Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Procrastinar Também é Viver

Blogue sobre trivialidades, actualidades e outras nulidades.

Procrastinar Também é Viver

Blogue sobre trivialidades, actualidades e outras nulidades.

Vocês nem calculam o que é estar à espera do fim das oito horas do intervalo entre as doses dos medicamentos, tipo agarradinha

Vocês nem calculam o que é ser eu e eu estar doente. É, no mínimo, aterrador. Todo o mundo lá fora a funcionar e eu encafuada em casa, ou mesmo no quarto, entregue a ataques súbitos, ora de calor caribenho, ora de frio antárctico, a sofrer aos poucos o processo de habituação ao Anti-Grippine, depois a enveredar pelo Ben-U-Ron, que me tira tanta febre, quanto as náuseas que me causa, do género "nem com um bitoque/carne de porco à alentejana/empadão de alheira, batata frita e espinafres me obrigam a comer", até que desisto e me resigno a tentar controlar as dores de cabeça resultantes da maldita sinosite e a dormir sobre esta gripe do demo.

Já agora, vocês nem calculam, nem nos vossos sonhos mais recambulescos, o que é só encontraram consolo nas comédias românticas do AXN White e nessa adaptação cinematográfica sobre uma mulher com Alzheimer precoce (QUEM ME MANDA VER DRAMAS SOBRE DOENÇAS QUANDO ME ENCONTRO TÃO EMOCIONALMENTE FRÁGIL, QUEM??? EU JÁ DEVIA TER APRENDIDO COM O FILME SOBRE O HAWKING). E chorarem baba e ranho mas não conseguirem distinguir se estão derradeiramente emocionados ou apenas a piorar da sinosite. A sério, what's wrong with me? Ah sim, 40ºC de febre.

Vocês nem calculam o que é ser uma pessoa normalmente imparável das 6h30 às 19h, como eu sou, e nem sequer terem concentração suficiente para ver o raio dum programa da MTV, com miúdas que namoram com dois rapazes em simultâneo e que depois pedem aos papás para decidirem por elas com quem devem ficar (chama-se Moving In). Ou até aquele programa sobre totós que viajam para destinos da droga e que acabam lá presos por 15 anos por serem cúmplices em negócios da carochinha (National Geographic, by the way).

E eu só penso na quantidade de aulas da faculdade a que estou a faltar!!! Estão a falar com a miúda que teve varicela no 1º ano, teve de faltar à escola durante um mês, mas que continuava a fazer questão de receber os trabalhinhos e as fichinhas para fazer em casa!!! Agora, imaginem isso 13 anos depois!

E eu nem sei como passei no exame de código! Quer dizer, até sei - o Anti-Grippine teve o obséquio de começar a fazer efeito dez minutos antes da coisa começar, o que me provocou um speed durante duas ínfimas horas, o suficiente para eu errar as únicas TRÊS BLOODY PERGUNTAS que poderia errar para ser aprovada, sair de Lisboa e regressar ao lar, doce lar (que anda muito amargo, pois 3 em 4 inquilinos encontra-se num estado idêntico ao meu, sendo que a culpa de eu estar como estou é dos primeiros dois atingidos, em particular do meu pai, que foi quem trouxe a bicheza cá para o burgo, but no hard feelings, pois estamos todos no mesmo barco).

 

Agora, se me permitem, vou deixar-vos a ler este devaneio. Finalmente, o meu Actifed chegou. Dizem que dá uma pedrada do caraças, por isso é melhor dar o hasta e esperar que, regressando ao mundo dos vivos, a sinosite tenha ido com os porcos.

 

Também espero que a lasanha do jantar seja miraculosa, pois tenciono regressar à rotina já amanhã.

 

ADENDA: sim, sim, sinusite escreve-se sinUsite, mas é tarde demais, enganei-me e as minhas dores de cabeça infernais voltaram para... para... me infernizar! Seja como, quem é que faria questão de saber soletrar o nome do seu sequestrador? Exacto, ninguém.