio, mas não gostei do LxFactory (também não gostei da livraria Ler Devagar, mas já lá iremos). Depois duma vida inteira a viver perto de Lisboa e de muitos anos a lá estudar, fui para a Tailândia em pleno desconhecimento deste sítio in

Agora que voltei, estabeleci como objectivo visitar todos os locais que ainda não conheça em Lisboa e que eu sinta que me possam surpreender. Foi mesmo com isso na mente que fui visitar o LxFactory. Até combinei um plano completo com a minha amiga Carolina, para poder experimentar todas as variantes possíveis do dito spot. Almoçámos lá, visitámos todos os tipos de loja e quase nos aventurámos numa sobremesa.

 

P1010168.JPG

 

Aqui seguem algumas impressões...

 

Ora, ponto número 1: os preços no LxFactory encontram-se inflaccionados pela taxa do "ser da moda", isto é, quem lá vai deve estar normalmente disposto a gastar mais dinheiro do que se fosse a outro sítio qualquer. Começou com o preço do almoço. 3€ por uma sopa numa taça minúscula, por onde se poderia beber chá, mais 3€ por um crepe de legumes com 5cmx2cm. Por pessoa, tudo isto. Ah, e um litro de água custou 3,50€ (a dividir pelas duas). Eu sei que Lisboa não é a cidade mais barata do mundo, mas achei isto uma roubalheira. Pelo menos, as doses poderiam ser mais simpáticas. Todos os outros restaurantes tinham menús completos por uma média de 15€. Oh. Meu. Deus. Tentámos as sobremesas, mas, pelo menos a mim, pareceu-me um excesso pagar quase quatro euros por uma fatia de bolo (disclaimer: depois de sairmos do LxFactory, fomos a uma pastelaria local, mesmo à saída).

 

P1010161.JPG

 

P1010117.JPG

 

Ora, ponto número 2: o sítio não é assim tão bonito, nem agradável. Está bem, na semana passada esteve sempre a chover, o piso estava molhado, o céu nublado, as pessoas tristes e os cabelos ao vento. Mas não senti vibrações positivas enquanto estive no LxFactory, só senti um ambiente de coolness forçada. Não senti sequer que fosse um sítio tão artístico como tanta gente diz em todo o lado. Salvaram-se alguns graffitis interessantes, uma e outra mensagem curiosa, mas é só. Sem ser as esplanadas dos restaurantes, nem havia muitos bancos para os visitantes se poderem sentar e apreciarem as vistas.

 

P1010123.JPG

 

Ora, ponto número 3: depois de almoço, fomos à livraria Ler Devagar. Obviamente, eu estava entusiasmadíssima, poderia dar pulos de alegria por finalmente visitar esta livraria santificada nos blogues. Felizmente, também tinha um certa noção de que me poderia vir a desiludir. Pois, desiludi-me. Tem uma boa seleccção de poesia - devo reconhecer - mas o resto dos livros fica áquem das expectativas, não porque seja maus, mas sim porque são os mesmos livros que encontramos em qualquer outra livraria. A forma como estão organizados também não é nada de jeito, até me pareceu que estavam misturados autores portugueses com estrangeiros, não-ficção com ficção, géneros distintos com outros. Promoções... poucas, nem os preços me cativaram. Ficam no olho os mecanismos suspensos e alguns outros detalhes fofinhos, por exemplo, nos cafés dentro da livraria.

 

P1010139.JPG

 

Ora, ponto número 4: só encontrei uma casa-de-banho em todo o recinto. Sublinho, até: uma sanita. E tive dores de barriga. E tinha três pessoas atrás de mim, à espera que eu saísse. Não, não foi o momento mais confortável da minha vida, tive de apressar os meus assuntos e isso não me deixou muito feliz. (Se calhar, até havia mais casas-de-banho, mas o facto de eu não as ter encontrado também diz muito.)

 

P1010154.JPG

 

Ora, ponto número 5: safam-se mesmo os graffitis e a decoração de certas lojas. Pagam-se preços inflaccionados em todo o LxFactory, mas ao menos enchemos o olho nalguns (repito - alguns) sítios. Ainda assim, penso que esses pormenores são mais bonitos em foto do que ao vivo. Pronto, digamos que o LxFactory é um sítio fotografável,giro para o Instagram. 

 

P1010189.JPG

 

Após reflectir sobre a minha experiência, tive mesmo de chegar à conclusão de que não gostei do LxFactory. Fiz por tudo para não ser do contra, tentei procurar pontos positivos, mas concluí sempre que, com tantos locais lindos e maravilhosos em Lisboa, com uma área tão extensa e felizmente renovada à beira do Tejo, com prédios de todos os séculos e mais alguns que não encontramos em mais nenhuma cidade, com tanto espaço verde e urbano onde dá para lavar os olhos e também a alma... O que é que o LxFactory tem de especial? Bem... publicidade? Bom nome? É giro ir-se lá uma vez, ver como é e tal... e pronto. Não lhe consigo achar piada, principalmente quando penso no resto de Lisboa, na paz, beleza, tradição e inovação que esta cidade combina.

 

Contudo, fico humildemente à espera dos vossos comentários! Acham que estou a exagerar? Que deveria ter visto coisas que não vi, para as quais não olhei como deve ser? Que ainda me posso vir a surpreender se lá voltar mais uma vez? Veremos.

 

P1010149.JPG

Fotos de dias felizes ♥

received_1645203122169065.jpeg

A decoração natalícia antes da festa de ano novo da faculdade. Fofa!!! 

 

FB_IMG_1513865651369.jpg

Os amigos das aventuras e dos fatos coloridos (Vietnamita, palhaço internacional e tailandesa). 

 

FB_IMG_1513866234020.jpg

Um dos mil abraços da melhor chefe do mundo (posso levá-la para Portugal? Por favor?). 

 

FB_IMG_1513866028718.jpg

Todos a cantarem em honra do ano novo. 

 

1513865190518.jpg

Em destaque como gueixa que faz playback de músicas marotas - na festa da universidade. Para o que os meus colegas me empurram... Mas valeu a pena, porque, seis horas depois, ainda estou a receber mensagens de gente que se divertiu a ver-me/nos.

 

1513865093815.jpg

No final da performance. Muitos risos, ai ai. 

 

1513843333042.jpg

A fatiota toda. 

 

1513865178081.jpg

Alguns colegas que participaram.

 

Porque há dias maus, outros mais ou menos, outros bons e outros óptimos! Obviamente, dias seguidos com festas de Natal e ano novo têm um lugar especial na minha lista de preferências! 

Testámos aqueles aparelhómetros do Metro de Lisboa

 

photo (1).jpg

photo.jpg

O Ricardo é que disse "podes meter estas fotos lá nos blogues!". Parece que somos jovens, bem parecidos e fotogénicos, por isso compreende-se. Experimentámos o TOMI da estação do Rato e está aprovadíssimo. Mas, também, o que é que nós não aprovamos? Juntos, divertimo-nos sempre com qualquer coisa.

É bom ter uma cara-metade (ah ah ah, lamechice, belhaaaargh)!

Sou anti-Photoshop nas crianças

(Fonte: Observador)

 

Já tinha expresso a minha antipatia para com o Photoshop quando foi lançada a fotografia de família dos duques de Cambridge, o Príncipe William e a Kate Middleton, com o bebé George e o cão (cujo nome é injustamente desconhecido). Por isso, quando vi hoje as fotografias de Natal do príncipe George, fiquei muito desiludida. Voltaram a repetir o estúpido erro de terem editado as imagens da criança.

Mas por que é que não deixam a criancinha em paz? Deixem-no! Ele é príncipe, provavelmente será rei, mas por enquanto ainda é uma criança. As crianças são lindas e fofinhas de qualquer maneira, mesmo sem lhes passarem uma borracha digital nas borbulhinhas e nos arranhões! Arre, que isto já enjoa, já enoja, já cheira mal!

Procrastinar também é ir à SIC!

 

Procrastinar também é viver? Procrastinar... TAMBÉM É VIVER? Pelos vistos, não. Foi isso que eu senti durante o programa "Boa Tarde" de ontem, ao participar na conversa com a apresentadora Conceição Lino, com a Alexandra (ou Pantapuff da blogosfera) e com a psicóloga convidada, a Dr.ª Andrea Oliveira. E não fui a única - também a Alexandra se sentiu desconfortável. Passo a explicar porquê...

Fomos contactadas há cerca de semana e meia por um jornalista - que até penso que seja o que apareceu na peça introdutória, a fazer o vox pop, muito simpático e acessível. Alguns dias depois, cada uma de nós passou algum tempo com ele ao telefone - no meu caso, cerca de meia-hora e, no caso da Alexandra, foi mesmo uma hora. Fizeram-nos imensas perguntas, por isso pensámos que se trataria de uma espécie de preparação para o programa e imaginámos, ao sabermos que seria "uma conversa" ou "um debate" acerca "da procrastinação e dos portugueses", que a nossa intervenção seria muito maior. Mas já lá vamos...

 

Comecei a perceber falhas logo de início. A Alexandra foi e veio de motorista/táxi. Eu vim de carro próprio desde o rabinho de Judas onde vivo na Margem Sul até aos estúdios da SIC, em Carnaxide, e nem se ofereceram para me pagar a gasolina. Claro que não guardo ressentimentos por terem tido o cuidado de darem boleia à Alexandra e não a mim, mas logo a partir daí demonstraram falta de organização (não, estou a brincar, eu detesto a Alexandra e já estou a preparar a minha vingança).

No entanto, ignorei. Por favor, ninguém é perfeito e não havia razões para me armar em diva - eu, uma mera convidada que, ainda por cima, iria ter a oportunidade de divulgar o seu blogue e de comunicar para milhares de espectadores em todo o país, e que tão lisonjeada fiquei pelo convite. Pentearam-me como gente importante, maquilharam-me até não se notar uma única marca dos últimos 10 anos de acne, foram porreiros. Fiquei irreconhecível, pronta a entrar no ar. 

Cerca de 15 ou 20 minutos depois, eu e a Alexandra saímos da sala de cabeleireiro e maquilhagem. Sabem que mais? Os meus três acompanhantes continuavam sentados no corredor, em frente dum ecrã pequeníssimo cujo som e imagem eram quase imperceptíveis. Fiz questão de perguntar se não haveria a hipótese de os colocarem realmente na audiência (como me tinham informado por telefone) e garantiram-me que, quando fosse a minha vez de entrar, todos se poderiam sentar no estúdio. Sim, sim...

[Nota intermédia: Não sei se tomaram atenção ao caso do primeiro convidado, a viver numa casa a cair de podre, com dois filhos menores, desempregado, sem condições ou perspectivas de vida... Fiquem sabendo que tinha um smartphone dos mais caros e que não parecia nada infeliz.]

Após o fim da primeira parte do "Boa Tarde", por fim chamaram-nos ao estúdio. Não havia cadeiras para ninguém, não sentaram nenhum dos meus acompanhantes (nem a minha avó, que acabou por puxar uma cadeira que por ali andava e desenrascar-se sozinha), tive de andar a pedir a não sei quantas pessoas que me dessem água a mim e à Alexandra (só nos deram quando estávamos já à frente das câmaras, quase a aparecer em directo) e nem um lanchinho ofereceram. Contudo, estas coisas acontecem, ninguém estava à espera de tratamento VIP!

Entrámos em directo e a Conceição Lino não corrigiu uma gralha do teleponto: postegar não existe - é postergar. Seria de esperar que uma jornalista com tantos anos de experiência a apresentar directos conseguisse identificar um erro de vocabulário destes, que pelo menos fizesse o trabalho de casa. Gastou-se imenso tempo com explicações etimológicas e de sinónimos de "procrastinar", tempo esse que poderia ser utilizado para deixarem as convidadas falar e explicar elas mesmas o que significa. Sei lá, convidaram-nos por algum motivo, não?

Quem viu o programa deve ter reparado que quase não interviemos. Com alguma sorte, eu e a Alexandra falámos, cada uma, dois minutos (entretanto, fui confirmar e falei cerca de 2 minutos e 10 segundos). Não dissemos quase nada, não adiantámos o que não pudessem adiantar sem nós. Ok, referimos alguns exemplos práticos acerca da procrastinação a nível pessoal, mas ambas concordamos em que isso só contribuiu para que ficassem com a impressão de que não fazemos puto da vida, que somos umas preguiçosas. A Drª Andrea deu-me razão nalgumas coisas que eu disse, explorou bastante bem em que consiste procrastinar, foi rigorosa do ponto de vista científico. Mas, ainda assim, ninguém se deu ao trabalho de nos perguntar ou de explicar ao público que nós procrastinamos E vivemos: ambas estudamos e trabalhamos, temos algumas responsabilidades e ainda arranjamos tempo para nos divertirmos q.b.. Não somos umas zés-ninguém - está a ler, Conceição Lino e respectivo tom de condescendência?

 

De qualquer maneira, nem tudo foi mau. Adorei a experiência e fez-me bem ao ego. Tive o meu tempo de antena, pude dar a minha opinião num programa em directo num dos canais mais vistos em Portugal acerca de algo que faz parte do meu dia-a-dia, a procrastinação, e de desmistificar tudo o que lhe atribuem de negativo. Sei que fiz o melhor que pude, falei claramente e sem me engasgar, achei que foi uma ocasião engraçada e em que recebi o apoio de muitas pessoas. O que mais poderia pedir? Mesmo tendo em conta o acumular de acontecimentos negativos com que me/nos foram presenteando ao longo da tarde de ontem, devido a uma notável falha de organização, já ninguém me tira o facto de ter estado na televisão (sim, sim, não me venham com falsos moralismos, porque aparecer na televisão é giro e há muita gente que gostaria de o fazer!). Foi uma maneira diferente de celebrar o 3º aniversário do blogue.

 

Deixo-vos com algumas fotografias...

 

 

Selfie pós-embelezamento.

 

 

Em directo.

 

 

Já percebi porque é que as famosas querem ser tão magras: a televisão engorda-nos e não é pouco. Só não nos dá mais mamas, o que é uma pena.

 

 

Querido, mudei a cara! - antes e depois de tirar quilo e meio de maquilhagem.

 

 

E vocês, acompanharam o programa de 30 de Junho de 2014? Digam de vossa justiça! :)

Oh Beatriz, e as fotos do teu baile de finalistas?

Baile de finalistas do secundário??? Xiiiiii, isso não foi já há uma eternidade? Não foi, tipo, há três milénios atrás?

Não. Foi (só) há 11 meses.

E, tal como também eu andei à espera daquela noite para mostrar o quão bela posso tornar-me quando me arranjo (ou seja, sem ser quando atiro assim um bocadinho para o monstruoso), muitas outras pessoas estão prestes a viver o seu momento debaixo das luzes da ribalta do seu baile de finalistas. Eu sei que, agora que estão nesse lugar, é tudo muito fofinho e coiso e tal, vestidos e fatos novos (ou herdados à força do pai ou da mãe, em todo o caso), mas quando cá chegarem a este lado - ao lado onde estão aqueles que já paparam muitos bailes de finalistas ao longo da sua curtíssima vida, inclusivé o do 12º ano - vão ver que... sim, continua a ser tudo muito fofinho, com a nossa expressão de júbilo espetada nas fotos ("espero que o fotógrafo capte o meu melhor lado, vamos a ver"), mas o momento em si já passou e isso é que foi o melhor.

Enfim, restam-nos sempre, sempre as fotografias, não é verdade?

Por isso, gostaria de partilhar convosco as minhas. Foram prometidas, mas depois fui-me esquecendo de as mostrar aqui, principalmente porque as do fotógrafo ainda demoraram algum tempo a ser encomendadas e a chegarem.

 

 

Para provar como não são necessários grandes investimentos para se ir como deve ser para um baile de finalistas, porventura inspirando quem procure inspiração low cost, eis a minha toilette:

 

Vestido: Pull&Bear (22ª fotografia) - 27€ - depois do baile, já o devo ter vestido mais de milhentas vezes, porque, dependendo dos acessórios e dos sapatos, dá para usar em todas as ocasiões, de Abril a Outubro

Sapatos: Deichmann - 15€ - não aconselho: são liiiiiiindos, mas descalcei-os três minutos depois de ter chegado, tais eram as dores (só os calcei praticamente para tirar fotografias e receber a fita)

Brincos: directamente importados... da caixa de brincos da minha tia! ah ah ah

Pulseira: directamente importada da minha própria caixa de pulseiras

Verniz: Cliché - Porcelana

Cabelo: levou ali uns ondulamentos, uma bandolete que já tenho há c'anos et voilà!

Maquilhagem: um batom avermelhado que já tinha comprado nos saldos da Women's Secret por 1€, lápis preto pseudo-à-prova-de-água da Essence, sombra branca, cinzenta e castanha também de uma palete da Essence

 

 

Casaco: ... que tenho há anos, de que já gostei, mas depois olhei para ele e percebi que era melhor não o mostrar muito sem ser em ocasiões especiais, ou ainda me confundiriam com a namorada de um mui reputado traficante de pêlo de animais (mas o casaco é sintético, juro!, foi comprado numa estação de Metro de Lisboa)

Mala: da tia, again

 

 

Namorado: produto português de enorme qualidade, com barba e tudo - edição limitada e descontinuada no mercado, pelo que já não há mais iguais a este! =)

 

"As saudades que eu já tinha da minha alegre casinha..."

Voltei há pouco do segundo encontro de animadores da Forum Estudante 2012/13! Yey! (Neste momento, o Dinky encontra-se extremamente amuado comigo, por tê-lo abandonado este fim-de-semana... Cães!)

Acho que através de experiências destas é que eu me apercebo de que sou uma menina-de-casa. Já nem digo que dependo muito das pessoas com quem convivo no quotidiano, mas dependo muito da própria rotina, dos espaços que me são familiares, etc e tal. Ou seja, apesar de adorar este tipo de iniciativas (tudo pago pelos patrocinadores, like a boss), soube-me bem regressar a casa e ver a minha caminha, esperando paciente e fielmente por mim.

MAS... O que interessa não é o meu regresso; é, sim, a minha ida. Portanto, toca a escrever sobre o que é importante!

Andar de Expresso é uma porcaria. O que vale, para compensar o enjoo permanente e os assentos desconfortáveis, é mesmo o motivo por que se toma esse tipo de autocarro (ou qualquer outro) - neste caso, chegar a Torres Novas para o encontro da Forum Estudante. Parece-me motivo suficiente...
Dito isto, o pessoal da Margem Sul, do Algarve e de Lisboa chegou ao seu destino depois de almoço, tendo sido directamente encaminhado para a Biblioteca Gustavo Pinto Lopes (sem direito a lanche, que violência, então?!), para uma espécie de palestra com a Optimus (parceira e patrocinadora), assim como com os protagonistas do programa A Verdade de Cada Um, que foram lá gravá-lo e fazer uma espécie de debate connosco. Aproveitei e, já que sou um bocado parvalhona, poderei ter atrofiado demasiado com a Anny is Candy por ela ser magrinha (como eu!!!!), involuntariamente, por mera falha de comunicação da suposta piada, pelo que lhe peço desculpa se a deixei desconfortável (é que a rapariga até é simpática...). A seguir, dividimo-nos em grupos e realizámos/improvisámos um spot publicitário relacionado com a Optimus. E eu cheia de fome. Por fim, depois de vermos todos os vídeos, é que fomos para a Escola Prática de Polícia, onde ficámos alojados, e onde nos confundiram com peregrinos. Ups! Parece que as nossas paragens são outras...
Malas arrumadas nos respectivos quartos, seguimos para o belo do jantar, que foi batatas fritas e arroz com febras e salada, não víamos o fundo ao prato e valeu a pena esperar, é o que tenho a dizer. Até às 23h, estivemos numa sala de convívio, uns a verem o Benfica-Porto, outros a jogarem Snooker ou Damas, outros que se fartaram e foram lá para fora descarregar as energias, tocar guitarra ou cantar.
Fui uma das primeiras do meu quarto a adormecer, por volta da meia-noite, mas acabámos por acordar todas às 4h30 da madrugada - um grupo de rapazes invadiu a "ala feminina" do corredor e entrou no nosso quarto a gritar "já são sete da manhã, toca a acordar!" e a abrir os cortinados. Eu não caí na armadilha, mas houve quem tivesse caído, não fosse eu assegurá-las de que ainda não eram horas para nos levantarmos. Parvos (mas não conseguiram alcançar o seu objectivo, muahaha)!
Hoje, o dia foi mais reservado para discutir assuntos directamente relacionados com a revista e para convivermos. Até ao almoço, estivemos à conversa na Biblioteca GPL com um dos directores da Forum, o Gonçalo Gil, com quem partilhámos as nossas sugestões para a melhorar, seguindo-se o almoço, os últimos preparativos para a partida e... MÚSICA! Cantámos e tocámos mais um bocado, inventámos um hino "aciganado", dançámos, gritámos, atrofiámos... Mesmo na central rodoviária, enquanto esperávamos pelos autocarros do regresso, continuámos com a festa. Eu, frágil que nem um monte de ossos que sou, tive de me sentar e de me acalmar entretanto, que não aguentei com tanta agitação e horas de sono insuficientes.  Às 15h30 despedimo-nos dos animadores de outras regiões do país - adeus, colegas, até à próxima!
Adormeci no autocarro para Lisboa e voltei a enjoar no autocarro para Setúbal. É horrível andar de Expresso! Aquando da troca de autocarros, tive de ficar toda stressadinha da vida, que não sabia em qual é que tinha de entrar, e não me despedi das pessoas que pararam a sua viagem por ali. Foi só porque eu não encontrava a minha guitarra no porta-bagagens do Expresso! Por isso, aceitem o meu pedido de desculpas e a minha despedida adiada... sff e obrigada.
Agora que já estou em casa, a retomar as energias, agradeço a todos os que estiveram comigo pelo fim-de-semana animado que me proporcionaram e pela vossa companhia, tanto aos animadores - um grupo alargado, mas com quem me diverti e aparvalhei imenso - quanto aos "adultos" - que também são uns bacanos, atenção. Penso que somos uma equipa unida e, mesmo que eu não continue a fazer parte dela para o ano, guardarei boas recordações destes encontros.

Finalmente, que isto já está a ficar demasiado longo e lamechas, deixo um agradecimento de outra natureza a quem continua a apoiar-me, dentro da equipa Forum, quanto ao "Procrastinar Também É Viver".

Para que possam obter outras opiniões sobre estes dois dias ou temas que poderão nem ter nada que ver com o assunto (só porque sim), leiam os blogues da Charlotte e da Carolina Helena, outras duas bloggers-animadoras. A Charlotte já começou a relatá-los e, quem sabe, talvez a Carolina faça o mesmo.

Em jeito de conclusão, partilho algumas fotos:

O "hino" aciganado da Forum Estudante e seus criadores.

A representação da Margem Sul feat. mega careta da Beatriz.

O jogo dos patinhos OU como cair redondo no chão.

(Mais fotografias no Instagram da menina Charlotte: http://instagram.com/sofiassequeira)