Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Procrastinar Também é Viver

Blogue sobre trivialidades, actualidades e outras nulidades.

Procrastinar Também é Viver

Blogue sobre trivialidades, actualidades e outras nulidades.

Beatriz ♥ Murakami

O meu gosto pela leitura e pela literatura não se intensificou sozinho, ao longo dos anos. Felizmente, sempre encontrei estímulos exteriores que me permitiram vir a conhecer melhor o mundo dos livros e dos escritores, sendo um desses exemplos os amigos, em particular uma amiga.

Conheci a Cassandra no meu quinto ano, sexto dela. Íamos as duas no autocarro do colégio todas as manhãs e, já nem me lembro como, começámos a falar sobre Harry Potter, uma saga que eu ainda estava a descobrir, mas em que ela já estava doutorada há muito tempo, se a memória não me falha. Em breve, já eu havia lido HP suficiente para me equiparar a ela em tais conversas. Mas a Cassandra não lia só HP, ela lia de tudo um pouco, o que acabou por me incentivar a fazê-lo também. Infelizmente, eu ainda fiquei presa durante mais uns anos nos romances de faca e alguidar e no Clube das Amigas, dado ainda ser literariamente imatura. Claro que a Cassandra é, no que toca aos livros, muito mais culta do que eu, aposto. Ou seja, seguindo mais directamente para o cerne da questão, sendo a Cassandra a mais velha, tanto em relação a mim quanto à irmã (olá, Érica, eu sei que estás a ler isto!), tornou-se inevitavelmente – falo por mim – o nosso ideal de pessoa e de indivíduo culturalmente activo.

Todo este parlapier (palavra aparentemente francesa, mas que não existe em nenhuma língua) serviu para introduzir o assunto-chave da presente publicação: a Cassandra voltou a fazer das suas. Desta vez, convenceu-me, há um par de meses, a experimentar os livros do escritor japonês Haruki Murakami. No imediato, não fiquei lá muito convencida. Enquadro-me naquele tipo de leitor céptico e que duvida sempre se os seus gostos pessoais se reflectirão no livro que se lhe apresenta. Lida a sinopse, raramente fico convencida. Relatado um resumo da história, muito menos. É preciso que me metam o livro nas mãos e me obriguem a levá-lo para casa com toda e qualquer garantia de que não me desiludirá, que foi o que a Cassandra fez, para meu próprio bem - agora já o sei.
Esse primeiro livro – para variar, emprestado da prateleira da minha boa amiga – foi o Sputnik Sweetheart (Sputnik, meu amor, em português), a edição traduzida para inglês. Como é um livrinho pequenino, não me importei de lhe dar uma hipótese. Não morreria por ler cerca de duzentas páginas, mesmo que, no final, o considerasse um desperdício de tempo. Resultado: adorei o livro, devorei-o em menos de três dias e, quando o devolvi, ainda pedi mais.
Há poucos minutos, terminei o meu segundo Murakami – o seu livro de memórias Auto-retrato do escritor enquanto corredor de fundo, requisitado na biblioteca. O próximo na lista é o Crónica do pássaro de corda, outra vez emprestado pela Cassandra. Antes desse, ainda vou ler uma colectânea de crónicas do Miguel Esteves Cardoso, A Causa das Coisas, mas mal posso esperar por conhecer mais trabalhos do Murakami.
Até agora, concluo que a sua escrita – fluída e acessível a qualquer tipo de leitor - permite-nos observar os cenários descritos de um modo pouco ortodoxo, apontando aspectos em que não repararíamos se nos deparássemos com eles na vida real, permite-nos estabelecer laços de proximidade com as personagens e com a própria voz do narrador/escritor e, como consequência, julgo eu, embrenhar-nos em mundos meio reais, meio fantásticos, como se fôssemos nós a escrever sobre eles ou a vivê-los pessoalmente.

Por norma, quando gosto de um determinado escritor, tenho tendência a ler vários dos seus livros em série. Gosto de conhecer o seu estilo a fundo e de lhe atribuir uma personalidade fictícia, com que me possa identificar (não que, neste caso, haja muito em comum entre uma adolescente de dezassete anos e um escritor de sessenta e tal, não contando com as raízes asiáticas de ambos e o amor pela escrita). É essa relação que pretendo vir a estabelecer com o meu novo amigo Murakami. Seja bem-vindo à minha vida!

Dos outros #27

"É precisamente o facto de os homens serem diferentes uns dos outros que lhes permite construir a sua individualidade de maneira autónoma. Vejam o meu caso, por exemplo. É devido à minha capacidade para detectar certos aspectos de uma paisagem que escapam aos olhos dos outros, para sentir as coisas de maneiras diferente, e porque escolho palavras que diferem das utilizadas pelos demais, que posso escrever histórias a que chamo minhas."

Haruki Murakami, Auto-retrato do escritor enquanto corredor de fundo