Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Procrastinar Também é Viver

Blogue sobre trivialidades, actualidades e outras nulidades.

Procrastinar Também é Viver

Blogue sobre trivialidades, actualidades e outras nulidades.

Universidade #3 - Ciências da Cultura, sim ou não?

Serve este texto para esclarecer algumas das pessoas que me têm pedido informação acerca da minha licenciatura.

BROCHURA OFICIAL AQUI.

INFORMAÇÕES OFICIAIS AQUI.

 

***

 

Ciências da Cultura - SIM! Um grande sim para o meu curso. Adoro-o. Tenho estado motivada como provavelmente nunca estive, o que se tem reflectido nas notas. Tenho feito Ciências da Cultura com relativa facilidade. É difícil ser-se um aluno brilhante, de dezoitos para cima, mas quem já gosta de ler e se interessa por línguas, história, filosofia, linguística e comunicação safa-se bem com notas boazinhas. Acho que o mais "chato" (dependendo do ponto de vista, para mim é indiferente) é ter realmente de ir a todas as aulas de algumas cadeiras, porque os professores dão muita importância ao que dizem entrelinhas. Acho que é uma maneira de compensarem quem presta atenção e é assíduo. Bem, mas adiante...

Ciências da Cultura é uma licenciatura super generalista. Se pretendem especializar-se nalguma coisa, não se metam na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, de todo, porque a maioria dos cursos é mais ou menos assim. Quase todos dão acesso aos mesmos Minors e Majors, alterando-se apenas o tronco comum que representa 1/3 dos créditos. Ciências da Cultura não tem Majors nem Minors, porque representa o equivalente a escolher-se um Minor em Comunicação e Cultura no âmbito de outra licenciatura. Aliás, o seu nome oficial é "Ciências da Cultura - especialização e Comunicação e Cultura", apesar de não haver mais ramos de especialização.

 

No entanto, acho que não há grandes novidades quanto às desvantagens de se entrar em CC que não tenham sido mencionadas em 10 Razões para não se ir para a universidade. Deste modo, toca a enumerar toda a coisa boa que CC tem para dar!

 

1- Um dos pontos mais fortes é podermos ter uma cadeira de opção livre por semestre a partir do segundo ano, isto é, podermos escolher QUALQUER CADEIRA entre as que são leccionadas na FLUL, complementando a oferta lectiva obrigatória. Ou seja, serão 4 cadeiras as de opção livre.

 

2 - No primeiro ano, há dois níveis de língua a fazer, à parte do Inglês, que é obrigatório em todos os 6 semestres do curso. Pode-se escolher uma língua qualquer, não interessa qual. Na FLUL, são leccionadas cerca de 18 línguas, segundo informação que acho que li nalgum lado, incluindo línguas europeias (Espanhol, Francês, Inglês, Alemão, Italiano), asiáticas (árabe, chinês, hindi, japonês, turco) e eslavas (esloveno, búlgaro, russo). Estes são apenas alguns exemplos, mas o que interessa é que há línguas para todos os gostos. Só tenho pena que não haja sueco, finlandês, norueguês ou neerlandês. Não se pode ter tudo, não é verdade? Ah... e, se quiserem continuar a língua além dos dois primeiros semestres, podem fazê-lo através das cadeiras de opção livre!

 

3 - Os professores de cultura, de comunicação e de línguas são dos mais fixes da faculdade, pelo menos segundo o que tenho entendido. Os de Linguística são os mais esquisitos (MAS há sempre excepções) e os de Filosofia costumam ter uma pancada (sei de fonte segura, o Ricardo confirma!). Na verdade, sendo uma licenciatura muito diversificada, os alunos de Ciências da Cultura lidam com professores de todos os departamentos, o que sempre proporciona uma larga experiência com diferentes métodos de avaliação e personalidades, para o bem e para o mal.

 

4 - O aluno tem uma boa base de cultura geral? Que bom, porque CC é excelente para aprofundar/aprender todos esses conhecimentos - vá, e mais alguns!

 

5 - Mais uma vez, a diversidade de áreas curriculares abrangidas em CC torna-o um curso a ter em conta por quem gosta de aprender o máximo possível, sobre imensas coisas - apesar de, por vezes, a especialização propriamente dita prevalecer sobre este tipo de licenciaturas "generalistas".

 

6 - Os alunos de CC têm aulas com colegas de praticamente todos os cursos da faculdade, o que sempre os ajuda a integrarem-se em diferentes grupos de pessoas. Quanto às praxes, pertencem à comissão de Novos Cursos, em que se incluem mais não sei quantas licenciaturas.

 

7 - Ao contrário da maioria das licenciaturas da FLUL, CC contempla um estágio obrigatório de 12 ECTS no final do terceiro ano, que pode ser realizado numa das entidades da lista previamente fornecida ou noutra entidade à escolha do aluno, desde que este estabeleça contacto entre a entidade de acolhimento e a faculdade.

 

 

***

 

Bem, espero mesmo ter-vos ajudado e orientado acerca de Ciências da Cultura ou, pelo menos, dado a entender por que raio gosto tanto do meu curso. Não quero com isto convencer-vos de nada, atenção! As minhas intenções são meramente informativas, portanto não me entendam mal - CC é uma licenciatura, não é uma seita!

 

Ok, estava só a brincar, calma. Também não sou assim tão louca. De qualquer maneira, se não ficarem esclarecidos, ide procurar o meu e-mail ao cabeçalho do blogue e perguntai-me o que mais vos aprouver.

 

Até depois e boa sorte com as candidaturas! :)

4 comentários

  • Imagem de perfil

    BeatrizCM 11.04.2015 12:36

    Olá, Pedro!
    Antes de mais, muito obrigada pelo contacto :)

    Há algumas cadeiras de linguística, sim, mas não me parece que sejam das mais difíceis. Temos, por exemplo, Análise do Discurso, Linguagem e Comunicação e Produção do Português Escrito. No entanto, além de recuperarem alguma da gramática de 12º, também estão mais ou menos encaixadas na noção de "cultura" e em como a linguagem desempenha um papel muito relevante na sua análise.

    Diz-me se estiver errada, mas estás a falar dessa "frustração" no âmbito da interpretação de textos? Se sim, não te preocupes, pois quando chegares à FLUL vais ter já de saber interpretar textos e não serão necessariamente literários. No caso das cadeiras de literatura, há espaço para interpretações, mas apenas mais estruturais e não tão minuciosas. Não é esperado de nós que saibamos por que raio as cortinas são azuis e como isso transparece os sentimentos das personagens, se é que me entendes. Em vez disso, é esperado que façamos uma análise histórica, cultural, social... enfim, contextual.

    Não te vou iludir, as frustrações serão outras (aka parecer que os professores não são muito criativos, mas caaaaaaaaaaalma, há professores e Professores que fazem tudo valer a pena, e etc etc). Contudo, no geral, acho que fiz bem em ir para CC, mesmo que haja alturas em que uma pessoa tem vontade de bater com a cabeça nas paredes.

    Espero ter ajudado! Boa sorte :)
  • Sem imagem de perfil

    Pedro Santos 27.04.2015 03:19

    Muito obrigado pela resposta! Desculpa de alguma das perguntas que fizer aqui forem estupidas ou óbvias, é que quero mesmo saber no que me vou meter hehe

    Achas que é um curso com asas para criatividade, ou pelo menos que te estimule nesse sentido, ou baseia-se mais em "marranço" e trabalhos?

    A frustração do liceu é mesmo a parte totalmente técnica e desprovida de qualquer estimulação criativa, mesmo num curso como Linguas e Humanidades, por isso é que Ciencias da Cultura é um curso que me revejo tanto, por fazer tão parte da minha personalidade absorver o máximo sobre cultura, só porque sim hehe

    Ainda te vou chatear mais um bocado com isto se não te importares! Mas pago-te um Kinder Bueno na FLUL se chegar a ir pra lá como agradecimento ahaha Obrigada!
  • Imagem de perfil

    BeatrizCM 03.05.2015 11:59

    Olá, Pedro!

    O Kinder Bueno parece-me uma excelente ideia :p

    Quanto à criatividade, não penso que algum curso, de que grau for, seja pelo menos 80% de criatividade. No máximo, em CC e na generalidade dos cursos da FLUL, 50% depende do estudo e de compreenderes aquilo que vem nos livros e, se tiveres força e iniciativa para o fazeres, os outros 50% máximos de criatividade poderão ser aplicados nos temas de trabalho e em quanto puderes utilizar a tua cultura geral para fazeres as coisas à tua maneira. Não me sinto frustrada como no secundário, se é essa a tua dúvida, mas acho que, se vais para um determinado curso, não é para dares particularmente largas à tua imaginação durante os três anos, mas sim para fazeres as coisas como deve ser, segundo as regras do curso (que podes tentar moldar à tua maneira, e dependendo dos professores que te calharem).

    Boa sorte, mais uma vez! Dispõe ;)
  • Comentar:

    CorretorEmoji

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.