Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Procrastinar Também é Viver

Blogue sobre trivialidades, actualidades e outras nulidades.

Procrastinar Também é Viver

Blogue sobre trivialidades, actualidades e outras nulidades.

Livros para a veia

[O meu Goodreads está aqui.]

Apresento-vos os livros que se encontram em monte de espera por cima da minha mesa de cabeceira. Por esta altura, já terminei o Sputnik Sweetaheart e o Amor de Perdição. Também já vou a meio d'O Hobbit (que comecei a ler no início deste ano), da autobiografia do Martin Luther King, d'A Literatura Ensina-se? e do grande calhamaço The Spanish Embassador's Suitcase, de que já cheguei a escrever-vos algumas vezes. Quanto aos Homens que matam cabras só com o olhar, acho que vou desistir, apesar de já ter lido o primeiro capítulo, porque não é o meu tipo de ficção favorito (vou mas é ver o filme e acabou-se, desculpem lá qualquer coisinha). E, sim, eu vou ler o Nómada, pois já não será a primeira nem a última amiga a recomendar-mo, porque é totalmente diferente da saga Twilight, patati, patata, e sempre é um bom pretexto para depois falar mal do filme que aí vem (e só eu sei o quanto gosto de denegrir filmes em prol das obras literárias que lhes deram origem!).

Normalmente, é nas férias que me consigo concentrar melhor para ler, tal como todas as pessoas moderadamente normais. Esta primeira semana foi somente reservada para pôr a leitura e a escrita em dia, mas a segunda (e última, snif, snif) já terá de ser para bulir. Porque até as pessoas moderadamente normais não se escapam de ter professoras de História viciadas em passar trabalhos de férias, até no Verão (não se enganem, eu gosto muito da minha, só que a senhora sempre nos podia dar um tempinho para espairecer as neuroniosidades), nem de ter de preparar o trabalho de Geografia a ser apresentado no final do período. Contudo, até às pessoas moderadamente normais mandarão os trabalhos com os porcos se acharem que a sua sanidade mental vem primeiro do que um dezoito ou um dezanove num trabalho. E é aí que eu deixo de ser uma pessoa moderadamente normal, para me tornar, antes, uma pessoa moderadamente anormal.