Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Procrastinar Também é Viver

Blogue sobre trivialidades, actualidades e outras nulidades.

Procrastinar Também é Viver

Blogue sobre trivialidades, actualidades e outras nulidades.

existem métodos... e métodos

Como já devo ter referido anteriormente, o meu professor de Psicologia deste ano já foi o de Filosofia que tive no ano passado. Com ele, as nossas notas baixam a pique. A maioria dos meus colegas, tal como eu, não consegue ficar imune ao grau de dificuldade dos testes deste professor. Hoje, lá fomos surpreendidos, mais uma vez, como se nunca tivéssemos aprendido com as experiências anteriores.

Conclusão: em testes "normais", a escolha múltipla é a parte mais fácil; em testes do professor A.J., a escolha múltipla suscita nos alunos preocupantes tendências suicidas. Pelo menos, os dois grupos de resposta escrita não eram grande espiga - o pior serão mesmo os métodos de correcção.

 

No entanto, fico feliz por ter este professor. Apesar de ser muito exigente, é um excelente profissional e, fora das aulas, é o que se chama de "bacano", a todos os níveis.

existem métodos... e métodos

Como já devo ter referido anteriormente, o meu professor de Psicologia deste ano já foi o de Filosofia que tive no ano passado. Com ele, as nossas notas baixam a pique. A maioria dos meus colegas, tal como eu, não consegue ficar imune ao grau de dificuldade dos testes deste professor. Hoje, lá fomos surpreendidos, mais uma vez, como se nunca tivéssemos aprendido com as experiências anteriores.


Conclusão: em testes "normais", a escolha múltipla é a parte mais fácil; em testes do professor A.J., a escolha múltipla suscita nos alunos preocupantes tendências suicidas. Pelo menos, os dois grupos de resposta escrita não eram grande espiga - o pior serão mesmo os métodos de correcção.


 


No entanto, fico feliz por ter este professor. Apesar de ser muito exigente, é um excelente profissional e, fora das aulas, é o que se chama de "bacano", a todos os níveis.

má nota, boa nota

Não me queixo muito: tive 15,2 no primeiro teste de História A do ano. Sim, fiquei desiludida por ter estudado imenso e não ter visto resultados proporcionais ao esforço, mas, se relativizar a situação, podia ter sido pior. Hoje, também recebi o primeiro teste de Filosofia e, surpresa das surpresas... tive a melhor nota à disciplina em três anos - 17! Ainda vai ser desta que começo a entender o "bicho", querem lá ver?

Já lá vão dois testes avaliados. Faltam sabe-se lá mais quantos...

 

A acompanhar...

má nota, boa nota

Não me queixo muito: tive 15,2 no primeiro teste de História A do ano. Sim, fiquei desiludida por ter estudado imenso e não ter visto resultados proporcionais ao esforço, mas, se relativizar a situação, podia ter sido pior. Hoje, também recebi o primeiro teste de Filosofia e, surpresa das surpresas... tive a melhor nota à disciplina em três anos - 17! Ainda vai ser desta que começo a entender o "bicho", querem lá ver?


Já lá vão dois testes avaliados. Faltam sabe-se lá mais quantos...


 


A acompanhar...


só para dizer que...

O meu cabelo está um nojo, não estico a franja há quinze dias, enfiei a primeira roupa que me apareceu à frente, a minha pele já passou melhores dias, estou com cara de quem acabou de sobreviver miraculosamente a uma doença terminal e estou tão cansada que mais parece que tenho andado a correr a maratona todos os dias, mas, apesar deste meu aspecto de louca despenteada, viverei a próxima semana em paz e descanso, fazendo o que bem me der na real gana, até chegar a altura de retomar o estudo de preparação para os exames. Resta-me, agora, receber os resultados dos últimos testes e trabalhos, esperar até que a pauta saia e fazer figas para que a minha inspiração criativa regresse ao seu estado normal. Chega de choros compulsivos, aflições às tantas da noite e stress q.b. . Está na hora de respirar fundo... Aaah!

daquelas surpresas pelas quais não esperamos, nem que o mundo acabe

   Normalmente, uma adolescente de férias (citando um exemplo concreto - eu) começa as suas manhãs com uma rotina que rejeita qualquer pensamento ou trabalho escolar. Levanta-se, toma o pequeno-almoço, faz a cama, passeia pelo quarto, passeia pela casa, canta, toca guitarra, olha pela janela, ouve os vizinhos a falarem na rua, faz a depilação às sobrancelhas, encharca as mãos em creme, lê o manual de instruções dos Sims, vai ao Facebook, vai ao Hotmail, vai ao contador de visitas do blogue... Até que alguém a lembra que tem teste de História daí a quatro dias, logo no início do período, porque ter testes lá para o princípio de Maio é para preguiçosos.

estudar

   Para meu grande consolo, hoje foi o dia (ou o princípio da noite) em que, talvez pela primeira vez na vida, me sentei no chão durante sabe-se lá quanto tempo, a estudar. Pensei para mim mesma "ora, fogo, a otária, a presumida, a estúpida, filha-da-mãe-e-do-pai-senão-seria-coxa da C. não há-de ter melhor nota que eu na porcaria deste teste em que eu tenho de alcançar, pelo menos, os 17 valores e meio para chegar ao 18 no final do período!"


  Peguei no livro de Geografia A, fechei a porta do quarto, liguei o aquecedor e embrenhei-me em Áreas Urbanas durante mais de uma hora. Lutei contra a desconcentração, enquanto desenvolvia as minahs capacidades de flexibilidade - a conselho da minha professora de Educação Física - esticando as pernas, forçando os músculos, insistindo e insistindo, sempre com o livro aberto e sem perder o rumo à matéria.


 


   Posso dizer, neste momento, que me sinto preparada para o desafio de amanhã, às oito e vinte em ponto.