Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Procrastinar Também é Viver

Blogue sobre trivialidades, actualidades e outras nulidades.

Procrastinar Também é Viver

Blogue sobre trivialidades, actualidades e outras nulidades.

Viver Pedrógão Grande a 10 000 km

Estou aqui em Bangkok, onde há poucas zonas verdes. Bem, o meu condomínio tem um jardim enorme, se isso serve para alguma coisa. No entanto, em Portugal, vivo no meio… dum pinhal. Dum pinhal que é considerado zona verde pela câmara municipal, portanto nem sequer pode ser usado para construção de nada. É só árvores, ervas daninhas, flores, cactos, palha, muitas vezes lixo (infelizmente).

Atrás da minha casa em Portugal (que é uma moradia com quintal, com mais flores e árvores), está uma casa meio abandonada. O terreno está cheio de lixo. Até tem um carro abandonado. Por cima, imensos fios eléctricos. Muita erva alta. Mais lixo. Ninguém das autoridades municipais quer saber, nem quando o possível dono do terreno e da casa lá vai e se põe a fazer fogueiras (porquê, não sabemos).

Há uns anos, num daqueles verões em que todo o país estava a ser queimado de cima abaixo, houve um grande incêndio no espaço verde em frente da minha casa. Foi muito assustador – apenas uns cinco metros de estrada dividiam a faixa queimada e o nosso portão da frente e a fachada. Bastaria haver uma fagulha a voar com o vento, uma rajada um bocadinho mais forte, e a nossa sorte grande acabaria. Felizmente, nada aconteceu, excepto uma vista muito triste por dois anos, até nova flora começar a desabrochar e os pinheiros a recuperar as perdas causadas pelo fogo.

Até as escolas onde estudei até entrar para a unviersidade, tanto a privada quanto a pública, estavam rodeadas por pinhais extensos! Passei os primeiros vinte e um anos da minha vida no meio dum cenário maravilhoso, tão bom para se crescer, ar puro e espaço para brincar, bichos para explorar, tudo ao estilo de Nárnia, mas extremamente perigoso no que toca a catástrofes, se alguma vez acontecessem.

Por isso, mesmo do outro lado do mundo, as imagens que vi ontem tocaram-me muito, a mim e à minha avó, que está aqui comigo de visita. As imagens de Pedrógão Grande podiam ser as do Pinhal do General, um bairro familiar, parte duma vila de pequena e média dimensão, dipersa pelo meio de – adivinhem – mais pinhais - cheio de vivendas rodeadas de pinheiros, zonas verdes desprezadas pelos serviços municipais, terrenos baldios, lixo ocasional, ervas secas e altas, pouca humidade em Junho-Setembro, muito calor (anteontem, soube que o termómetro da nossa casa marcava 47ºC. Sim, 47ºC, mais até do que num país tropical como a Tailândia.

As imagens que se passaram a centenas de quilómetros da minha casa podiam ter vindo de bem mais perto. Uma pessoa quer viver no meio da Natureza, em paz, longe da cidade e das aglomerações urbanas, longe do barulho, e nestas ocasiões só consegue pensar “poderia ter sido comigo, podia ter sido a estrada em frente da minha casa, podia ter sido a minha casa, poderia ter sido eu ou alguém próximo”. Gente a morrer, gente ferida, perdas, dores físicas e de coração, aldeias despedaçadas, famílias enlutadas, lares consumidos, memórias destruídas.

Fogo posto ou por causas naturais, e depois há tantas possibilidades. Extinto facilmente ou não. Com muitos ou poucos estragos. Mais perto ou mais longe. A atingir-nos a nós ou aos nossos vizinhos. Na nossa porta. Fora ou dentro das nossas paredes.

Podia ser eu, podia ser a minha casa ou a dos nossos vizinhos. Podia ser a minha cadela ou as minhas gatas, que gostam de passear no pinhal. Podia ser o meu jardim. Podia ser a minha terra. Podia ser a minha família.

A morte já é suficientemente trágica quando não há destruição. O simbolismo do fogo é transcendente a muitas culturas. É o inferno na terra. É a dor excruciante. A perda. A violência. A impotência humana perante as forças do fogo.

Não é preciso entrar em politiquices. Este é um assunto que nos toca a todos, sejamos do partido amarelo, vermelho, cor de rosa ou às riscas. Há que unir forças. Apontar dedos não irá resolver nada. No rescaldo, que pensemos em soluções para, pelo menos, prevenir este tipo de tragédias. Sejamos empáticos, sejamos apenas humanos e cidadãos duma terra que, por razões históricas e do acaso do destino, é aquela a que chamamos nossa. No mínimo, ponhamos a mão na consciência.

Líderes deste país, esta situação foi catastrófica, mas ainda há esperança para outras zonas. Tomem conta das vossas terras e da vossa gente. Conservem o país dos vossos antepassados, mas nunca se esqueçam que Portugal também é o vosso país e será o dos vossos filhos e netos. Limpem, cuidem, vão dando uma ou duas olhadelas, controlem, prevejam. Esqueçam rivalidades políticas, principalmente em vésperas de eleições autárquicas, ou usem-nas nem que seja para proveito da população, unam-se e previnam mais um Pedrógão Grande. Dêem o exemplo. Dêem a cara. Dêem uma mão. Ou as duas.

Podia ter sido connosco.

o ar está irrespirável

Vivo na Margem Sul, a 30km de Lisboa, e pensei que estava a haver um incêndio perto da minha casa, uma vez que esta é uma zona menos urbanizada, com muita árvore e vegetação (um paraíso para pirómanos, portanto). No entanto, depois de verificar as notícias (e o Facebook), fiquei a saber que este fumalhada não vem de perto, mas sim de beeeeeeeeeeem longe. Vem de Mafra e Torres Vedras. Como é isto possível? A princípio, julguei não passar-se de uma coincidência, que podem haver incêndios activos aqui e acolá, e que a explicação para o fedor a queimado no meu quintal era causa de um vizinho que anda a limpar o seu próprio quintal (para os menos elucidados, é costume queimar-se os restos da poda dos arbustos, das árvores e das hortas... e estamos mais ou menos na altura de o fazer). No entanto, confirma-se: o bicho vem de bandas bastante longínquas e, de lá de cima da sua origem, até além-Tejo, anda o pessoal todo a viver entre uma nuvem de fumo.


Cá para mim, são os dementores do Harry Potter que andam por aí sem tomarem banho (não julguem a minha opinião pessoal, sff).


 


[NOTÍCIA ORIGINAL]