Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Procrastinar Também é Viver

Blogue sobre trivialidades, actualidades e outras nulidades.

Procrastinar Também é Viver

Blogue sobre trivialidades, actualidades e outras nulidades.

Um livro que não se mede à página: O Senhor Breton e a entrevista (Gonçalo M. Tavares)

IMG_20200207_110529.jpg

 

Quão acessória é a centralidade da poesia?

 

Neste primeiro livro que li de Gonçalo M. Tavares, O Senhor Breton e a entrevista (de 2008), fui apresentada a um fio de pensamento errante, acerca do papel do pensamento abstracto, das palavras e da literatura. Na verdade, sei que li cada capítulo pelo menos duas vezes, e continuo a relê-los, insistentemente. Fico uma e outra vez com a impressão de que me escapou um raciocínio qualquer, uma parte do texto, um significado escondido. Por isso,  parece que a entrevista do/ao Senhor Breton vai ser daqueles livros que vou andar a reler pelos anos fora, um clássico na estante pessoal. São 54 páginas como os lençóis e as mantas: desdobram-se e alargam-se(-nos). Há livros que não se medem à pagina.

 

A meio da leitura, apercebi-me de que este livro majestosamente pequeno é parte duma série chamada "O Bairro". Assim, quando me cansar da releitura, começo a arranjar os outros volumes - fácil! Aliás, imediatamente depois de escrever este texto, vou procurá-los.

 

Não, este não é o livro mais fácil de sempre. É um bocado louco, prescrito a quem queira ficar com o cérebro frito. É qualquer coisa entre o demais e o já chega, mas é isso que faz dele tão especial. De vez em quando, gosto de ler livros que me desafiem. O Senhor Breton, sem dúvida, não me facilitou a vida.  A coletânea de dez perguntas meta e metafóricas insiste no desvendar de pensamentos formalmente simples, mas semanticamente complexos.

 

E o mais importante para o leitor, para o escritor, para quem se alimenta de palavras e versos? Depois de ler O Senhor Breton e a entrevista, eu diria que é aceitar que nem todas as perguntas podem ser respondidas, porque é frequente nem ser necessário. Lá no fundo, já sabemos o que nos faz falta.

 

Obrigada, Gonçalo M. Tavares, por me ter impressionado e engolido à primeira leitura.

Cláudia Jacques (pensa que) canta

 

Cláudia Jacques não se quis ficar atrás das Fannys e Bernardinas deste mundo e mostrou que ainda está cá para reinar. Afinal, ela já anda por estas bandas há mais tempo que essas crianças, não é verdade? "Como um íman, eu colei", é o que esta linda senhora (not) canta no refrão e eu acho que, com versos desta categoria, mais valia Fernando Pessoa não ter nascido para "viver" tal humilhação. Cláudia Jacques - ou seja lá quem for escreveu esta letra - é uma poeta! Camões, Alexandre O'Neill, José Luís Peixoto... Pff, vão todos para o desemprego, agora que esta estrela do panorama literário-musical chegou para brilhar! Ela nem sequer foi atraída pelo íman, ela colou mesmo! Ai, que metáforas mais belas e cheias de significado.

Além de ter iniciado agora a sua carreira de cantora, Cláudia Jacques também pretende entrar no livro do Guiness com o título de "maquilhagem mais inadequada para peles oleosas de sempre". Lindo! 

Ai querem festejar a poesia?

E, hoje, além de se iniciar uma nova Primavera (aqui na zona não é de certeza, que mais parece que anda o Diabo à solta), o meu pai e mais duas amigas minhas fazerem anos e ser, igualmente, o Dia Internacional Contra a Discriminação Racial (acabei de ver isto no Google), também se festeja o Dia Mundial da Poesia. Yeeeey! Portanto, como já nem o faço há bastante tempo, partilho convosco um poema da minha intelectualíssima autoria, cof, cof. É, por sinal, extremamente feliz, e vocês hão-de apreciar a sua festividade. 



QUANDO O POETA MORRE 


Diz que foi da poesia que ele se matou, 
estrangulado pela paixão, enterrado em letras, silêncios 
prolongados e mudo de amores não correspondidos.
Era um sofredor à moda antiga, de antiga lucidez 
e foi a loucura que o levou, coitado… 
Era pouco amado, o homem que juntava sonhos nas entrelinhas, 
falaciando sobre flores, tetos de estrelas, contando tristezas! 
Ai, que triste Fado o dele!, chorou o povo que o perdeu. 
Lágrimas não o trazem, lágrimas não o esquecem, 
mas por vezes parecem sufocadas de conveniência.

[2012]

mais da mesma gabarolice

Ganhei uma menção honrosa no concurso de criatividade Grande C, categoria de Escrita Criativa, sub-categoria de Poesia!!! (Na vida real, uma exclamação destas valeria um colapso dos pulmões por falta de ar ou qualquer coisa do género, já que, de medicinas, percebo apenas o suficiente para entender a Anatomia de Grey - digamos, NADA.) Portanto, pelo que a ocasião "obriga", decidi mostrar-vos um dos poemas que compõe a colectânea com que ganhei o prémio. Aqui fica:


 


PAIXÃO PRIMAVERIL


Não sei se te amo ou se sei amar,
pois de ti guardo ténues lembranças do que fomos.
Eu era feliz em teus braços (e as fotografias o dizem, o repetem, o lamentam...)
Belos tempos, idos e voltados e enterrados,
mas a beleza éramos nós, não negues.
O meu vestido era verde, a pele ainda fresca do banho,
debaixo dos teus dedos de homem, coração mole de menino...
Que lindo!
Reconhece a felicidade que te dei, pois dei
se em vão ou não, não sei, pouco sei.
Foi curto mas eterno, que dizes tu?
A tua voz ficou presa às paredes, em eco falando,
e o teu aroma suave e juvenil ainda gorjeia, ditando
o que, de ti, jamais esquecerei.