Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Procrastinar Também é Viver

Blogue sobre trivialidades, actualidades e outras nulidades.

Procrastinar Também é Viver

Blogue sobre trivialidades, actualidades e outras nulidades.

E, se não for muito incómodo, MORRAM!

Origem: http://dre.pt/pdf2sdip/2013/02/025000001/0000200005.pdf

Caríssimos responsáveis pelo GAVE e Ministério da Educação,

Vocês são feios - uns meninos muito, muito feios! Eu, menina bonita (cof, cof), bem-comportada e moderadamente simpática, ou seja, a personificação do que existe de mais agradável no mundo (cof, COF!), desejaria celebrar o início da minha idade adulta (pff... big deal) no próximo dia 16 de Junho, sem estar subterrada debaixo de apontamentos, livros e coisas que tais. Pelo contrário, graças ao vosso divinal sentido de oportunidade, vejo o meu caso um bocadinho para o escuro, assim numa tonalidade entre o negro e o... NEGRO-A-CAPS-LOCK. Ah, pois... No 9º ano, já me tinham pregado a alegre partida de marcarem o exame de Português na data do meu aniversário, mas, como eu ainda não estava suficientemente contente, PIMBAS, enfia lá mais um exame de Português, (só que ainda pior) no dia seguinte àquele em que devias fazer o que mais te desse na real-gana, com os teus amigos. PIMBAS OUTRA VEZ, esquece lá isso, Beatriz, porque, mesmo que tu não precises de estudar, eles hão-de precisar!

Obrigadinha. 
Com uma facada e um tiro,
Beatriz, a Desconsolada

eles bem queriam, eles bem queriam...!

Gostava de vos contar isto num tom sério, a combinar com o assunto, mas é-me (felizmente) impossível: já não há totalidade de matéria nos exames nacionais de Português, História A, Desenho A ou Matemática A para quem frequenta o 11º ou 12º ano neste momento! (Quase me atirei da janela, tal foi a minha alegria perante esta notícia...!)


Segundo o comunicado do GAVE, para quem realizará os referidos exames nacionais este ano (2012/2013), eles apenas contemplarão matéria do 12º; para quem os realizará para o ano (2013/2014), contemplarão matéria do 11º e do 12º. Não é uma óptima notícia?! Resposta óbvia: ai não, que não há-de ser!


Eles bem nos queriam dar cabo da carcaça, mas, com tanto reboliço, lá tiveram que suspender o seu plano maléfico (ui, que medo).


Eu até já ia a meio do guia de estudo de História A do 10º ano e, olhem... quem me dera nem lhe ter pegado! Claro que relembrei a Grécia Antiga e Roma e o mundo medieval, o que não me fez mal nenhum, só que, de qualquer modo, tal poderá ser considerado, eventualmente, uma perda de tempo. (Porém, neste momento e dadas as cricunstâncias, estou-me nas tintas, verdade seja dita!)


 


Agora, vou fazer algo de útil da vida e ver séries gravadas. Felicidades com a vossa vida recente e subitamente desocupada!


 


Se estiverem interessados, escrevi um artigo para a Fórum Estudante sobre toda esta reviravolta. Para ler, é só clicar.

eles bem queriam, eles bem queriam...!

Gostava de vos contar isto num tom sério, a combinar com o assunto, mas é-me (felizmente) impossível: já não há totalidade de matéria nos exames nacionais de Português, História A, Desenho A ou Matemática A para quem frequenta o 11º ou 12º ano neste momento! (Quase me atirei da janela, tal foi a minha alegria perante esta notícia...!)

Segundo o comunicado do GAVE, para quem realizará os referidos exames nacionais este ano (2012/2013), eles apenas contemplarão matéria do 12º; para quem os realizará para o ano (2013/2014), contemplarão matéria do 11º e do 12º. Não é uma óptima notícia?! Resposta óbvia: ai não, que não há-de ser!

Eles bem nos queriam dar cabo da carcaça, mas, com tanto reboliço, lá tiveram que suspender o seu plano maléfico (ui, que medo).

Eu até já ia a meio do guia de estudo de História A do 10º ano e, olhem... quem me dera nem lhe ter pegado! Claro que relembrei a Grécia Antiga e Roma e o mundo medieval, o que não me fez mal nenhum, só que, de qualquer modo, tal poderá ser considerado, eventualmente, uma perda de tempo. (Porém, neste momento e dadas as cricunstâncias, estou-me nas tintas, verdade seja dita!)

 

Agora, vou fazer algo de útil da vida e ver séries gravadas. Felicidades com a vossa vida recente e subitamente desocupada!

 

Se estiverem interessados, escrevi um artigo para a Fórum Estudante sobre toda esta reviravolta. Para ler, é só clicar.

ai, ai, ai! (prometo que é só mais esta)

Ai, minha nossa senhora, que não vou conseguir mais de 15 no exame de MACS! Ai, mãezinha, que alguns dos exercícios eram mesmo de caras! Ai, que porcaria, abaixo os bloqueios mentais! Ai, que vou baixar a nota final para 17! Ai, raios partam quem se lembrou de fazer provas tão compridas! Ai, que as professoras vigilantes nem se calavam durante aquelas três horas e aquele parlapier já me estava a enervar! Ai, céus...!

fogo, e esta não se cala com os exames...!

Estamos a 17 de Julho de 2012, dia de exame de MACS, segunda fase, e este é o testemunho (verídico, na primeiríssima pessoa) de uma aluna que, por volta das oito horas e meia da manhã, teve de voltar a casa porque o seu relógio de pulso se lembrou, muito oportunamente, de ficar sem pilha. Valeu-lhe o pequeno despertador do papá, que lhe pareceu o mais adequado, à falta de outro aparelho mais discreto. Quem não tem cão, caça com gato, já diz o povo. Regressou à escola mais do que a tempo de ouvir a chamada, de se sentar calmamente na sala e de se pôr à vontade na cadeira de madeira rija como cinco elefantes (glúteos demasiado doridos para se acharem no direito de serem mencionados). Embrenhou-se na resolução do primeiro exercício e por lá permaneceu de corpo e alma durante trinta minutos; o segundo foi um ponto de interrogação deixado para o final; o terceiro foi uma incerteza dada; o quarto foi feito e riscado três vezes, apesar de as última alíneas terem sido relativamente fáceis; o quinto foi metade-metade (metade para mim, metade para o GAVE). Não faço a mínima ideia do que esperar na pauta e já dava jeito que publicassem os critérios na Internet, para alegria de muitos bons alunos (dos maus também, mas só alguns, uma vez que a maioria se está nas tintas).

a coisa poderia estar mais negra

Tal não foi o meu espanto quando, hoje de manhãzinha, pegando nos livros e pousando lá a minha rica vista, muito decidida a estudar como gente grande, concluo que até tenho boa memória - ou que a preparação para a primeira fase foi feita em condições! Tudo me ressurgia na mente, como se tivesse passado a última quinzena a marrar nas mesmas páginas, sem ter vida pessoal. Para bem dos meus pecados, não me esqueci de quase nada da matéria de MACS, durante este entretanto desde o fim de Junho. Lembro-me de como resolver a maior parte dos exercícios e, novidade-novidade, começo a crer piemente que o único problema do raio do exame foi ter sido tão longo (sete páginas). Prefiro acreditar que aquilo não era assim tão difícil, excepto o exercício em que era suposto descobrirmos a dimensão mínima da amostra (o pessoal de Humanidades sabe do que falo). Provavelmente, se nos tivessem dado mais meia hora, eu ainda chegava ao meu tão desejado 16,5 e não teria de estar, neste momento, preocupada com um novo exame. O meu apelo final ao GAVE: não nos lixem outra vez a vida com uma prova a metro, porque isso não seria provar que o ensino em Portugal é de excelência (cof) - seria provar, somente, que estamos num país liderado por otários, educando e formando jovens para a otariedade generalizada.