Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Procrastinar Também é Viver

Blogue sobre trivialidades, actualidades e outras nulidades.

Procrastinar Também é Viver

Blogue sobre trivialidades, actualidades e outras nulidades.

Nanozine nº10

Quase não tenho dado notícias, mas continuo por cá. Hoje, venho apenas partilhar uam novidade rápida convosco: saiu por fim o nº10 da Nanozine, o primeiro número desta magazine em que participo. Sinto que o meu trabalho foi mínimo, porque, realmente, quem merece uma salva de palmas é a equipa da direcção (a talentosa Leonor e a procrastinadora Alexandra aka Pantapuff, que já conhecerão doutras andanças), assim como todos os artistas que contribuíram para esta edição - destaco o trabalho da Gabrielle Germano, que tratou da ilustração da capa e da BD do número 10.

 

capa10

 

Se gostariam de também contribuir para o próximo número da Nanozine, leiam as condições de submissão e enviem os vossos textos, fotografias, desenhos ou o que melhor vos parecer para o e-mail nanozine.web@gmail.com! Visitem igualmente o site da Nanozine em http://nanoezine.wordpress.com para conhecerem melhor o projecto!

 

Facebook: www.facebook.com/Nanozineoficial

formiga, formiguinha, esmaguei-te bem esmagadinha

Estava eu em plena reflexão sobre que raio poderia escrever, deambulando pelo Facebook porque sim, porque é azul e tem muitas imagens de outras cores, qual bebé absorto no arco-íris da sua existência, quando vejo uma formiga minúscula a fugir por cima da secretária e por tudo quanto a cobre, em particular a revista Flash! de há duas semanas, aberta na página (façam lá o favor de não me apedrejar) da crónica semanal da Margarida Rebelo Pinto (sobre a qual me debruçarei numa publicação posterior, decerto, justificando-me validamente). E o que é que podemos concluir sobre a personalidade desta formiguinha?

  • Ela tinha, evidentemente, tendências suicidas. Não é que eu desgoste de formigas, pois até as acho adoráveis... desde que se encontrem no quintal. Da porta para dentro, já deviam saber que o seu destino é a) serem borrifadas com spray anti-rastejantes, b) serem pisadas até à morte ou c) serem apanhadas pela ponta dos meus dedos ossudos, que gostam de desfazer qualquer porcaria minúscula como distração. Já deu para perceberem que a amorosa formiga não esticou o pernil de velha;
  • Ela não gostava de vento, uma vez que parecia fugir do ventilador do meu portátil. Este último também faz "vrrrrrummmm", pelo que depreendo que a nossa amiguinha também não gostasse de ambientes ruidosos;
  • Ela gosta das fofocas baratuxas de uma das revistas mais mal escritas em Portugal;
  • Mon Dieu!, ela gosta de Margarida Rebelo Pinto!!!;
  • Era uma formiga aventureira e ainda estou a tentar desmistificar de que maneira é que uma formiga chega ilesa ao piso superior de uma vivenda, encontrando-se isolada;
  • Aposto que se tratava de uma formiga pouco inteligente e instruída, dados os pontos anteriores.

 

E agora, perguntam vocês, oh Beatriz, tu lês a Flash?

Pode-se dizer que do que eu mais gosto nestas revistas rosconhofe é de poder falar mal das tiazocas que frequentam as festas do jet7, enquanto comento a sua falta de classe para se vestirem para tais eventos e as poses demasiado ensaiadas que as fotografias mostram. Já vos tinha dito que sou uma miúda muito ranhosa?

formiga, formiguinha, esmaguei-te bem esmagadinha

Estava eu em plena reflexão sobre que raio poderia escrever, deambulando pelo Facebook porque sim, porque é azul e tem muitas imagens de outras cores, qual bebé absorto no arco-íris da sua existência, quando vejo uma formiga minúscula a fugir por cima da secretária e por tudo quanto a cobre, em particular a revista Flash! de há duas semanas, aberta na página (façam lá o favor de não me apedrejar) da crónica semanal da Margarida Rebelo Pinto (sobre a qual me debruçarei numa publicação posterior, decerto, justificando-me validamente). E o que é que podemos concluir sobre a personalidade desta formiguinha?



  • Ela tinha, evidentemente, tendências suicidas. Não é que eu desgoste de formigas, pois até as acho adoráveis... desde que se encontrem no quintal. Da porta para dentro, já deviam saber que o seu destino é a) serem borrifadas com spray anti-rastejantes, b) serem pisadas até à morte ou c) serem apanhadas pela ponta dos meus dedos ossudos, que gostam de desfazer qualquer porcaria minúscula como distração. Já deu para perceberem que a amorosa formiga não esticou o pernil de velha;

  • Ela não gostava de vento, uma vez que parecia fugir do ventilador do meu portátil. Este último também faz "vrrrrrummmm", pelo que depreendo que a nossa amiguinha também não gostasse de ambientes ruidosos;

  • Ela gosta das fofocas baratuxas de uma das revistas mais mal escritas em Portugal;

  • Mon Dieu!, ela gosta de Margarida Rebelo Pinto!!!;

  • Era uma formiga aventureira e ainda estou a tentar desmistificar de que maneira é que uma formiga chega ilesa ao piso superior de uma vivenda, encontrando-se isolada;

  • Aposto que se tratava de uma formiga pouco inteligente e instruída, dados os pontos anteriores.


 


E agora, perguntam vocês, oh Beatriz, tu lês a Flash?


Pode-se dizer que do que eu mais gosto nestas revistas rosconhofe é de poder falar mal das tiazocas que frequentam as festas do jet7, enquanto comento a sua falta de classe para se vestirem para tais eventos e as poses demasiado ensaiadas que as fotografias mostram. Já vos tinha dito que sou uma miúda muito ranhosa?