Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Procrastinar Também é Viver

Blogue sobre trivialidades, actualidades e outras nulidades.

Procrastinar Também é Viver

Blogue sobre trivialidades, actualidades e outras nulidades.

Bateu a nostalgia de quem vai voltar a Portugal em menos de dois dias

IMG_25610129_173734.jpg

 (Há bocadinho, quando cá cheguei.)

 

Na literatura e no cinema, ou apenas na nossa imaginação, existe uma pergunta omnipresente: se soubesses que irias morrer amanhã, o que farias hoje?

Felizmente, não conto morrer tão depressa. No entanto, saber que me vou mudar dum país a 10 000 km de volta para Portugal, e que aqui poderei não voltar tão rapidamente, traz-me uma nostalgia indescritível. Aliás, vou tentar descrevê-la agora, mas não tenho a certeza se me farei entender tão bem quanto desejo.

 

Tenho quase completa certeza de que voltarei a Banguecoque ou à Tailândia no futuro. Quero, pelo menos, mostrar ao meu namorado onde vivi, já que a minha família nuclear cá me foi visitando. O que me causa nostalgia é saber que Banguecoque é uma cidade em mutação acelerada e o que eu conheço hoje já poderei desconhecer daqui a um ano (é verdade). Só na minha avenida, prevêem a conclusão da nova linha de sky train entre este e o próximo ano). Além disso, há sítios aos quais sei que muuuuuito dificilmente poderei regressar, como é o caso do meu estúdio (aquela unidade particular onde vivi durante onze meses e meio) ou do meu condomínio (terei muitas saudades da minha piscina e do ambiente verde e tons de terra dum lado e, do outro, as torres brancas e cinzentas).

 

Deste modo, fiquei com vontade de regressar ou visitar muitos sítios onde não tive tempo de ir, ou porque me senti forreta ou por falta de planeamento. O meu falecimento para Banguecoque e para a Tailândia como os conheço é já daqui a 36 horas e eu não completei a minha bucket list. Nem a meio cheguei. Na semana passada pensei "se morresses agora, ou no mínimo sabendo que vais regressar a Portugal, onde irias?" e fiz imensos planos, mas a vida quotidiana aconteceu e fiquei pela rama. 

 

Seja como e onde for, esta nostalgia deve-se, em grande parte, a saber que este tempo já não volta, porque eu sou agora uma pessoa que se vai apagar no momento em que o avião descolar em direcção à Europa. Não desdenho a pessoa que penso ser aqui na Tailândia, mas sei que também quero experimentar outras versões de mim. Os primeiros quase dois anos da minha vida adulta pós-estudos foram passados aqui, onde tive o meu primeiro emprego, onde vivi sozinha, experimentei muitas coisas novas (comida, pessoas "aspas aspas que é como quem diz", sentimentos, roupa, forma de pensar e estar)... Mas sei que não quero continuar a ser a mesma que sou neste lado, quero antes encontrar um equilíbrio entre o que sou agora, dia 29 de Janeiro de 2018, quem era no dia 22 de Junho de 2016 e quem me vejo sem no futuro.

 

Divago. Voltando ao que me apetece partilhar...

Enquanto escrevo, estou à beira da minha piscina, a tal piscina do condomínio onde vivo (é relativamente normal e barato para alguém da classe média tailandesa viver num condomínio com condições e infraestruturas semelhantes). Custa um pedacinho chorudo da alma sair desta espreguiçadeira onde me encontro sentada, sabendo bem que é provável que nunca mais eu venha a estar neste preciso ponto do globo. Eu sou dada a nostalgias, é um facto que tenho aprendido a aceitar, mas eu tenho quase a certeza que nunca mais vou estar neste sítio, muito menos a esta hora (vou devolver a chave amanhã à tarde), com esta vista nocturna, mas calorosamente iluminada e reflectida na água.

 

E estou a escrever-vos, presentemente no telemóvel, porque não conheço outra forma de lidar com este luto alegre de quem sabe que se está bem aqui, mas que há momentos para tudo na vida, estando eu especialmente entusiasmada por poder partilhá-los com aqueles que mais amo, em vez de o fazer em regime semi-solitário, o que - convenhamos - é bem melhor.

 

Então, pronto. Daqui a 48 horas já estarei com um pé a apontar para Lisboa e, quando assim for, esta nostalgia há-de se encontrar bem enterrada em sonhos e expectativas mais europeias e invernais.

 

(Uma certeza eu tenho: quando puser o nariz fora do avião em Lisboa, hei-de sofrer com saudades do bafo de poluição e humidade De Banguecoque... mas só momentaneamente, que uma pessoa nunca tem fôlego nesta terra!) 

 

IMG_25610129_191908.jpg

(Agora mesmo.) 

Os meus sítios favoritos na Tailândia #2: Koh Samet

*Recentemente, tenho partilhado aqui no blogue os meus sítios favoritos na Tailândia, de forma a que eu mesma tenha mais uma fonte para memória futura e possa também deixar online algumas recomendações a quem estiver interessado em visitar o país. Muitos dos meus sítios favoritos na Tailândia são pouco conhecidos ou menos valorizados pelos turistas, por isso nem sempre são as escolhas mais óbvias de quem procura locais interessantes para visitar.

 

IMG_25601009_101355.jpg

 

Infelizmente, não consegui visitar nem metade dos locais na Tailândia onde gostaria de ter ido enquanto cá vivi. Não fui a Phuket, nem a Krabi, nem a Chiang Mai ou Chiang Rai, não fui ao Este do país... Não visitei muitos parques naturais, nem visitei uma reserva de elefantes. Não fiz quase nada de turístico fora de Banguecoque, mas, pelo menos, visitei um dos meus sítios favoritos na Tailândia não uma, mas quatro vezes: a ilha de Koh Samet. 

 

 

Fui a Koh Samet pela primeira vez em Julho, com a minha avó*. Desde então, fiquei apaixonada. Já regressei uma vez com os meus colegas de trabalho, outra com o meu pai e outra com a minha tia. Quando um casal de amigos portugueses me visitou, não pude ir com eles porque tinha trabalho, mas não descansei enquanto não os convenci a passarem uma noite na ilha.

 

 IMG_25600714_185835 (1).jpg

 

Koh Samet é uma ilha a cerca de 200km a sudeste de Banguecoque e tornou-se um dos meus sítios favoritos na Tailândia por muitos motivos. O primeiro é ser considerado um parque natural, por isso os recursos naturais encontram-se bem conservados, não há lixo em lado nenhum, os edifícios são baixos, só vemos verde num lado e azul do outro. Os restantes estão provavelmente relacionados com a beleza desses mesmos recursos naturais, da água que é transparente, calma e morna, da areia que é fina e do nascer e pôr-do-sol inesquecíveis (excepto quando chove, disso é que eu não gosto).

 

 IMG_25600715_065554.jpg

Não, esta foto não tem mesmo filtros nenhuns, o nascer do sol é mesmo assim, com estas cores cinza que se vão levantando a pouco e pouco, para dar lugar ao verde, azul e amarelo.

 

Devido a todas estas condições, uma pessoa fica a sentir-se relaxada, em paz com o mundo. Sempre que vou a Koh Samet, esqueço-me do bulir constante de Banguecoque, do calor húmido insuportável no meio da cidade, do smog, dos gases, das multidões. Na cidade, o sol nem queima, mas, quando saio, sinto a pele e o nariz a desbloquear. Além disso, sente-se uma corrente de fresca a toda a hora que lembra a Primavera em Portugal.

 

IMG_25600715_190106.jpg

 

A ilha de Koh Samet só é alcançável de barco, obviamente, mas há varios tipos de barco! Há barcos grandes e lentos, que mais se parecem com barcos de pesca, traineiras, e há speedboats (lanchas) de vários tamanhos (mais caros, mas rápidos). Já experimentei as duas modalidades e gosto sempre da experiência. Podemos ir do continente à ilha em estilo James Bond ou em estilo cruzeiro. Os barcos grandes podem pertencer aos hotéis (deixando-nos "à porta") ou a negócios de transporte (deixando-nos no porto principal, no Norte da ilha). Os speedboats deixam os passageiros onde for necessário.

 

1514551787192.jpg

 

Devido aos 100km de costa, há praias em Koh Samet para todos os gostos. Mais a Norte, ficam as praias para quem gosta de festas e discotecas. Quanto mais para Sul andamos, mais silenciosas e intocadas as praias se revelam. Já estive numa das praias do Norte (Hat Sai Kaew) com os meus colegas, mas recomendo e vou sempre para a mesma praia (Ao Wong Deuan) com a minha família. 

 

Se visitarem a Tailândia, mesmo que só tenham cinco dias ou uma semana, tirem dois para visitar Koh Samet. Ficarão com a experiência de ver alguma flora do país, recursos naturais, praias paradisíacas (água morna e turquesa, ar fresco, areia clara e fina) e silêncio... para cortar uma visita hipotética a Banguecoque, com todo o buliço incluído. 

_______

 

*Há 20 anos, a minha avó foi a Cuba com a minha tia. Durante estas duas décadas, tive de ouvir "Cuba é que foi; quem me dera poder levar-te a Cuba, Beatriz!". Quando a minha avó pôs os pés na água e na areia de Koh Samet, recebi um dos melhores presentes de sempre, que cumpriu uma das minhas missões de vida: ouvi-la dizer "isto é melhor do que Cuba". 

Sobre o que eu penso ser o choque cultural

Não houve qualquer hipótese da minha licenciatura em Ciências da Cultura, ou as experiências de intercâmbio em que participei, me prepararem para o que é o choque cultural sobre o qual vos venho escrever.

 

Quase no fim desta experiência a viver no estrangeiro, cheguei à conclusão de que há vários graus de choque cultural, que nalguns aspectos traz habituação, noutros traz frustração. 

 

Habituei-me à comida picante, ao trânsito louco, à falta de raciocínio rápido e pragmatismo, à ausência de pontualidade, à língua (que aprendi a falar, pelo menos de forma a desenrascar-me e a mostrar educação e gratidão), aos contrastes da população, à mistura de mundos, às casas de madeira à beira dos canais a conviverem ao lado dos condomínios modernos de 20+ andares, à hierarquização e aos alunos que se prostram aos meus pés para me falarem, aos tailandeses que estudaram no estrangeiro e dos quais não se sabe o que esperar, ao sotaque tailandês que esquarteja as outras línguas em arestas flácidas. 

 

Mas, depois de todo este processo de habituação e de tantas outras alterações a concessões a que submeti a minha forma de pensar, comportar e viver, também cabe aos tailandeses decidirem se querem acolher-me (ou a qualquer outro estrangeiro) na sua própria comunidade. Eles dizem que sim, e é verdade, eu sei que eles querem mesmo acolher os estrangeiros. 

 

O problema é que falar é mais fácil do que concretizar. Na minha opinião, as relações entre pessoas resultam de negociações bilaterais constantes. Dá-se e recebe-se. A maioria dos tailandeses dá o suficiente, não dá aquilo a que não é obrigado. Assim, as relações que fui estabelecendo ficam pela rama.

 

Não me queixo, apenas tento analisar. Fiz amigos, estou-lhes agradecida por me terem acolhido, dentro do que se conseguiu, mas o meu conceito de amizade quer ir mais longe, precisa de mais, quando o deles não. Trabalhar e viver num meio exclusivamente tailandês, trabalhar para o governo, viver nos subúrbios, leva-me a sentir que necessito de mais do que o que me querem dar e talvez seja isso o verdadeiro "choque cultural": a negociação mal sucedida ou insuficiente de conceitos tão abstractos quanto amizade, carinho, sentimentos, emoções, visões do mundo.

 

Para mim, todos estes conceitos estão no fim da linha da adaptação cultural, porque não são uma necessidade vital, mas sim o que sustém a vida a longo prazo, o que torna possível viver no estrangeiro ou longe do sítio onde crescemos.

 

Há vários níveis de choque cultural. Primeiro, não gostamos da comida. Depois, perdemos a paciência com a maneira diferente de fazer as coisas. Quando já nos resolvemos quanto aos primeiros choques ("é mesmo assim!"), mais desafios se apresentam. E mais. E mais. E mais complexos. E a exigirem mais de nós. E podemos vencê-los, moldando indefinidamente a forma como pensamos, comportamos e vivemos; ou chega a uma altura em que já não dá mais. É assim que eu me sinto.

 

Não me sentir parte de nenhum grupo ou comunidade é o derradeiro efeito do meu choque cultural, que é um choque do que se sente no coração e no fundo do estômago. É o resultado da procura de sentido na vida dos outros, quando só se encontram portas meio abertas. É o choque de se tentar aprofundar o superficial, de passar os colegas a amigos, que não funciona. O derradeiro desafio da transculturalidade.

 

Mas não faz mal! É mesmo assim. Faz tudo parte desta experiência que é a vida humana. A minha vida. Estou em paz com o que posso dar e receber. Já referi o quão agradecida me sinto por poder, sequer, escrever acerca de tudo isto? 

 

(E, não tendo concluído o meu mestrado por cá, posso dizer que aprendi o suficiente para uma pós-graduação em gestão da interculturalidade! )

Hoje, um ano após a morte do rei da Tailândia, Rama IX

Resultado de imagem para king bhumibol

(Crédito: http://newdelhi.thaiembassy.org/en/2016/11/thailand-mourns-late-great-monarch-majesty-king-bhumibol-adulyadej/ )

 

Há um ano, morreu o rei da Tailândia, o rei Bhumibol (que se lê Bu-mi-pon), ou Rama IX.

Levanto-me cedo. Às oito estou fora de casa. Na rua, as pessoas vestem roupas escuras - à semelhança de todos os dias que antecederam este dia, de há um ano até este momento em que eu saí à rua a 13 de Outubro de 2017. As ruas estão quase vazias, porque foi declarado o feriado nacional, mais um dia de luto. 

Este luto que eu também carrego não é um fardo, mas sim uma experiência com e na alma. Os tons neutros e tristes da minha roupa são uma parte da representação da perda. Eu também perdi um rei, o rei que construiu este país que me acolheu, com todos os choques culturais a que tive direito, com direito às pontes linguísticas que tentei forjar, com direito aos meus alunos, com direito aos dias de chuva, à humidade, às filas e ao trânsito, ao cheiro a tubos de escape, ao cheiro a comida, ao meu emprego de sonho, a comida de rua, deliciosa, às crianças que sorriem quando me vêem, algumas que se escondem, aos guardas a gritarem-me "beautiful" todas as manhãs, às máquinas da roupa com moedas, aos condomínios com piscina, às assimetrias da população e das casas, aos meus colegas que eu passei a adorar, à minha chefe que me dá abraços quando me vê, aos 7-eleven... A Tailândia é isto, uma mistura indecifrável de estímulos e gente e barulho e cheiros - seja em tons negros ou vermelhos, laranjas, azuis, como eu a conheci antes.

 

Quando entrei na estação de comboio, pela primeira vez em muito tempo apercebi-me de que tinham colocado músicas solenes a tocar no fundo, em Tailandês e em Inglês. Nenhuma voz anunciava os comboios que chegavam e partiam. Ninguém gritava, só as empregadas do Starbucks atiravam frases mais imperativas. Até os turistas pareciam calados, por fim.

 

É um feriado que anuncia um fim-de-semana prolongado e este parece-se com qualquer outro, excepto que se sente uma qualquer coisa no ar. Até o céu está escuro, sem chover. Ou talvez seja de mim.

 

Morreu o rei da Tailândia, Rama IX, faz hoje um ano. Agora, que são nove da manhã, eu estou aqui sentada no Starbucks, esta herança da abertura do país ao estrangeiro. Há um ano, estava no condomínio onde vivi antes, no 21º andar, eram cerca de sete ou oito da noite, quando li as notícias no Facebook. De imediato, o chat conjunto dos meus colegas inundou-se de palavras que eu não entendia, mas pressentia. Expressei as minhas condolências e pedi conselhos sobre como me vestir no dia seguinte. Assim como me disseram, tenho-me tentado vestir desde então.

 

Há um ano, os meus colegas choraram. Eu escrevi as mensagens oficiais em Inglês em nome da minha faculdade. Mensagens acerca do luto. "Mourning". "We mourn the passing of...". O resto são palavras fixas, escolhemos as que ficavam melhor, as que melhor descreveriam o rei Bhumibol (Bu-mi-pon) até que esses posters e publicações online fossem retirados de circulação.

 

Ainda não foram.

 

Este dia será de luto. Aliás, o resto deste mês será de luto. Os ajuntamentos no Grande Palácio, o aniversário sobre a morte, a construção do crematório, a construção de miniaturas do crematório por todo o país, a cremação, a coroação, e talvez só depois consiga voltar a serenidade nestes corações tailandeses.

 

Porque este foi o rei que se ajoelhou perante os seus súbditos e lhes... e os tocou. Em todos os aspectos.

 

Resultado de imagem para mourners grand palace

(Crédito: http://www.abc.net.au/news/2016-10-14/thai-kings-body-taken-to-palace-as-mourners-pay-last-respects/7935152 )

O que eu já aprendi sobre os tailandeses

Os tailandeses são pessoas muito afáveis e prestáveis.


Os tailandeses são pessoas muito educadas e atentas aos outros.


Os tailandeses sorriem imenso e não são nada rabugentos, seja onde for (no trabalho, no trânsito, quando há algum problema no trabalho...) - portanto, tal e qual como os portugueses.


Quem diz que o trânsito de Bangkok ou da Tailândia é caótico certamente nunca terá estado em Entrecampos, no Saldanha ou no Marquês em hora de ponta.


Apesar desse suposto "caos", uma mistura de para aí dez tipos de veículo diferentes a circular na via (carros, autocarros, carrinhas, motorizadas, com passageiros, sem passageiros, para passageiros, para carga), não se vêem acidentes como em Portugal. Não se vêem mesmo acidentes nenhuns, porque os tailandeses podem parecer caóticos, mas na verdade são os melhores condutores que já conheci.


No escritório onde trabalho, entra-se às 8:30, trabalha-se a partir das 9h)/9:30, vai-se falando e trabalhando, vai-se comendo, almoça-se das 12h às 13h, trabalha-se até às 16:00/16:30 e, claro, vai-se comendo.


Os tailandeses comem o dobro dos portugueses e são quase todos magros. (Juro que não sei onde esta gente arruma tanta comida!)


Os tailandeses comem arroz e noodles ao pequeno-almoço, com carne e vegetais fritos.


As meninas e mulheres tailandesas têm muito estilo: nunca lhes vemos um cabelo fora do sítio, uma roupa que as favoreça menos, sapatos rasca, maquilhagem desajeitada... e tudo isto num clima tropical, quente e húmido.


As lojas e mercados de rua só vendem roupa bonita. Há um corredor inteiro dedicado só à maquilhagem no supermercado. 

 

Os tailandeses parecem quase sempre ter metade da sua idade real.


Os tailandeses não têm rugas.


Apesar do clima tropical, os tailandeses não cheiram a suor.